Concepções de professores sobre a Resolução de Problemas

Palavras-chave: Anos Iniciais do Ensino Fundamental, Concepções de Professores, Resolução de Problemas

Resumo

Esta pesquisa constitui parte da Tese de Doutorado em Educação, intitulada “Concepções de Professores sobre a Resolução de Problemas, vinculada institucionalmente ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Este estudo busca identificar, analisar e discutir as concepções dos professores que ensinam Matemática sobre seu trabalho com os conteúdos nos anos iniciais do Ensino Fundamental, delineando uma proposta de ensino à luz das perspectivas teóricas e científicas da Resolução de Problemas (RP) que alcance o ensino-aprendizagem-desenvolvimento dos estudantes. A abordagem metodológica foi a pesquisa qualitativa, com os desdobramentos da pesquisa teórica, juntamente com os instrumentos questionário e entrevista para realizar o trabalho de campo. Assim, as concepções dos professores identificadas na coleta de dados nos levaram a analisar e refletir sobre como tem acontecido a abordagem metodológica da RP, nos conduzindo ao desenvolvimento de uma organização didática diferente no trabalho com os conteúdos matemáticos. Para isso, utilizamos a teoria de Davydov, que propõe um processo de ensino-aprendizagem-desenvolvimento dos conteúdos matemáticos pautado no movimento de ascensão do abstrato ao concreto que marca a formação do pensamento teórico do estudante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joice Silva Mundim Guimarães, Universidade Federal de Uberlândia
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Uberlândia (2011). Especialização em Docência na Educação Infantil e Séries Iniciais pela Universidade Cândido Mendes (2012). Especialização em Psicopedagogia e Educação Especial pela Universidade Cândido Mendes (2013). Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2015). Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2019). Atualmente é professora da área de Educação Especial na Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia - ESEBA / UFU.
Guilherme Saramago de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia
Graduado em Pedagogia pela Universidade Federal de Uberlândia (1986). Graduado em Direito pela Universidade Federal de Uberlândia (1991 - OAB/MG 82057). Graduado em Matemática pela Universidade de Uberaba (2009). Mestre em Ensino Superior pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1997). Mestre em Inovação e Sistemas Educativos pela Universidade Autônoma de Barcelona (1999). Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2009). Professor Associado da Universidade Federal de Uberlândia, lotado na Faculdade de Educação - FACED/UFU - onde desenvolve ações de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração, na Graduação e nos Programas de Pós-Graduação Acadêmico (mestrado e doutorado) e Profissional (mestrado). É Diretor de Ensino da Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia. Compõe o quadro de avaliadores de cursos superiores presenciais e a distância do INEP/MEC. Atuou como Professor da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Exerceu as funções de Supervisão Escolar e Direção de Escola de Educação Básica. Foi Assessor Técnico Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação e Secretário Municipal de Educação Interino - Uberlândia MG. Tem experiência Acadêmica e Profissional na Educação Escolar e Educação Não-Escolar, atuando, principalmente, nas seguintes temáticas: Docência Universitária, Direito Constitucional e Administrativo, Direito Educacional, Educação Matemática, Formação de Professores, Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Gestão Escolar, Coordenação Pedagógica, Políticas Educacionais, Ensino Aprendizagem, Metodologias de Ensino, Avaliação, Currículo, Planejamento, Educação a Distância e Educação Empresarial e Organizacional.

Referências

ALLEVATO, N. S. G.; ONUCHIC, L. R. As conexões trabalhadas através da Resolução de Problemas na formação inicial de professores de Matemática. REnCiMa, v. 10, n.2, p. 01-14, 2019.

ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. Estratégias de ensinagem. In: ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. (Orgs.). Processos de ensinagem na universidade. Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3. ed. Joinville: Univille, 2004. p. 67-100.

BRANCA, N. A. Resolução de problemas como meta, processo e habilidade básica. In: KRULIK, S.; REYS, R. E. (Orgs.). A resolução de problemas na matemática escolar. Tradução: Hygino H. Domingues e Olga Corbo. São Paulo: Atual, 1997. p. 4-12.

COSTA, M. S.; ALLEVATO, N. S. G. Ensino-aprendizagem-avaliação de proporcionalidade através da Resolução de Problemas: uma experiência na formação inicial de (futuros) professores de matemática. REnCiMa, v. 9, n.6, p. 47, 2018.

DAVIDOV, V. V. Problemas psicológicos e filosóficos da educação em desenvolvimento. Moscou: Educação, 1981.

DAVYDOV, V. V. Tipos de generalización de la enseñanza. Ciudad de la Habana: Editorial Pueblo e Educación, 1982.

DAVYDOV, V. V. Análisis de los princípios didácticos de la escuela tradicional y posibles princípios de enseñanza em el futuro próximo. In: SGUARE, M. (Org.). La psicología y pedagógica em la URSS. Tradução Marta Shuare. Moscú: Editorial Progreso, 1987. p. 143-155.

DAVYDOV, V. V. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico: investigación teórica y experimental. Tradução Marta Shuare. Moscú: Progreso, 1988.

DAVYDOV, V. V.; MÁRKOVA, A. A concepção de atividade de estudo. Tradução: Daniela Beraldo Barbosa e Roberto Váldes Puentes. In: PUENTES, R. V.; MELLO, S. (Orgs.). A Teoria da Atividade de Estudo: livro II: contribuições de pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Uberlândia: EDUFU, 2019. P. 189-210.

FRANCO, M. L. P. B. Análise do Conteúdo. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MALUSÁ, S.; SARAMAGO, G.; SANTOS, A. F. Docência universitária em cursos de licenciaturas e não licenciaturas – pensando sua prática. Ensino Em-Revista, Uberlândia, v.17, n.2, p. 427-442, jul./dez.2010.

MARCO, F. F.; MOURA, M. O. Quando ações desenvolvidas por professores em processo de formação se constituem em Atividade Orientadora de Formação Docente: alguns iniciadores. In: LOPES, A. R. L. V.; ARAÚJO, E. S.; MARCO, F. F. (Orgs.) Professores e futuros professores em atividade de formação. Volume 1. Campinas-SP: Pontes Editores, 2016. P. 19-40

MENDONÇA, M. C. Resolução de problemas pede (re)formulação. In: ABRANTES, P.; PONTE, J. P. da; FONSECA, H.; BRUNHEIRA, L. Investigações matemáticas na aula e no currículo. Lisboa: Grupo “Matemática Para Todos – investigações na sala de aula” (CIEFCUL) e Associação dos Professores de Matemática, 1999. p. 15-33.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 32. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

MOURA, M. O. A atividade de ensino como unidade formadora. Bolema, Ano II, n. 12, p. 28-43, 1996.

MOURA, M. O. Matemática na infância. In: MIGUEIS, M. R.; AZEVEDO, M. G. (Org.). Educação Matemática na infância: abordagens e desafios. Vila Nova de Gaia. Gaia livro, 2007.

MOURA, M. O. et al. Atividade Orientadora de Ensino: unidade entre ensino e aprendizagem. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 10, n. 29, p. 205-229, jan./abr. 2010.

https://doi.org/10.7213/rde.v10i29.3094

MOURA, M. O. A objetivação do currículo na atividade pedagógica. Obutchénie: Revista de Didática e Psicologia Pedagógica, Uberlândia, MG, v.1, n.1, p.99‑128, jan./jun. 2017.

https://doi.org/10.14393/OBv1n1a2017-5

MOURA, A. R. L.; LIMA, L. C.; MOURA, M. O.; MOISÉS, R. P. Educar com Matemática: Fundamentos. São Paulo – SP: Cortez, 2016.

MOURA, M.O.; SFORNI, M.S.F.; LOPES, A.R.L.V. A objetivação do ensino e o desenvolvimento do modo geral da aprendizagem da atividade pedagógica. In: MOURA, M.O. (Org.). Educação escolar e pesquisa na teoria histórico-cultural. São Paulo: Edições Loyola, 2017.

OLIVEIRA, G. S. Crenças de professores dos primeiros anos do Ensino Fundamental sobre a prática pedagógica em Matemática. 2009. 206 f. Tese. (Doutorado em Educação Matemática) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

POLYA, G. A Arte de resolver Problemas. Tradução Heitor Lisboa de Araújo. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2006.

PONTE, J. P. Concepções dos Professores de Matemática e Processos de Formação. In: PONTE, J. P. Educação Matemática: Temas de Investigação. Lisboa: IIE, 1992. p. 185-239.

PROENÇA, M. C. O conceito e a resolução de problemas de fração: análise da aprendizagem de atitudes positivas de estudantes concluintes de curso de Pedagogia. REnCiMa, v. 9, n.5, p. 153-168, 2018.

ROSA, J. E.; HOBOLD, E. S. F. Movimento entre abstrato e concreto na proposição davydovianas para o ensino de multiplicação. Inter-Ação, Goiânia, v. 41, n. 1, p. 143-164, jan./abr. 2016.

https://doi.org/10.5216/ia.v41i1.36399

STANIC, G. M. A.; KILPATRICK, J. Historical perspectives on problem solving in the mathematics curriculum. In: CHARLES, R. I.; SILVER, E. A. (Ed.). The teaching and assessing of mathematical problem solving. Reston: NCTM, 1989. p. 1-22.

SZYMANSKI, H. (Org). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Plano, 2002.

Publicado
2020-11-20
Como Citar
GUIMARÃES, J.; OLIVEIRA, G. Concepções de professores sobre a Resolução de Problemas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 7, p. 198-219, 20 nov. 2020.