O conceito de energia e suas manifestações: uma proposta de ensino investigativo para professores do ensino fundamental

Palavras-chave: energia, ensino por investigação, experimentação, anos iniciais do ensino fundamental

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar os resultados da aplicação de uma sequência de ensino investigativo sobre o conceito de energia, de forma interdisciplinar, junto aos professores do ensino fundamental. Buscou-se valorizar durante a atividade a sucessão temporal de descobertas científicas, o processo investigativo e os impactos socioambientais da grandeza energia para a vida humana e como essa sucessão de acontecimentos promoveu a nossa compreensão sobre o tema. Com vistas a alcançar tais objetivos, a estratégia de ensino foi aplicada junto a um grupo de professores participantes do curso de Formação Continuada de Ciências Naturais, do Instituto Federal do Rio de Janeiro. Para a coleta de dados foram aplicados questionários, diários de campo e rodas de conversa e colhido registros fotográficos, assim como os resultados obtidos foram analisados à luz da ferramenta de análise temática. Os resultados desse estudo, possibilitaram compreender as concepções dos participantes acerca do tema energia, bem como a realização de atividades baseadas no ensino investigativo favoreceu o processo de reflexão acerca dos fenômenos observados. Diante desses resultados, pode-se inferir que os docentes participantes reconheceram a importância do tema para os anos inicias, além de identificarem como uma possibilidade de articulação interdisciplinar.

Referências

AMERICAN ASSOCIATION FOR THE ADVANCEMENT OF SCIENCE - AAAS. Project

Science for all americans. Washington, 1989.

ARAÚJO, M. C. P.; NONENMACHER, S. Energia: um conceito presente nos livros didáticos de Física, Biologia e Química do ensino médio. Poiésis - Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, v. 2, n. 1, p. 1-13, 2010.

ATAIDE, M. C. E. S.; SILVA, B. V. C. As metodologias de ensino de ciências: contribuições da experimentação e da história e filosofia da ciência. Holos, v.4, n.1. 2011. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=481549217013. Acesso em: 08 mai. 2019.

BEDIN, E.; DEL PINO, J. C. Concepções de professores sobre situação de estudo: rodas de conversa como práticas formadoras. Interfaces da educação, v.8, n.22, p. 154-185, 2017.

BERTOLIN, R. V.; GOMES, C. J. C. Crime na mansão: Uma oficina investigativa no ensino de química. REnCiMa, v. 10, n.5, p. 100-118, 2019.

BORGES, A. T. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 3, p. 291-313, 2002.

BROLEZZI, A. C. Empatia na relação aluno/professor/conhecimento. Encontro: Revista de Psicologia. v. 17, n. 27, s/p., 2014.

CACHAPUZ, A. C.; GIL-PÉREZ, D.; CARVALHO, A. M. P.; PRAIA, J.; VILCHES, A. A necessária renovação do ensino das ciências. Cortez editora, 2005.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, A. M. P. Ensino de ciências por investigação – Condições para implementação em sala de aula. 1ª edição. São Paulo. Editora Cegage Learning, Cap. 1, p. 1-20, 2013.

COLINVAUX, D. Ciência, escola e vida cotidiana: os contextos do conhecimento em discussão. Rio de Janeiro: UFF, v.331, 1993.

DOURADO, L. F. Elaboração de políticas e estratégias para a prevenção do fracasso escolar. Documento Regional BRASIL: Fracasso escolar no Brasil: políticas, programas e estratégias de prevenção ao fracasso escolar, 2005.

DUIT, R. In search of an energy concept. In: DRIVER, R.; MILLAR, R. Energy matters. Centre for Studies in Science and Mathematics Education, p.67-101. University of Leeds, 1986.

FONTOURA, H. A. Tematização como proposta de análise de dados na pesquisa qualitativa. In FONTOURA, H. A. Formação de professores e diversidades culturais: múltiplos olhares em pesquisa. Intertexto Editora e Consultoria, 2011.

FOUREZ, G. Crise no ensino de Ciências? Investigação em ensino de ciências. v.8, n.2, p. 1-14, 2002.

HODSON, D. Re-thinking Old Ways: Towards a more critical approach to practical work in school science. Studies in Science Education, 22 p. 85-142, 1993.

HORTA, A. O que eu faço, eu entendo. Belo Horizonte, 2013. IFRJ. Edital do curso de extensão para professores de ciências.

KRASILCHIK, M. Caminhos do ensino de ciências no Brasil. Em aberto. v.11, n.55, 1992.

LEAL, R. R.; SCHETINGER, M. R. C.; PEDROSO, G. B. Experimentação investigativa em eletroquímica e argumentação no ensino médio em uma escola federal em Santa Maria/RS. REnCiMa, v. 10, n.6, p. 142-162, 2019.

LETTA, L. A. As ações do professor no ensino fundamental I ao aplicar uma Sequência de Ensino Investigativa (SEI). 2014, 150 f. Dissertação (Mestre em Ensino de Ciências). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

LUZ, R.; QUEIROZ, M. B. A.; PRUDÊNCIO, C. A. V. CTS ou CTSA: O que (não) dizem as pesquisas sobre educação ambiental e meio ambiente? Alexandria: R. Educ. Ci. Tec., Florianópolis, v. 12, n. 1 p. 31-54, 2019.

MENDONÇA, A. J.; BARBOSA, B. A. M.; XAVIER, A. C. D.; SILVA, T. S. C. Remontando e reinventando o termoscópio de Galileu e uma breve história da termometria de líquido em vidro. In: X Encontro de Licenciatura em Física da UFRJ, 2012, Rio de Janeiro, Anais, Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2012.

MENTA, E. Circuito em papel: guia de produção. Departamento de Políticas e Tecnologias Educacionais. Secretaria de Estado da Educação do Paraná, Curitiba, 2018.

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. São Paulo. Editora Pedagógica e universitária Ltda, 1999.

–––––. A teoria dos campos conceituais de Vergnaud, o ensino de ciências e a pesquisa nesta área. Investigações em ensino de ciências. Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 7-29, 2009.

NEVES, N. N.; DE MOURA. L. P.; GRAEBNER. I. B. Tipos de experimentação: a aprendizagem em Química a partir da perspectiva do processo de ressignificação e participação ativa do estudante. Scientia Naturalis, v. 1, n. 1, 2019.

PEDUZZI, L. O. Q. Sobre a utilização didática da História da Ciência. In: PIETROCOLA, M. Ensino de Física: conteúdo, metodologia e epistemologia numa concepção integradora. Florianópolis: Editora da UFSC, p.151-70, 2001.

PENHA, S. P.; CARVALHO, A. M. P.; VIANNA, D. M. Laboratório Didático Investigativo e os objetivos da Enculturação Científica: análise do processo. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v. 5, p. 6-23, 2015.

PEREIRA, G. R. O ensino de ciências nos anos iniciais do Ensino Fundamental e a formação continuada de professores: implantação e avaliação do programa formativo de um Centro de Ciência. 2014, 231 f. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas, Biofísica). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

PONTES, L. A empatia no processo de ensinar e aprender: um estudo com professores do curso de graduação em enfermagem de uma Universidade Pública. 2013, 169 p. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2013.

SANTOS, W. L. P. Educação CTS e cidadania: confluências e diferenças. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 9, p. 49-62, 2012.

SASSERON, L. H. Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: Estrutura e indicadores deste processo em sala de aula. 265 p. 2008. Tese (Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

CARVALHO, A. M. P. Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: A proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências. v. 13, n. 3, pp.333-352, 2008.

CARVALHO, A. M. P. A construção de argumentos em aulas de ciências: o papel dos dados, evidências e variáveis no estabelecimento de justificativas. Revista Ciência & Educação, Bauru, v. 20, n. 2, p. 393-410, 2014.

SAUERWEIN, R. A.; SAUERWEIN, I. P. S. Objeto de aprendizagem: máquinas térmicas.

Caderno brasileiro de ensino de física, v. 29, p. 812-830, 2012.

SILVA, T. S. G. Ensino de ciências e experimentação nos anos iniciais: Da teoria à prática. Revista pró-discente. Vitória. v. 25, n.1, pp. 41-53, 2019.

SILVA FILHO, R. B.; ARAÚJO, R. M. L. Evasão e abandono escolar na educação básica no Brasil: fatores, causas e possíveis consequências. Educação por Escrito, v.8, n.1, p.35-48, 2016.

SOUZA-BARROS, S.; SILVANI-SOUZA, E. Material didático para o ensino do conceito de energia na aula de Ciências da Escola Fundamental. In: IV Encontro de Licenciatura em Física da UFRJ, 2004, Rio de Janeiro, Atas, Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2004.

VARELA, P. I. B. Ensino experimental das ciências no 1º ciclo do ensino básico: construção reflexiva de significados e promoção de competências transversais. 457 p. 2010. Tese (Doutorado em Estudos da Criança). Universidade do Minho. 2010.

Publicado
2020-08-08
Como Citar
DE JESUS SOUZA MARQUES DE MENDONÇA, A.; RODRIGUES PEREIRA, G. O conceito de energia e suas manifestações: uma proposta de ensino investigativo para professores do ensino fundamental. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 5, p. 165-184, 8 ago. 2020.