Trabalho colaborativo na formação inicial do professor que ensina Matemática

Palavras-chave: Trabalho colaborativo, Formação de professores, Ensino de Matemática

Resumo

Nesse artigo apresenta-se e discute-se resultados de uma pesquisa qualitativa realizada com o objetivo de analisar as aprendizagens resultantes de um estudo desenvolvido com acadêmicos dos cursos de Licenciatura em Matemática e Pedagogia que atuam juntos no planejamento, elaboração e desenvolvimento de oficinas matemáticas para alunos do Ensino Fundamental, priorizando o trabalho colaborativo e a prática reflexiva voltada ao ensino de matemática. Os sujeitos da pesquisa são quatro licenciandos de um curso de Licenciatura em Matemática e três de Pedagogia, da Universidade do Estado do Amazonas. Entrevistas, elaboração de oficinas e rodas de diálogos foram as estratégias metodológicas para a construção dos dados da pesquisa que foram analisados por meio de uma triangulação. Os resultados obtidos indicam que o trabalho colaborativo pode fortalecer as aprendizagens e aproximar cursos que formam profissionais para o ensino de matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucélida de Fátima Maia da Costa, Universidade do Estado do Amazonas
Doutora em Educação em Ciências e Matemáticas; Mestre em Educação em Ciências na Amazônia; Mestre em Estudos Amazônicos; Licenciada em Matemática.

Referências

BAUER, M. W.; GASKEL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2012.

CADÓRIO, L.; SIMÃO, A. M. V. Comunidade de aprendizagem de professores de português: um caso de prática colaborativa na abordagem do currículo. In: FLORES, M. A.; FERREIRA, F. L. (Org.). Currículo e comunidades de aprendizagem: desafios e perspectivas. Portugal: De Facto editores, 2012. p. 59-95.

COLOMBO, J. A. A.; CALDATTO, M. E. Projetos de pesquisa pedagógica no PIBID: possibilidades formativas para o desenvolvimento do conhecimento especializado do professor que ensina matemática. REnCiMa, v. 10, n. 2, p. 125-141, 2019.

COSTA, L. F. M. da; SOUZA, E. G.; LUCENA, I. C. R. Complexidade e Pesquisa Qualitativa: questões de método. Revista Perspectivas em Educação Matemática, vol. 8, número temático, p. 727-748, 2015.

COSTA, L. F. M. da. Vivências autoformativas no ensino de matemática: vida e formação em escolas ribeirinhas. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas), Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

CYRINO, M. C. T. Grupos de estudo e pesquisa e o movimento de constituição da identidade profissional de professores que ensinam matemática e de investigadores. REnCiMa, v. 9, n.6, p. 01-17, 2018.

DAMIANI, M. F. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, Curitiba, n. 31, p. 213-230, 2008.

DE LA TORRE, S.; MORAES, M. C. Introdução. In: PUJOL, M. A.; MORAES, M. C. TransDisciplinaridade e Ecoformação: um novo olhar sobre a educação. São Paulo: TRIOM, 2008.

DENZIN, N. K. Triangulation in educational research. In KEEVES, J.P. (Ed). Educational research, methodology, and measurement. An international handbook. Oxford: Pergamon Press., 1988. p. 318-322.

ESPINOSA MARTÍNEZ, A. C. La transdisciplinariedad como proyecto de auto-ecoreorganización del Centro de Estudios Universitarios Arkos, México. In: ESPINOSA MARTÍNEZ, A. C.; GALVANI, P. Transdisciplinariedad y formación universtaria: teorías y prácticas emergentes. Puerto Vallarta, México: CEUArkos, 2014. p.137-160.

FERREIRA, A. C.; MIORIM, M. A. Collaborative work and the professional development of mathematics teachers: analysis of a Brazilian experience. In: BEDNARZ, N; FIORENTINI, D.; HUANG, R. (Org.). International approaches to professional development of mathematics teachers. Ottawa: University of Ottawa Press, 2011.

FIORENTINI, D.; CASTRO, F. C. de. Tornando-se professor de matemática: o caso de Allan em prática de ensino e estágio supervisionado. In: FIORENTINI, D. Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003, p. 121-156.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M.; ARAÚJO, J. L. (Org.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

FIORENTINI, D. Quando acadêmicos da universidade e professores da escola básica constituem uma comunidade de prática reflexiva e investigativa. In: FIORENTINI, D; GRANDO, E. C.; MISKULIN, R. G. S. (Org.) Prática de formação e de pesquisa de professores que ensinam matemática. Campinas: Mercado de Letras, 2009.

FIORENTINI, D.; JIMÉNEZ, A (Org.). Histórias de aulas de matemática: compartilhando saberes profissionais. Campinas, SP: Gráf. FE: CEMPEM, 2003.

FLORES, M. A.; FERREIRA, F. L. (Org.). Currículo e comunidades de aprendizagem: desafios e perspectivas. Portugal: De Facto editores, 2012.

GALVANI, P. Los Kairos: momentos creados y niveles de realidad de la autoformación. In: TORRES, S; PUJOL, M-A. (Org.). Educar con otra consciencia: una mirada ecoformadora y creativa de la enseñanza. Barcelona: Da Vinci Continental, 2009. p. 49-61.

GONZÁLEZ REY, F. Pesquisa Qualitativa e subjetividade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2010.

KAUFMANN, J-C. A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. Petrópolis, RJ: Vozes; Maceió, AL: Edufal, 2013.

KINCHELOE, J. L.; BERRY, K. S. Pesquisa em Educação: conceituando a bricolagem. Porto Alegre: Artmed, 2007.

MARQUESINI, D. F. B.; NACARATO, A. M. A prática do saber e o saber da prática em geometria: análise do movimento vivido por um grupo de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Zetetiké, CEMPEM-FE/UNICAMP, v. 19, n. 35, p. 103-137, jan./jun., 2011.

MORAES, M. C.; NAVAS, J. M. B. (Colaborador). Transdisciplinaridade em Educação, Criatividade e Educação: fundamentos ontológicos e epistemológicos. Campinas-SP: Papirus, 2015.

MORAES, M. C.; NAVAS, J. M. B. Complexidade e Transdisciplinaridade em Educação: teoria e prática docente. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2010.

NÓVOA, A. (Org.). Vida de professores. Porto - PT: Porto Ed., 2013.

PALANCH, W. B. de L.; MANRIQUE, A. L. Ações colaborativas universidade-escola: formação de professores que ensinam matemática em espaços colaborativos. Revista Eletrônica de Educação, v. 10, n. 2, p. 188-202, 2016.

SANTANA, F. C. de M.; BARBOSA, J. C. As relações pedagógicas em um trabalho colaborativo envolvendo professores de matemática: do conflito à gestão. In: CYRINO, M. C. de C. T. (Org.). Temáticas emergentes de pesquisas sobre a formação de professores que ensinam matemática [livro eletrônico]: desafios e perspectivas. Brasília, DF: SBEM, 2018. p.19-42.

SANTANA, F. C. de M.; BARBOSA, J. C. Tipos de conflitos entre/nos textos de professores de matemática e acadêmicos em um trabalho colaborativo. Revista Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v.18, n. 2, p. 895-921, 2016.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

TRALDI Jr., A.; PIRES, C. M. C. Grupo colaborativo e o desenvolvimento profissional de formadores de professores de matemática. Zetetiké – Cempem – FE – Unicamp – v. 17, n. 31, jan/jun., p. 47-84, 2009.

WARSCHAUER, C. Rodas em rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

Publicado
2020-11-20
Como Citar
COSTA, L. DE F. Trabalho colaborativo na formação inicial do professor que ensina Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 7, p. 421-437, 20 nov. 2020.