O uso da sala de aula invertida para ensinar polígonos

Palavras-chave: Aula invertida, Metodologia Ativa, Polígonos, Ensino, Matemática

Resumo

O presente artigo apresenta e analisa a implementação da Sala de Aula Invertida no ensino do conceito curricular polígono. A escolha pelo conceito Polígono centra-se na necessidade de efetivamente trabalhar a Geometria, uma importante área da Matemática. Trata-se de uma intervenção pedagógica desenvolvida com dezenove estudantes do 8º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública. Cumpre esclarecer que, além de assistirem a videoaulas e resolverem exercícios, os estudantes trabalharam com o GeoGebra, material manipulativo, construíram planta baixa, memes, cartazes virtuais, entre outros. Os participantes da pesquisa responderam a um questionário, o qual foi analisado sob a óptica da Teoria Fundamentada. Os resultados apontam que a metodologia da Sala de Aula Invertida atendeu às expectativas, segundo os próprios estudantes. Estes justificaram que realizaram atividades diferenciadas, entre elas, algumas foram intermediadas pelo uso do telefone celular. Por fim, o uso das tecnologias digitais viabiliza a metodologia da Sala de Aula Invertida, oportunizando o aprimoramento do ensino em espaços que vão além da sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTEMUELLER, L.; LINDQUIST, C. Flipped classroom instruction for inclusive learning. British Journal of Special Education, v. 44, n. 3, p. 341-358, 2017.

ANDRINI, Á.; VASCONCELLOS, M. J. Praticando matemática. Coletânea 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. Ed. do Brasil S/A: São Paulo, v. 2, 2012.

AQUINO FILHO, G. F.; et al. Possibilidade de aprendizagem ativa no ensino técnico em mecatrônica com a utilização da plataforma arduino. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 291-300, 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro, LTC, 2018.

BORBA, M. C.; VILLARREAL, M. E. Humanos com a mídia e a reorganização do pensamento matemático: tecnologias da informação e comunicação, modelagem, visualização e experimentação. Springer Science & Business Media, 2006.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular, 2018.

BRASIL. INEP. Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA), 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/pisa. Acesso em: 29 dez. 2019.

CONFORTIN, C. K. C.; IGNÁCIO, P.; COSTA, R. M. Uma aplicação da sala de aula invertida no ensino de física para a Educação Básica. Revista Educar Mais, v. 2, n. 1, 2018.

DAMIANI, M. F.; et al. Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de Educação, n. 45, p. 57-67, 2013.

FELCHER, C. D. O.; et al. Produzindo vídeos, construindo conhecimento: Uma investigação com acadêmicos da Matemática da Universidade Aberta do Brasil. Revista Educacional Interdisciplinar, 2017, v. 6, n. 1.

FELCHER, C. D. O.; FOLMER, V. A criação de memes pelos estudantes: uma possibilidade para aprender matemática. Revista Tecnologias na Educação, v. 10, n. 25, p. 11, 2018.

FELCHER, C. D. O.; PINTO, A. C.; FOLMER, V. Tendências em tecnologias digitais no ensino da Matemática reveladas no EBRAPEM. Educação Matemática Pesquisa, v. 21, n. 2, 2019.

FERREIRA, E. M. B. Ensino e aprendizagem de geometria em ambientes geométricos dinâmicos: o tema de geometria do plano no 9º ano de escolaridade. 2006. Tese de Doutorado.

GONÇALVES, C. J. S. L; LIMA, A. M. P.; LIMA, E. N. P. Os memes e a mediação no ensino de leitura. In: Colóquio Nacional de Hipertexto, 2015, Fortaleza. Anais... Fortaleza, 2015, Colóquio Nacional de Hipertexto, IV, 2015, p.1-8.

HEINSFELD, B. D.; DA SILVA, M. P. R. N. As versões da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o papel das tecnologias digitais: conhecimento da técnica versus compreensão dos sentidos. Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 2, p. 668-690, 2018.

HONÓRIO, L. G.; SCORTEGAGMA, L. Sala de aula invertida na prática: implementação e avaliação no ensino de matemática. Anais do XXIII Workshop de Informática na Escola, 2017.

INSTITUTO GEOGEBRA. 2014. Disponível em: http://www2.uesb.br/institutogeogebra/. Acesso em: 20 fev. 2020.

KNIJNIK, G.; DA SILVA, F. B. S. " O problema são as fórmulas": um estudo sobre os sentidos atribuídos à dificuldade em aprender matemática. Cadernos de Educação, n. 30, 2008.

MALTEMPI, M. V. Educação matemática e tecnologias digitais: reflexões sobre prática e formação docente. Acta Scientiae, v. 10, n. 1, p. 59-67, 2008.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, p. 2-25, 2018.

MORAN, K.; MILSOM, A. The flipped classroom in counselor education. Counselor Education and Supervision, v. 54, n. 1, p. 32-43, 2015.

PAVANELO, E.; LIMA, R. Sala de Aula Invertida: a análise de uma experiência na disciplina de Cálculo I. Boletim de Educação Matemática, v. 31, n. 58, p. 739-759, 2017.

PIMENTA, C.; SARAIVA, M. J. O Desenvolvimento do Pensamento Algébrico nos Primeiros Anos do Ensino Básico. Investigação em Educação Matemática, p. 327-350, 2013.

REZENDE, D. P. L. Ensino e aprendizagem de geometria no 8 º ano do ensino fundamental: uma proposta para o estudo de polígonos. Universidade Federal de Juiz de Fora, Dissertação de mestrado, 156p, 2017.

RIO GRANDE DO SUL. Referencial Curricular Gaúcho. Seduc/Undime/Sinepe-RS, 2018.

ROJAS-CELIS, C.; CELY-ROJAS, V. Propuesta de ensenanza en Calculo Vectorial: un acercamiento a la clase invertida. Revista Científica, n. 37, p. 58-67, 2020.

SANTOS, L. S.; DE JESUS OLIVEIRA, K. E.; ALVES, A. L. Sala de aula invertida e novas tecnologias: uma nova proposta de ensino. Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, v. 9, n. 1, 2016.

SCHMITZ, E. X. S.; et al. Sala de Aula Invertida: uma abordagem para combinar metodologias ativas e engajar alunos no processo de ensino-aprendizagem. 2016.

SMOLE, K. S. A BNCC e o ensino de Matemática. In.: BNCC na prática. São Paulo: FTD, 2018.

TENÓRIO, A.; CARVALHO, C. I.; TENÓRIO, T. Ensino de triângulos com o software geogebra. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 7, n. 1, p. 1-18, 11 fev. 2016.

VALENTE, J. A. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em midialogia. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, p. 26-44, 2018.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, n. 4, p. 79-97, 2014.

Publicado
2021-01-02
Como Citar
FELCHER, C.; VIÇOSA, C.; SOARES, R.; FOLMER, V. O uso da sala de aula invertida para ensinar polígonos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 1, p. 1-18, 2 jan. 2021.
Seção
Artigos Gerais