A INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL E SUA PROPAGAÇÃO NO ENSINO MÉDIO

Washington Luiz da Costa, Andreia de Freitas Zompero

Resumo


As instituições escolares são locais privilegiados para que o ensino e a aprendizagem aconteçam. O Ensino Médio, etapa final da Educação Básica, representa o período ideal para a produção científica se solidificar. O presente artigo tem como objetivo apresentar e discutir a literatura relativa à estruturação da Iniciação Científica no ambiente escolar. Para isso, avançamos no universo da Iniciação Científica abordando o seu início de maneira institucionalizada no Brasil por meio da criação do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) na década de 1950, quando se deu o início ao incentivo financeiro para a pesquisa científica no nosso país, até a escola atualmente. Percorremos também os Documentos Oficiais de Ensino do Brasil que sugerem e citam em seus escritos a propagação da pesquisa e da Iniciação Científica nas escolas. Para finalizar, elencamos alguns programas governamentais que estimulam o trabalho científico na escola, oferecendo bolsas financeiras ofertadas aos alunos do Ensino Médio inseridos em programas de pesquisa.  As discussões aqui apresentadas poderão promover a compreensão da comunidade acadêmica em relação ao fomento da Iniciação Científica no Ensino Médio nas escolas do Brasil.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26843/rencima.v8i1.988

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2179-426X

Principais Indexadores e Banco de Dados 

   4fscprrsdbplgx1korycxmt8hz22jwbgfztn2wy3tm8yqmxkqtam7cpmcsaml9ttq_400      base_sumarios-org_696      logo-oei_400      latindex_376 diadorimq_600

 

Licença Creative Commons
A REnCiMa está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional