As desigualdades de gênero na docência em Matemática no Ensino Superior: uma revisão de literatura a partir de estudos recentes no Brasil

Palavras-chave: Docência no Ensino Superior, Matemática, Gênero, Mulheres

Resumo

Neste estudo, propomo-nos a pesquisar a construção sociocultural da Matemática como um campo eminentemente masculino. Para isso, lançamos mão de uma revisão sistemática descritiva de literatura, analisando teses e dissertações tanto no banco de dados da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD) quanto no catálogo da Capes, no período de 2000 a 2019. Com os descritores “Gênero”, “Mulheres” e “Matemática”, encontramos cinquenta e um trabalhos que, após aplicados os critérios de inclusão e exclusão e lidos os títulos e resumos, chegamos ao número de quatro investigações, as quais passaram a compor nosso corpus de estudo. Nos estudos analisados, pudemos identificar experiências que marcam a invisibilidade das mulheres docentes de Matemática, justificadas, metaforicamente, pelo Teto de Vidro e Labirinto de Cristal; bem como pelas violências simbólicas que foram, culturalmente, desenvolvidas devido ao habitus masculino em que esta ciência foi construída. Os trabalhos analisados mostram que esse habitus não só dificulta a inserção das mulheres na docência em Matemática no Ensino Superior, como também impõe obstáculos para sua permanência, visto que sua proficiência em Matemática não é reconhecida, sua identidade feminina é secundarizada e sua área de atuação, quando se pensam as posições ocupadas por homens, é desprestigiada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ÁVILA, Rebeca Contrera. PORTES, Écio Antônio. Notas sobre a mulher contemporânea no ensino superior. Mal-Estar e Sociedade, ano 2, n. 2, Barbacena, p. 91-106, jun./2009.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina; tradução Maria Helena Kuner, 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da prática. Tradução de Paula Montero. In: ORTIZ, Renato (Org.). A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho d‘Água, 2013.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade; tradução, Renato Aguiar. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, Marília Pinto de. O conceito de gênero: uma leitura com base nos trabalhos do GT Sociologia da Educação da ANPEd (1999-2009). Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 46, p. 99-117, jan./abr. 2011.

CAVALARI, Mariana Feiteiro. A Matemática é feminina? Um estudo histórico da presença da mulher em institutos de pesquisa em Matemática no estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática. Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2007.

CECCO, Bruna Larissa. BERNARDI, Luci Teresinha Marchiori dos Santos. DELIZOICOV, Nadir Castilho. Formação do professor que ensina Matemática: a consolidação de um campo de estudo no Brasil. Acta Scientiae, Canoas, v. 19, n. 5, p. 742-758, set./out. 2017.

FARIAS, Jose Vilani de. VILELA, Denise Silva. Desenhando o campo da matemática: aplicação dos conceitos de Pierre Bourdieu na Educação Matemática. Estud. Sociol. Araraquara, v. 24, n. 47, p. 207-232, jul./dez. 2019.

GALEANO, Eduardo. Espelhos: uma história quase universal. Porto Alegre: L&PM, 2008

GALVÃO, Cristina Maria. SAWADA, Namie Okino. TREVIZAN, Maria Auxiliadora. Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidencias na prática da enfermagem. Revista Latino-americana de Enfermagem, n. 12(3), p. 549-556, maio/jun. 2004.

HIRATA, Helena. KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho profissional e doméstico: Brasil, França, Japão. In: COSTA, Albertina de Oleiveira. SORJ, Bila. BRUSCHINI, Cristina. HIRATA, Helena (orgs.). Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais. Rio de Janeiro: Editora FVG, 2008.

LIMA, Betina Stefanello. O Labirinto de cristal: as trajetórias das cientistas na Física. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n.3, p. 883-903, Set./Dez., 2013.

LOURO, Guacira Lopes. Uma leitura da história da Educação sob a perspectiva do gênero. Proj. História, São Paulo, n. 11, p. 31-46, 1994.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, história e educação: construção e desconstrução. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, p. 101-132, jul./dez. 1995.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

MENEZES, Márcia Barbosa de. A Matemática das mulheres: as marcas de gênero na trajetória profissional das professoras fundadoras do Instituto de Matemática e Física da Universidade da Bahia (1941-1980). Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares Sobre Mulheres, Gênero e Feminismo. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

PERROT, Michelle. Os excluídos da História: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução de Denise Bottmann. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

PALMA, Lorena Cristina Romero. Docência no ensino superior: aspectos acerca do início da carreira de professores formadores na área de Ciências da Natureza e Matemática. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência. Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2018.

ROQUE, Tatiana. História da Matemática: uma visão crítica, desfazendo muitos e lendas. Rio de Janeiro: ZAHAR, 2012.

ROSSITER, Margaret W. The Mathew Matilda Effect in Science. Social Studies of Sciense, vol. 23, n. 2, p. 325-341, maio/1993.

SAMPAIO, Rosana. F. MANCINI, Marisa. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista brasileira de fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, jan./fev. 2007.

SILVA, Fabiane Ferreira da; RIBEIRO, Paula Regina C. Trajetórias de mulheres na ciência: “ser cientista” e “ser mulher”. Ciência e Educação (Bauru), v. 20, n. 2, Bauru, 2014.

SOUZA, Maria Celeste Reis Fernandes de; FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis. Relações de gênero, Educação Matemática e discurso: enunciados sobre mulheres, homens e matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 20(2), p. 71-99, jul./dez. 1995.

SILVA, Lucimary Batista da. Carreiras de professoras das Ciências Exatas e Engenharia: estudo em uma IFES do Nordeste Brasileiro. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017.

TOSI, Lúcia. A mulher brasileira, a universidade e a pesquisa científica. Ciência e Cultura, v. 33, n. 2, p. 167-177, fev. 1981.

VAZ, Daniela Verzola. O teto de vidro nas organizações públicas: evidências para o Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 3 (49), p. 765-790, dez. 2013.

Publicado
2021-03-30
Como Citar
ALMEIDA, D.; ALMEIDA, S.; AMORIM, M. As desigualdades de gênero na docência em Matemática no Ensino Superior: uma revisão de literatura a partir de estudos recentes no Brasil. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 3, p. 1-26, 30 mar. 2021.
Seção
Artigos Gerais