Metodologias alternativas no ensino de Evolução em uma escola pública do Piauí

Palavras-chave: Dificuldades de aprendizado, Ensino de Biologia, Jogos didáticos

Resumo

O conhecimento evolutivo é necessário para a compressão de toda a Biologia. No entanto, esse conteúdo é ministrado de forma rápida e desvinculada da realidade biológica, a partir da exposição dos conceitos e processos de forma mecanizada e fragmentada. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o uso do jogo didático “Vida na lagoa” desenvolvido com o intuito de permitir a compreensão dos processos e conceitos evolutivos. O jogo foi aplicado com 32 alunos da 3ª série do Ensino Médio de uma escola pública do estado do Piauí. A pesquisa teve uma abordagem quali-quantitativa, e a coleta de dados foi realizada por meio de dois questionários (pré-teste e pós-teste). A progressão dos conhecimentos dos alunos, após o uso do jogo, foi avaliada a partir do ganho de Hake (g). O jogo foi satisfatório no aprendizado de conceitos evolutivos, com ganho normalizado de aprendizagem médio para o conceito de mutação (g=0,60) e seleção natural (g=0,54). Os dados obtidos demonstram que o jogo foi eficiente no entendimento dos conceitos e processos evolutivos, o que permitiu aos alunos a compreensão da dinâmica evolutiva, para além da mera exposição de conceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACRANI, S. et al. A utilização de jogos didáticos como estratégia de aprendizagem no ensino de biologia. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 2, p. 7930-7935, 2020.

ALENCAR, G. M. et al. A utilização de jogos didáticos no processo de ensino-aprendizado em Biologia. Areté, v. 12, n. 25, p. 216-226, 2019.

ARAÚJO, M. S.; LEITE, A. “O caminho das ervilhas”: recurso didático no ensino da genética mendeliana. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), São Paulo, v. 11, n. 6, p. 514-529, 2020.

ARAÚJO, M. S. et al. A Genética no contexto de sala de aula: dificuldades e desafios em uma escola pública de Floriano-PI. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 9, n. 1, p. 19-30, 2018.

ASSIS, J. E. et al. Avaliando o conceito de evolução biológica dos professores de biologia do ensino médio de João Pessoa, Paraíba, Brasil. Gaia Scientia, v. 2, n. 1, p. 97-105, 2008.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

CONCEIÇÃO, A. R.; MOTA, M. D. A.; BARGUIL, P. M. Didactic games in teaching and learning Science and Biology: teaching concepts and practices. Research, Society and Development, v. 9, n. 5, e165953290, 2020.

DIONIZIO, L. M.; BARROS, E. L.; FERNANDES-SOBRINHO, M. Development and analysis of a digital educational game: contributions to the teaching-learning of scientific concepts in Biology. Research, Society and Development, v. 9, n. 9, e330997283, 2020.

FERREIRA, M. S. N.; SILVA, E. Jogos tipo “bean bag” em aulas de evolução. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 19, e2797, 2017.

FERREIRA, A. A. S. N.; SANTOS, C. B. A ludicidade no ensino da biologia. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 13, n. 45, p. 847-861, 2019.

FONSECA, S. M.; MATTAR NETO, J. A. Metodologias alternativas aplicadas à educação a distância: revisão de literatura. Revista educação a distância e práticas educativas, comunicacionais e interculturais (EDaPECI), v. 17, n. 2, p. 185-197, 2017.

FUTUYMA, D. J. Biologia Evolutiva. 3. ed. Editora Funpec: Ribeirão Preto, 2009. 830p.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2019.

HAKE, R. R. Interactive-engagement versus traditional methods: A six-thousand-student survey of mechanics test data for introductory physics courses. American Journal of Physics, v. 66, n. 1, p. 64-74, 1998.

HONÓRIO, A. P. et al. A utilização de jogos como forma de ensino e aprendizagem aos alunos do ensino médio noturno na cidade de Muzambinho-MG. Brazilian Applied Science Review, v. 2, n. 4, p. 1214-1218, 2018.

LARA, P. et al. Desenvolvimento e aplicação de um jogo sobre interações ecológicas no ensino de biologia. Experiências em Ensino de Ciências, v. 12, n. 8, p. 261-275, 2017.

LIPORINI, T. Q. et al. Ensino de evolução biológica e o desenvolvimento de uma visão materialista, histórico e dialética acerca da realidade. Debates em Educação, v. 12, n. 26, p. 261-282, 2020.

LUCKMANN, C. B.; SOARES, N. A. A evolução biológica na perspectiva de alunos do curso de ciências biológicas da Universidade Feevale. Revista Prâksis, v. 16, n. 1, p. 243-271, 2019.

MOTTA, H. S.; BIZZO, N.; ARAUJO, Y. L. F. M. A relevância da educação em ciências: posicionamentos de alunos brasileiros de crenças cristãs acerca da teoria da evolução humana. Revista Espaço Pedagógico, v. 25, n. 2, p. 488-500, 2018.

MUNIZ DOS SANTOS, F. et al. O Ensino de biologia com enfoque CTSA: uma abordagem sobre educação ambiental e sustentabilidade no ensino médio da rede pública do estado do Ceará. Revista Insignare Scientia - RIS, v. 3, n. 2, p. 406-427, 2020.

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de ciências e biologia. Inovação e Formação, v. 2, n. 1, p. 355-381, 2016.

NOBRE, S. B.; LOPES, L. A.; FARIAS, M. E. Ensino de biologia evolutiva (BIO-EVO): concepções de professores pós-graduandos em ensino de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 9, n. 1, p. 88-102, 2018.

OLIVEIRA, C. L. C.; MENEZES, M. C. F.; DUARTE, O. M. P. O ensino da teoria da evolução em escolas da rede pública de Senhor do Bonfim: análise da percepção dos professores de ciências do ensino fundamental II. Revista Exitus, v. 7, n. 3, p. 172-196, 2017.

OLIVEIRA, G. S.; BIZZO, N. Evolução biológica e os alunos brasileiros: conhecimento e aceitação. Investigações em Ensino de Ciências, v. 20, n. 2, p. 161-185, 2015.

OLIVEIRA, H. T. A. S. et al. Metodologias alternativas para o ensino de genética em um curso de licenciatura: um estudo em uma universidade pública de minas gerais. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 15, n. 1, p. 497-507, 2017.

OLIVEIRA, N. C. et al. A produção de jogos didáticos para o ensino de biologia: contribuições e perspectivas. Ciclo Revista, v. 2, n. 1, p. 1-6, 2016.

OLIVEIRA, T. B.; CESCHIM, B.; CALDEIRA, A. M. A. Ensino de evolução biológica por uma perspectiva integradora. Revista Docência do Ensino Superior, v. 8, n. 1, p. 242-262, 2018.

PALHETA JUNIOR, A. et al. Jogo didático como instrumento mediador no ensino de nomenclatura de hidrocarbonetos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCima), v. 9, n. 5, p. 114-132, 2018.

PEREIRA, N. V.; ARAÚJO, M. S. T. Utilização de recursos tecnológicos na educação: caminhos e perspectivas. Research, Society and Development, v. 9, n. 8, e447985421, 2020.

PIFFERO, E. L. F. et al. Metodologias alternativas e o ensino de biologia: desafios e possibilidades no novo ensino médio. Ensino & Pesquisa, v. 18, n. 2, p. 48-63, 2020.

QUIBÃO, M. P. et al. Investigando a compreensão conceitual em física de alunos de graduação em cursos de ciências, engenharias e matemática. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 41, n. 2, p. 1-10, 2019.

RIBEIRO JÚNIOR, M. C. et al. Evolução biológica e criacionismo: vivência e discussão entre alunos do ensino médio. Research, Society and Development, v. 9, n. 7, e16 973640, 2020.

RIDLEY, M. Evolução. 3. ed. Artmed: São Paulo, 2006.

ROCHA, N. C. et al. Jogo didático “Síntese proteica” para favorecer a aprendizagem de Biologia Celular. Experiências em Ensino de Ciências, v. 12, n. 2, p. 129-137, 2017.

SANTOS, A. A. et al. A utilização de jogos concretos no ensino de sequências numéricas: aplicação de uma prática pedagógica para alunos do primeiro ano do ensino médio. Revista Eletrônica Sala de Aula em Foco, v. 7, n. 1, p. 16-28, 2018.

SANTOS, A. G; SILVA, E.S. Metodologias alternativas no ensino de fisiologia humana: um relato de vivência no ensino superior. Com a Palavra, o Professor, v. 5, n. 12, p. 57-69, 2020.

SILVA, D. O. et al. Metodologias alternativas de aprendizagem: relato de experiência em uma oficina de formação continuada de professores de Ciências. Revista Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 10, n. 5, p. 206-223, 2019.

SILVA, M.; FERREIRA, L.; SILVA, J. A ludicidade e/ou lúdico no ensino de química: uma investigação nos trabalhos apresentados no ENEQ. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCima), v. 11, n. 4, p. 39-57, 2020.

SIMPLÍCIO, P. R.; SANTOS, A. Representações sociais e práticas curriculares: um encontro nas aulas de biologia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 663-681, 2020.

SOARES, V. F. et al. A relevância dos jogos didáticos como ferramenta para auxílio do processo de ensino-aprendizagem de Biologia. Diversitas Journal, v. 1, n. 1, p. 64-67, 2016.

THEODORO, F. C. M.; COSTA, J. B. S.; ALMEIDA, L. M. Modalidades e recursos didáticos mais utilizados no ensino de ciências e biologia. Estação Científica, v. 5, n. 1, p. 127-139, 2015.

ZABOTTI, K.; JUSTINA, L. A. D. O Ensino dos temas “origem da vida” e “evolução biológica” em dissertações e teses brasileiras (2006 a 2016). Revista de Educação em Ciências e Matemáticas (RenCima), v. 16, n. 36, p. 82-98, 2020.

ZAMBERLAN, E. S. J.; SILVA, M. R. O ensino de evolução biológica e suas abordagens em livros didáticos. Educação & Realidade, v. 37, n. 1, p. 187-212, 2012.

Publicado
2021-01-01
Como Citar
LIMA, S. M. DE S.; ARAÚJO, M.; LIMA, M. Metodologias alternativas no ensino de Evolução em uma escola pública do Piauí. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 1, p. 1-15, 1 jan. 2021.
Seção
Artigos Gerais