Sequência Didática como uma nova estratégia de ensino nas aulas de ciências do Fundamental II

Palavras-chave: Ensino de Ciências, Práticas de Ensino, Sequências Didáticas

Resumo

O ensino de Ciências deve possibilitar a inserção de novas metodologias que venham a motivar e persuadir os estudantes a participarem ativamente das aulas, resultando em cidadãos capazes de compreender, intervir e transformar a realidade. Diante disto, este artigo apresenta as Sequências Didáticas (SD) como uma nova estratégia de ensino para as aulas de ciências, trazendo uma reflexão da teoria com a prática dessa área de ensino nas escolas. Assim, o presente trabalho tem como objetivo compreender os limites e as possibilidades do uso de Sequências Didáticas nas aulas de Ciências. Quanto à natureza da pesquisa, trata-se de uma abordagem qualitativa, de caráter explicativo. A coleta dos dados se deu pelo desenvolvimento da Sequência Didática, em que foram registradas no caderno de campo as descrições e as análises da aplicação. Os resultados obtidos mostram que a utilização de Sequências Didáticas torna o ensino de Ciências mais simples e significante, estimulando a participação e a motivação do aluno. Contudo, várias problemáticas provenientes do modelo tradicional de ensino, as quais os alunos estão habituados, precisam ser sanadas para que aconteça uma aprendizagem satisfatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Carlos dos Santos Júnior, Universidade do Estado da Bahia- UNEB
Graduado em Ciências Biológicas pelas Faculdades Integradas de Sergipe- FISE, Pós-Graduado em Ensino de Ciências pela Faculdade Futura. Graduando em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia- UNEB.        

Referências

ALMEIDA, I.; CARVALHO, L. G. O Ensino de Ciências e a Experimentação: uma discussão bibliográfica. In: Colóquio internacional Educação e Contemporaneidade. 2015, Sergipe. Anais eletrônicos. Sergipe: UFS, 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2016.

ALVES, M. A; TATSCH, K. J. S. Epistemologia, história e ensino da matemática: reflexões sobre formação e aprendizagem significativa. Revista de Ensino de Ciências e Matemática. v.8, n.3, p.78-93, 2017.

ANDRADE, K. G.; NASCIMENTO, L. C.; VILAR, M. J, L. O uso do vídeo como recurso didático para o ensino de geografia na educação de jovens e adultos: contribuições do pibid na escola estadual Prefº. Antônio Benvindo no município de Guarabira-PB. Paraíba, 2013. Disponível em:<http://www.editorarealize.com.br/revistas/eniduepb/ trabalhos/Modalidade.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2016.

CASCAIS, M. das G. A.; TERÁN, A. F. Educação formal, informal e não formal na educação em ciências. Revista Ciência em Tela. V.7, n.2. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: <http://www.cienciaemtela.nutes.ufrj.br/artigos/0702enf.pdf>. Acesso em: 26 maio 2016.

FERNANDES, H. L. Um naturalista na sala de aula. Ciência & Ensino. Vol. 5. Campinas, 1998.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUIMARÃES, Y. A. F.; GIORDAN, M. Instrumento para construção e validação de sequências didáticas em um curso a distância de formação continuada de professores. São Paulo, 2012. Disponível em:<http://www.lapeq.fe.usp.br/textos/fp/fppdf /guimaraes _giordan-enpec-2012.pdf>. Acesso em: 05 de jun. 2016.

JUSTINA, L. A. D.; FERLA, M. R. A utilização de modelos didáticos no ensino de genética: exemplo de representação de compactação do DNA eucarioto. Paraná, 2006. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ArqMudi/article/download/19993/10 846>. Acesso em: 10 jun. 2016.

KINDEL, E. A. I. Do aquecimento global as células-tronco: sabendo ler e escrever a biologia do século XXI. In: MULLET, N. P.; et al. (orgs.) Ler e escrever: compromisso no ensino médio. Porto Alegre: Editora da UFRGS/ Núcleo de integração universidade & escola, UFRGS, 2008.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

LOPES, A.O. Aula expositiva: Superando o Tradicional. In: VEIGA, I.P.A. (Org). Técnicas de Ensino: Por Que Não? 12 ed. Campinas: Papirus, 2001.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. 2 ed. São Paulo: EPU, 2013.

MAROQUIO, V. S.; PAIVA, M. A. V.; FONSECA, C. O. Sequências didáticas como recurso pedagógico na formação continuada de Professores. Espirito Santo: IFES, 2015. Disponível em: <http://ocs.ifes.edu.br/index.php/ECEM/X_ECEM/paper/viewFile/ 1884/61> Acesso em: 02 jun. 2016.

MIRAS, M. O ponto de partida para a aprendizagem de novos conteúdos: os conhecimentos prévios. In: COLL, C. O construtivismo em sala de aula. São Paulo: Editora Ática, 2006.

MOTOKONE, M. T. Sequências didáticas investigativas e argumentação no ensino de ecologia. São Paulo, 2015. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/epec/v17nspe/ 1983-2117-epec-17-0s-00115.pdf>. Acesso em: 01 jun. 2016.

OLIVEIRA, M. S. et al. Uso de material didático sobre Embriologia do Sistema Nervoso: avaliação dos estudantes. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 36, n.1, p.83-92, 2012.

PARRAT-DAYAN, S. A discussão como ferramenta para o processo de socialização e para a construção do pensamento. Educação em Revista. n. 45. Belo Horizonte, 2007. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982007000100002.> Acesso em: 27 set. 2019.

POSSOBOM, C. C. F.; OKADA, F. K.; DINIZ, R. E. S. Atividades práticas de laboratório no ensino de biologia e de ciências: relato de uma experiência. São Paulo, 2003. Disponível em: Acesso em: 03 jun. 2016.

RÔÇAS, G.; LEAL, A. Brincando em sala de aula: uso de jogos cooperativos no ensino de ciências. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: <http://www.ifrj.edu.br/webfm_send /5416>. Acesso em: 30 jun. 2016.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 20. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

SILVA, T. S.; LANDIM, M. F. Aulas práticas no ensino de biologia: análise da sua utilização em escolas no município de Lagarto/SE. In: VI Colóquio internacional Educação e Contemporaneidade. São Cristóvão- SE: 2012. Anais eletrônicos. Sergipe: UFS, 2012. Disponível em: <http://educonse.com.br/ 2012/eixo_06/PDF/5.pdf >. Acesso em: 02 jun. 2016.

SOBRINHO, R. S. A importância do ensino da biologia para o cotidiano. Fortaleza, 2009. Disponível em: <http://docslide.com.br/documents/a-importancia-do-ensino-da-biologia-para-o-cotidiano.html> Acesso em: 02 jun. 2016.

SOUZA, D. F. P. Laboratório de informática: ferramenta de aprendizagem nos anos iniciais. 36 f. Trabalho de conclusão de curso (Artigo). UFRGS: São Leopoldo, 2010. Disponível em; <https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/35815/000815457.pdf? sequence=1>. Acesso em 28 maio 2016.

TAVARES, P. C. Utilização de jogo educativo como proposta para favorecer o ensino de ciências nas turmas do 8º ano da Escola Municipal Maria Caproni de Oliveira, Município de Carvalhópolis- MG. 2013. Disponível em: < https://www.mch.ifs uldeminas.edu.br/~biblioteca/biblioteca_digital/Documentos/TCC-da-Bi ologia2013 /TCC-Priscila.pdf> Acesso em: 02 jun. 2016.

THIEL, G. C.; THIEL, J. C. Movie Takes: a magia do cinema na sala de aula. Curitiba: Aymara, 2009.

TORRES, P. L.; IRALA, E. A. Aprendizagem Colaborativa. In: TORRES, P. L. (Org.). Algumas vias para Entretecer o Pensar e o Agir. Curitiba: SENAR, 2007.

VALENTE, J. A. O uso inteligente do computador na educação. Revista Pátio. ano 1, n. 1. Porto Alegre,1997. Disponível em: < https://loja.grupoa. com.br/revista-patio/Default. aspx>. Acesso em: 30 maio 2016.

ZABALA, A. A Prática Educativa: Como educar. Porto Alegre, 2006.

Publicado
2020-10-18
Como Citar
DOS SANTOS JÚNIOR, A. C. Sequência Didática como uma nova estratégia de ensino nas aulas de ciências do Fundamental II. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 698-715, 18 out. 2020.
Seção
Relatos de Pesquisa