O impacto do uso de tecnologias no desempenho docente – estudo comparativo entre Brasil e Portugal

  • Pedro Miguel Marques da Costa ISCTE - Instituto Universitário da Universidade de Lisboa e Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - CEFET/RJ http://orcid.org/0000-0001-8839-2878
  • Generosa do Nascimento ISCTE - Instituto Universitário da Universidade de Lisboa http://orcid.org/0000-0002-2902-7210
  • Marcelo Borges Rocha Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - CEFET/RJ http://orcid.org/0000-0003-4472-7423
Palavras-chave: Avaliação de Desempenho Docente, Novas Tecnologias, Novas Metodologias de Ensino.

Resumo

Este artigo é parte da dissertação de mestrado cujo objeto de estudo foi a Avaliação de Desempenho Docente, através de uma análise comparativa entre duas instituições de ensino particular, uma localizada em Portugal e outra no Brasil. A Avaliação de Desempenho Docente é um importante instrumento, para as escolas e para os professores, pois promove o desenvolvimento profissional, a motivação do corpo docente e conduz à reflexão, à melhoria do desempenho dos professores e da qualidade do ensino. Para o efeito foram realizadas entrevistas com professores para investigar o impacto do uso de tecnologias no desempenho docente. A maioria dos entrevistados percebe a importância da tecnologia para suas práticas e, ambas instituições incentivam seu uso por considerarem que facilita o desempenho do professor e a aprendizagem dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AEDO, R.; GARCIA, P.; FRADAGA, E., El aprendizaje con el uso de las nuevas tecnologias de la información e las comunicaciones. Revista Iberoamericana de Educación, p. 1-9, 2001.

ALMEIDA, P. Tecnologias digitais em sala de aula: o professor e a reconfiguração do processo educativo. Da investigação às práticas, v. 8, n. 1, p. 4 – 21, 2018.

ALVES, P. As possibilidades do uso das novas tecnologias em sala de aula. Disponível em https://portal.fslf.edu.br/wp-content/uploads/2016/12/tcc4-1.pdf. Acesso em 25 de setembro de 2020.

ARRANCA, A. Inevitabilidade ou Estratégia?. In: I. Fialho, J. Verdasca, M. Cid, e M. Favinha (orgs.), Políticas Educativas, Eficácia e Melhoria das Escolas. Évora, Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora, pp. 235-252, 2014.

BARDIN, L. L’ Analyse de contenu. Editora: Presse Universitaires de France, 1977.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

COSTA, P.; ROCHA, M. A utilização do CBRTM nas aulas de Física – uma abordagem ao movimento. Revista Tecnologias na Educação, v. 10, n. 25, p. 1-13, 2018.

DE OLIVEIRA, A. M. G.; LIMA, G. S. N. A gestão educacional e a efetivação de políticas públicas para utilização das TIC na educação. Revista Exitus, v. 5, n. 2, p. 125-137, 2015.

FREITAS, H. M. R.; CUNHA, M.; MOSCAROLA, J. Aplicação de sistemas de software para auxílio na análise de conteúdo. Revista de Administração da USP, v. 32, n. 3, p. 97-109, 1997.

LATORRE, A. La Investigación – Acción. Barcelo: Graó, 2003.

LOBO, A. “Os incentivos na escola” uma leitura de várias perspetivas. In: A. Moreira et al. A autonomia das escolas. Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 239-243, 2006.

MACHADO, A.; SILVA, A.; CATAPAN, A. Convergência entre a comunicação digital e a prática da Educação a Distância. Revista E-Tech: Tecnologias para Competitividade, p. 55-70, 2014.

MEIRINHOS, M.; OSÓRIO A. O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. EDUSER: Revista de educação, v. 2, n. 2, p. 49-65, 2010.

NASCIMENTO, G.; PEREIRA A. A gestão e avaliação de desempenho, Gestão de Recursos Humanos para Gestores. Editora RH, Lisboa, 2015.

NETO, A. S.; GOMES R. Reflexões sobre a avaliação de desempenho: uma breve análise do sistema tradicional e das novas propostas. Revista Eletrónica de Ciência Administrativa, v. 1, n. 1, p. 1-24, 2003.

NEVO, D. School-based evaluation: A dialogue for school improvement. Oxford: Pergamon, 135, 1995.

OTTO, P. A importância do uso das tecnologias nas salas de aula nas séries iniciais do ensino fundamental I. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina, 2016.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

RÓDRIGUÉZ, G. G.; FLORES J.; JIMENÉZ E. Metodologia de la investigacion cualitativa. Málaga: Ediciones Aljibe, 1999.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guias para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. São Paulo: Atlas, 1999.

SANTOS, L.; AGUIAR, G.; SILVA, B. Práticas Inovadoras na educação: Possibilidades da convergência entre a educação à distância e a educação presencial, IV COLBEDUCA e II CIEE, 24 a 25 de janeiro, Braga e Paredes de Coura, Portugal, 2018.

SEBARROJA, J. A aventura de inovar- A mudança na escola. Coleção Currículo, Políticas e Práticas, Porto: Porto Editora, 2001.

SHAW, G.; JUNIOR, G. Formação docente para uso das TIC no ensino de Matemática: percepções de professores e estudantes de um curso de licenciatura em matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 6, p. 163 – 184, 2019.

SILVA, D.; MOURÃO, M.; SALES, G.; SILVA, B. Metodologias ativas de aprendizagem: relato de experiência em uma oficina de formação continuada de professores de ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 206 – 223, 2019.

SILVA, I.; PRATES, L. As Novas Tecnologias e aprendizagem: desafios enfretados pelo professor na sala de aula. Revista em Debate, v. 16, p. 107 – 123, 2016.

YIN, R. Estudo de caso. Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Publicado
2020-10-18
Como Citar
COSTA, P. M.; NASCIMENTO, G.; ROCHA, M. O impacto do uso de tecnologias no desempenho docente – estudo comparativo entre Brasil e Portugal. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 607-623, 18 out. 2020.
Seção
Artigos Gerais