Contribuições da pesquisa como eixo nas disciplinas de ensino de Ciências: um estudo sobre ideias de alunos acerca de Química Orgânica

  • Diana de Meneses Souza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia
  • Erivanildo Lopes da Silva Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: Modelos didáticos, Concepções alternativas, Discurso

Resumo

Este trabalho procurou identificar concepções ditas alternativas sobre tópicos de química orgânica de alunos do ensino médio da cidade de Barreiras/Bahia. O objeto de análise emergiu da abordagem da pesquisa em sala de aula. Investigou-se tais concepções com base nas etapas da pesquisa em sala de aula: a problematização, a construção de argumentos e a comunicação de resultados. Deste processo evidenciou-se que os alunos do ensino médio pesquisados apresentaram concepções de química orgânica com elementos do vitalismo e de não reatividade dos compostos orgânicos. Além disso, eles tinham a ideia de que qualquer composto contendo carbono era um composto orgânico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BASTOS, F. Construtivismo e ensino de ciências. In: R. Nardi, Questões atuais no ensino de ciências. São Paulo: Escrituras, p. 9-25, 2002.

BASTOS, F., NARDI, R., DINIZ, R. E., CALDEIRA, A. M. Da necessidade de uma pluralidade de interpretações acerca do processo de ensino e aprendizagem em ciências: revisitando os debates sobre costrutivismo. In: F. Bastos, R. Nardi, R. E. Diniz. Pesquisa em ensino de ciências: contribuições para a formação de professores. São Paulo: Escrituras, p. 9-55, 2004.

CACHAPUZ, A., PRAIA, J., JORGE, M. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: um repensar epistemológico. Ciência & Educação, n. 3, p. 363-381, 2004.

DEMO, P. Pesquisa como princípio educativo na universidade. In: R. MORAES e V. LIMA. Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos, Porto Alegre, EDIPUCRS, p. 51-85, 2002.

GAUCHE, R. et al. Formação de professores de química. Química Nova na Escola, v. 27, p. 26-29, 2008.

LARENTIS, A.L; RIBEIRO, M. G. L; PAIVA, L. M. C; CALDAS, L. A; HERBST, M. H; MOURA, M. V. H; DOMONT, G. B; ALMEIDA, R.V. Obstáculos epistemológicos entre pós-graduandos de bioquímica. Ciências e cognição, n.17, p. 76-97, 2012.

MACHADO, A. H., ARAGÃO, R. M. Como os estudantes concebem o estado de equilíbrio químico. Química Nova na Escola, n.4, p. 18-20, 1996.

MORAES, R.; RAMOS, M. GALIAZZI, M.C. (Eds.) Pesquisa em Sala de Aula: Fundamentos e pressupostos. Porto Alegre: PUCRS, 2002.

MORTIMER, E. F. Concepções atomistas dos estudantes. Química Nova na Escola, n.1, p. 23-26, 1995.

MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em ensino de ciências, n.1, p. 20-39, 1996.

MORTIMER, E. F., AMARAL, L. O. Quanto mais quente melhor: calor e temperatura no ensino de termoquímica. Química Nova na Escola, n.7, p. 30-34, 1998.

MORTIMER, E. F., MACHADO, A. H. Assessoria pedagógica. In: E. F. Mortimer, A. H. Machado, Química. Vol. único, p. 1-114. São Paulo: Scipione, 2005.

MORTIMER, E. F., MIRANDA, L. C. Transformações: concepções dos estudantes sobre reações químicas. Química Nova na Escola, n.2, p. 23-26, 1995.

PEDUZZI, S. S. Concepções alternativas em mecânica. In: M. Pietrocola, Ensino de física: conteúdo, metodologia e epistemologia em uma concepção integradora. 2. ed. Florianópolis: editora da UFSC, 2005.

POSNER, G. J., STRIKE, K. A., HEWSON, P. W., GERTZOG, W. A. Accomodation of a scientific conception: toward a theory of conceptual change. Science Education, n.66, p. 211-227, 1982.

RAMOS, M. G. Educar pela pesquisa é educar para a argumentação. In: MORAES, R.; LIMA, V. M. Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 25-49, 2002.

ROSA, M. I., SCHNETZLER, R. P. Sobre a importância do conceito transformação química no processo de aquisição do conhecimento químico. Química Nova na Escola, n.8, p. 31-35, 1998.

SCHAFFER, D. Z. (2007). Representações sociais de alunos universitários sobre o termo “orgânico”. 2007. 84 f. Dissertação de mestrado – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

SILVA, E. L; SOUZA, F. L; MARCONDES, M. E. Transformações químicas e físicas: um estudo das concepções de um grupo de estudantes do ensino médio. Educación Quimica, p. 114-120, 2008.

SOLOMONS, T.W.G; FRYHLE, C.B. Química orgânica. Tradução MATOS, R.M. 6. ed. v.1. Rio de Janeiro: LTC, 2005.

SOLSONA, N., IZQUIERDO, M. El aprendizaje del concepto de cambio químico en el alumnado de secundaria. Investigación en la Escuela, n. 38, p. 65-75, 1999.

VILCHES, A.; SOLBES, J.; GIL, D. Enfoque CTS y la formación del profesorado. In: MEMBIELA, P. Enzeñanza de las Ciências desde perspectiva Ciencia-Tecnologia- Sociedad. Madri: Narcea, 2001.

Publicado
2013-01-01
Como Citar
SOUZA, D.; SILVA, E. Contribuições da pesquisa como eixo nas disciplinas de ensino de Ciências: um estudo sobre ideias de alunos acerca de Química Orgânica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 4, n. 1, p. 20-31, 1 jan. 2013.
Seção
Artigos Gerais