A construção da identidade docente na formação inicial dos professores de Ciências Naturais

Palavras-chave: Identidade docente, Formação inicial, Saberes docentes

Resumo

A construção da identidade docente está associada à compreensão de saberes necessários para a atuação da prática em sala de aula. Diante da necessidade de fundamentar práticas pedagógicas condizentes com a realidade dos alunos, é fundamental compreender qual o papel da formação inicial na construção da identidade de futuros professores. O artigo tem como objetivo compreender quais os saberes necessários para a construção da identidade dos professores de Ciências Naturais durante o processo de formação inicial.  A pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo revisão bibliográfica, e a coleta de dados foi baseada na busca de artigos que tratam sobre a formação da identidade docente durante o curso de formação inicial de professores de Ciências, publicados em periódicos nacionais, classificados nos estratos  A1 a B1, no período de 2009 a 2019. A partir dos resultados obtidos, foi possível identificar que a formação inicial, quando proporciona a relação entre teoria e prática, visando favorecer a reflexão do que se deve saber para ministrar uma docência de qualidade, contribui de forma significativa na formação de saberes necessários para que o futuro professor possa conduzir de forma autônoma e crítica a função social de ensinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Brandão de Souza, Universidade Estadual de Santa Cruz-UESC
Ensino de Ciencias- Formação de professores
Viviane Borges Dias, Universidade Estadual de Santa Cruz
Ensino de Ciencias- Formação de professores

Referências

ALARCÃO, I. Formação continuada como instrumento de profissionalização docente. In: VEIGA, I. P. A. (Org.). Caminhos da profissionalização do magistério. Campinas, SP: 10 Papirus, 1998. p. 99-122.

ALLAIN, L. R.; COUTINHO, F. Â. Controvérsias em torno das identidades profissionais de licenciandos em biologia: um estudo inspirado na teoria ator-rede. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 1-20, 2017. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102 46982017000100151&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 dez. 2019.

ARRUDA, S. M; ARAÚJO, R. N; PASSOS, M. M. A identidade docente e as relações com o saber em sala de aula: um estudo realizado com estudantes de uma licenciatura em ciências biológicas. Investigações em Ensino de Ciências. v. 23, 2018. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/809. Acesso em: 10 dez. 2019.

ASSAI, N. D.; ARRIGO, V.; BROIETTI, F. C. D. Uma proposta de mapeamento em periódicos nacionais da área de Ensino de Ciências. Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino, Jacarezinho, v. 2, n. 1, p. 150-166, 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BEJA, C.; REZENDE, F. Processos de construção da identidade docente no discurso de estudantes da licenciatura em química. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 13, n. 2, p. 156-178, 2014. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen13/REEC_13_2_3_ex800.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRANDO, F. R; CALDEIRA, A. M. A. Investigação sobre a identidade profissional em alunos de Licenciatura em Ciências Biológicas. Ciênc. educ, Bauru [online]. 2009, v. 15, n. 1, p.155-173. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-73132009000100010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação: Brasília-DF, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso em: 3 mar. 2019.

BRASIL. Resolução n. 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação: Brasília-DF, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 3 mar. 2019.

BRASIL. Resolução n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica. Brasília, DF, dezembro, 2019. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-CNECEB-002-2019-12-20.pdf. Acesso em: 27 abr. 2020.

CACHAPUZ, A. et al. A necessária renovação do ensino das Ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

CASSIANO, K. F. D; MESQUITA, N. A. S; RIBEIRO,, P. G. Conhecimento pedagógico e conhecimento químico na formação de professores: a construção da identidade docente. Quim. Nova, v. 39, n. 2, p. 250-259. 2016. Disponível em: http://quimicanova.sbq.org.br/detalhe_artigo.asp?id=6341. Acesso em: 10 dez. 2019.

CERICATO, I. L. A profissão docente em análise no Brasil: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 97, n. 246, p. 273-289, mai/ago. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2176-66812016000200273&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 dez. 2019.

COSTA, M. L. R.; REZENDE, F. Construção da identidade docente de um estudante de licenciatura em ciências biológicas em curso a distância: um caso de hibridismo. Ensaio, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 149-169, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-21172014000100149&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 dez. 2019.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa. Escolhendo entre cinco abordagens. São Paulo: Penso Editora LTDA, 2014.

DANTAS, D. L. S.; SANTOS, J. C. O; MAKNAMARA, M. Contribuições do PIBID biologia à formação docente no CES/UFCG. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 85-99, 2019. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1308. Acesso em: 10 dez. 2019.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Desafios para o Ensino de Ciências. In: Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A prática como componente curricular na formação de professores. Educação, Santa Maria, v. 3, n. 2, p. 203-218, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/3184. Acesso em: 10 dez. 2019.

DUTRA, E. F.; TERRAZZAN, E. Reflexos das normativas legais sobre formação de professores da educação básica em configurações curriculares de cursos de licenciatura em química e formação da identidade profissional docente. Ciênc, Belo Horizonte [online], v. 14, n. 1, p. 169-180, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-21172012000100169&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 dez. 2019.

FELDENS, M. G. F. Pesquisa em educação de professores: antes, agora e depois? Fórum Educacional, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 26-44, abr./jun. 1983.

GARCIA, M. C. Formação de Professores – Para uma mudança educativa. Portugal. Porto Editora, 1999. (Coleção Ciências da Educação Século XXI)

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes do Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GATTI, et. al. Professores do Brasil: Novos Cenários de Formação. Brasília, UNESCO, 2019. Disponível em: https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2019/05/Livro_ProfessoresDoBrasil.pdf. Acesso em: 10 maio 2020

GHEDIN, E.; ALMEIDA, M. I.; LEITE, Y. U. F. Formação de professores: caminhos e descaminhos da prática. Brasília: Líber Livro Editora, 2008.

GHEDIN, E.; OLIVEIRA, E. S. de; ALMEIDA, W. A. de. Estágio com Pesquisa. São Paulo: Cortez, 2015.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 6. ed. rev. e aum. São Paulo: Heccus, 2015.

MARCELO GARCIA, C. Desenvolvimento Profissional passado e futuro. Sísifo – Revista das Ciências da Educação, n. 8, p. 7-22, jan./abr. 2009.

MELO, R. A; CARVALHO, A. D. Contribuições do PIBID para formação de professores de biologia. Crítica Educativa, Sorocaba/SP, v. 3, n. 2 - Especial, p. 465-478, jan./jun. 2017 Disponível em: http://www.criticaeducativa.ufscar.br/index.php/criticaeducativa/article/view/111. Acesso em: 10 dez. 2019.

MORAES, C. B.; GUZZI, M. E. R.; SÁ, L. P. Influência do estágio supervisionado e do programa Institucional de bolsas de iniciação à docência (PIBID) na motivação de futuros professores de Biologia pela docência. Ciências e Educação, Bauru, v. 25, n. 1, p. 235-253, 2019.

NÓVOA, A. Prefácio. In: ABRAHÃO, M. H. M. B. (Org). História e Histórias de vida – destacados educadores fazem a história da educação rio-grandense. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

NOVOA, A. (Org.) Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2007.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

OLIVEIRA, L. G. S.; PECHLIYE, M. M. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID): influências e contribuições na formação de professores em artigos publicados entre 2011 e 2014. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 4, p. 153-168, 2018. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1361/1033. Acesso em: 10 dez. 2019.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática. 3. ed. São Paulo. Cortez, 1997.

PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes Pedagógicos e Atividade Docente. São Paulo: Cortes, 1999.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. et al. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

PIMENTA, S. G. Professor Reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PIMENTA, S.G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PIMENTA, S. G. Saberes pedagógicos e atividade docente. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

RODRÍGUEZ, A. S. M.; DEL PINO, J. C. O enfoque ciência, tecnologia e sociedade (cts) na reconstrução da identidade profissional docente. Investigações em Ensino de Ciências, v. 24, n. 2, p. 90-119, 2019. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/1294. Acesso em: 10 dez. 2019.

SÁ, C. S. S.; SANTOS, W. L. P. Constituição de identidades em um curso de licenciatura em Química. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 69, abr./jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v22n69/1413-2478-rbedu-22-69-0315.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1996.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SCHULMAN, L. S. Those who undertand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986.

SIQUEIRA, M.; MASSENA, E. P.; BRITO, L. D. Contribuições do PIBID à construção da identidade e de saberes docentes de futuros professores de Ciências. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2013, Águas de Lindóia. Anais... Águas de Lindóia 2013, p. 1-8.

TAKAHASHI, B.; TADASHI, L.; JÚNIOR, A. A identidade social docente na formação inicial de Professores de ciências. Revista Eletrônica de Educação, v. 13, n. 3, 2019. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/2677. Acesso em: 10 dez. 2019.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; LAHAYE, L. Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 215- 233, 1991.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, ano XXI, n. 73, p. 209-244, dez. 2000.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TEIXEIRA, M. A. P.; GOMES, W. B. Estou me formando... e agora? Reflexões e perspectivas de jovens formandos universitários. Revista brasileira orientação professor, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 47-62, jun. 2004.

ZEICHNER, K. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 103, p. 535-554, maio/ago. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v29n103/12.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

Publicado
2020-11-20
Como Citar
SOUZA, J.; DIAS, V. A construção da identidade docente na formação inicial dos professores de Ciências Naturais. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 7, p. 81-100, 20 nov. 2020.