A importância da formação do professor de Matemática para a inclusão de alunos com discalculia

Palavras-chave: Formação de professores de Matemática, Discalculia, Inclusão Escolar

Resumo

Este trabalho apresenta considerações teóricas realizadas a partir do recorte teórico da pesquisa intitulada Os saberes docentes de professores de matemática que atuam com alunos discalcúlicos incluídos nos anos finais do Ensino Fundamental, desenvolvida como Dissertação de Mestrado ao Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal de Pernambuco, tendo como objetivo o de compreender como a formação Inicial e continuada do professor de Matemática poderá contribuir para a inclusão dos alunos discalcúlicos na sala de aula do ensino regular durante a sua prática docente. Utilizamos a pesquisa bibliográfica do tipo exploratória como recurso metodológico a fim de coletar informações a respeito de como a formação Inicial e continuada poderá ajudar os professores de Matemática no processo de ensino e aprendizagem frente aos alunos com discalculia. Os resultados evidenciaram a importância que as formações Inicias e continuadas tem para auxiliar o professor de Matemática durante a sua prática docente relacionada aos alunos discalcúlicos, podendo assim proporcionar ao professor conhecimentos a respeito das especificidades da temática e assim desenvolver uma aprendizagem significativa para esses alunos.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karolina Lima dos Santos Araujo, Universidade Federal de Pernambuco
Mestre em Educação em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Pernambuco Pós - Graduada em Metodologia do Ensino de Matemática e Fisíca pela Faculdade ÚNICA - Vale do Ipatinga Graduada em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal de Pernambuco
Tânia Maria Goretti Donato Bazante, Universidade Federal de Pernambuco
Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Formação inicial Licenciatura Plena em Pedagogia pela UFPE. É professora Adjunta da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE/ Centro Acadêmico do Agreste/Núcleo de Formação Docente. É Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal de Pernambuco- PPGECM/UFPE. Foi professora assistente na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru- FAFICA. Foi Diretora de Educação da Rede Municipal de Ensino de Caruaru - PE. Tem experiência na área de Educação, Educação Especial e Inclusiva, Formação Docente, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de professores e Prática Pedagógica; Educação Especial e Inclusiva, Paradigmas da Integração/Inclusão; Educação inclusiva e Direitos Humanos; Didática. Membro do grupo de Pesquisa em Educação, Inclusão Social e Direitos Humanos - Cnpq/UFPE. Membro do Laboratório de Pesquisa em Políticas Publicas, Currículo e Docência - LAPPUC, coordenando a linha Educação Inclusiva, Direitos humanos e Relações Etnico-Raciais. É Coordenadora do projeto - A Formação Inicial de Professores(as) de Ciências e Matemática - processos didáticos e prática reflexiva para a uma educação inclusiva - UFPR/PPGECM. Foi Pesquisadora/orientadora do Projeto sobre a formação inicial de professores de ciências e matemática, processos didáticos, pessoas com deficiência-FACEPE.

Referências

ALMEIDA, K. L. A Inclusão dos Alunos com Dificuldade de Aprendizagem na Matemática nas Séries Iniciais. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. v. 01. p. 24-33, jul. 2017.

ALMEIDA, S. A. TREVISAN, A. C. R. A discalculia no ensino de matemática: refletindo sobre a percepção de profissionais da educação básica do município de Sinop em relação a esse transtorno e sobre aspectos de sua formação. Revista Even. Pedagóg. v. 8, n. 1 (21. ed.), p. 552-573, jan./jul. 2017.

ARAÚJO, K. L. S. Os saberes docentes de professores de matemática que atuam com alunos discalcúlicos incluídos nos anos finais do ensino fundamental. 2019. 84p. Caruaru: UFPE, 2019. Dissertação (Mestrado em Educação em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, 2019.

AVILA, L. A. B. LARA, I. C. M. Discalculia: Um Mapeamento de Artigos Brasileiros. Revista Abakos, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p. 35-56, nov. 2017.

BACK, N. C.F. et al. Modelo de avaliação de transtornos de aprendizagem por equipe interdisciplinar. Rev. Psicopedagogia, v. 37, n. 112, p. 37-51, jan./abr. 2020.

BERNARDI, J. Alunos com discalculia: o resgate da auto-estima e da auto-imagem através do lúdico. 2006. 189p. Porto Alegre: PUCRS. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

BERNARDI, J. STOBÄUS, C. D. Discalculia: conhecer para incluir. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 24, n. 39, p. 47-60, jan./abr. 2011.

CAMPOS, A. M. A. de. Discalculia: superando as dificuldades em aprender Matemática. 2 ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2015.

CARVALHO, A. M. F. T. Educação matemática e psicologia cognitiva: intervenção integrada em discalculia do desenvolvimento. In: VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENSINO DA MATEMÁTICA. 2013, Canoas- Rio Grande do Sul. Anais eletrônicos. Disponível em: http://www.ulbra.br/ciem2013/ Acesso em: 20 ago. 2018.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, 1994, Salamanca- Espanha.

DENARI, F. Um novo olhar sobre a formação do professor de educação especial: da segregação a inclusão. In: RODRIGUES, D. (org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 35-64.

DSM-5. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Trad. NASCIMENTO ET AL, M. I. C. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014

FARIAS, M. CÂNDIDO, L. Uso de materiais didático-pedagógicos lúdicos por egressos do PROFMAT e sua influência no aprendizado em matemática em Alagoas. REnCiMa, São Paulo, v. 10, n.6, p. 340-359, 2019.

FERREIRA, A. C. O trabalho colaborativo como ferramenta e contexto para o desenvolvimento profissional: compartilhando experiências. In: NACARATO, A. M. (org.). A formação do professor que ensina Matemática: perspectivas e pesquisas. 1. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 149-166.

FILHO, V. H. O. SANTOS, G. T. dos. Repercussões de um curso de formação continuada a distância em matemática na visão dos participantes. REnCiMa, São Paulo, v.9, n.3, p.249-264, 2018.

FREITAS, S. N. A formação de professores na educação inclusiva: construindo a base de todo o processo. In: RODRIGUES, D. (org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 161-182.

GOMES, J. A. J. SABIÃO, R. M. Discalculia: Dificuldades no Ensino e Aprendizagem da Matemática. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. V. 02, p. 80-97, fev. 2018.

KRANZ, C. R. HEALY, L. Pesquisas sobre discalculia no Brasil: uma reflexão a partir da perspectiva histórico-cultural. Revista International Journal for Studies in Mathematics Education, v. 5 (2), 2012.

MANTOAN, M. T. E. O direito de ser, sendo diferente, na escola. In: RODRIGUES, D. (org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 183-210.

MARTINS, L. A. R. Formação continuada de docentes: algumas reflexões sobre a sua contribuição para a educação inclusiva. In: BATISTA, C. R.; JESUS, D. M. (org.). Avanços em políticas de inclusão: o contexto da educação especial no Brasil e em outros países. 1. Ed. Porto Alegre: Mediação, 2011. p. 153-174.

MICHELS, M. H. Paradoxo da formação docente na política de educação inclusiva do Estado de Santa Catarina: a perspectiva clínica como sustentação do trabalho escolar. In: BATISTA, C. R.; JESUS, D. M. (org.). Avanços em políticas de inclusão: o contexto da educação especial no Brasil e em outros países. 1. Ed. Porto Alegre: Mediação 2011. p. 139-152.

MIZUKAMI, M. G. N. Aprendizagem da docência: conhecimento específico, contextos e práticas pedagógicas. In: NACARATO, A. M. (org.). A formação do professor que ensina Matemática: perspectivas e pesquisas. 1. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 213-231.

MULLER, I. A. “Discalculia” uma dificuldade na aprendizagem Matemática. 2011. 37p. Brasília: UAB/UNB. Monografia (Curso de Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão) – Universidade de Brasília, 2011.

NACARATO, A. M. et al. Professores e futuros professores compartilhando aprendizagens: dimensões colaborativas em processo de formação. In: NACARATO, A. M. (org.). A formação do professor que ensina Matemática: perspectivas e pesquisas. 1. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 197-212.

NACARATO, A. M.; PAIVA, M. A. V. A formação do professor que ensina matemática: estudos e perspectivas a partir das investigações realizadas pelos pesquisadores do GT7 da SBEM. In: NACARATO, A. M. (org.). A formação do professor que ensina Matemática: perspectivas e pesquisas. 1. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 7-26.

PAIVA, M. A. V. O professor de Matemática e sua formação: a busca da identidade profissional. In: NACARATO, A. M.(org.). A formação do professor que ensina Matemática: perspectivas e pesquisas. 1. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 89-111.

PASSOS, A. Q. et al. Dificuldade de Aprendizagem em Matemática: Discalculia. Revista UNOPAR Cient., Ciênc. Human. Educ., Londrina, v. 12, n. 1, p. 61-71, jun. 2011.

PERETTI, L. Discalculia – transtorno de aprendizagem. 2009. 30p. Erechim: URI. Monografia (Graduação em Matemática) - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim/RS, 2009.

PIMENTEL, L. S. Possíveis indícios de discalculia em Anos Iniciais: uma análise por meio de um Teste piloto de Matemática. 2015.161p. Porto Alegre: PUCRS. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

PIMENTEL, L. S; LARA, I. C. M. Discalculia: Mapeamento das produções brasileiras. In: VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENSINO DA MATEMÁTICA. 2013, Canoas- Rio Grande do Sul. Anais eletrônicos. Disponível em: http://www.ulbra.br/ciem2013/ Acesso em: 20 ago. 2018.

PIRES, C. M. C.; SILVA, M. A.; SANTOS, R. C. Reflexões sobre a formação inicial de professores de Matemática, a partir de depoimentos de coordenadores de curso de licenciatura. In: NACARATO, A. M. (org.). A formação do professor que ensina Matemática: perspectivas e pesquisas. 1. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 113-132.

SANTOS, L. A discalculia na perspectiva de professores das Séries Iniciais de uma escola de rede Municipal de Paranavaí-PR. 2014. 35p. Medianeira: UTFPR. Monografia (Especialização em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2014.

VILLAR, J. M. G. Discalculia na sala de aula de matemática: um estudo de caso com dois estudantes. 2017. 165p. Juiz de Fora: UFJF. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Matemática) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017.

Publicado
2020-11-20
Como Citar
LIMA DOS SANTOS ARAUJO, K.; MARIA GORETTI DONATO BAZANTE, T. A importância da formação do professor de Matemática para a inclusão de alunos com discalculia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 7, p. 101-118, 20 nov. 2020.