Matemática: um desafio para a Educação Básica conforme demonstrado nos resultados das avaliações externas no Brasil e no estado de Goiás

Palavras-chave: Avaliação de larga escala, Pisa;, Saeb, Saego, Ensino médio

Resumo

O presente texto tem por objetivo apresentar o panorama e provocar uma reflexão sobre os resultados da aprendizagem de Matemática no Ensino Médio no Brasil e no estado de Goiás. Para isso, foi realizado um levantamento qualiquantiativo dos resultados das três avaliações em larga escala dos últimos 12 anos, o PISA (no âmbito internacional), o SAEB (no nacional) e o SAEGO (no estadual). Os dados obtidos mostram que as três avaliações apresentam resultados insatisfatórios, demonstrando que o ensino aprendizagem de Matemática no Ensino Médio não atende às necessidades mínimas indispensáveis aos educandos.  Contudo, os resultados revelam que avaliação em larga escala constitui um fator fundamental para a qualificação da educação, pois envolve não apenas conhecimentos específicos sobre conteúdos escolares, mas também questões socioemocionais. Além disso, provocam em todos os envolvidos no processo educacional uma inquietação positiva, instigando-os a sair da sua zona de conforto para buscar estratégias e políticas públicas a fim de alcançar resultados melhores nos indicadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosemeire Terezinha da Silva, Universidade Estadual de Goiás
Mestranda do Programa de Pós-Graduação stricto sensu - Mestrado Profissional em Ensino de Ciências (PPEC), pela Universidade Estadual de Goiás - Campus Anápolis. Graduada em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de Goiás (2004). Especialização em Capacitação Professor do Ensino médio em Ciências da Natureza-Física pela UNB e Especialização em Ensino de Matemática pela UEG. Atualmente é técnico em enfermagem - Secretaria de Saúde DF e Coordenadora Pedagógica no Colégio Estadual Dr. Mauá Cavalcante Sávio (Anápolis- GO). Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática.

Referências

ARAÚJO, M. D. L. H. S; TENÓRIO, R. M. Resultados brasileiros no PISA e seus (des) usos. Estudos em Avaliação Educacional, v. 28, n. 68, p. 344-380, 2017.

ALLEVATO, N. S. G.; DE LA ROSA ONUCHIC, L. As conexões trabalhadas através da resolução de problemas na formação inicial de professores de matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n.2, p. 01-14, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. INEP. Brasil no PISA 2015. Brasília: MEC, 2016

BRASIL. Ministério da Educação. Matriz de Referência SAEB. Brasília. Inep, 2017

BRASIL. Ministério da Educação. Resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB 2017

BRASIL. Ministério da Educação. Novo Ensino Médio. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://novoensinomedio.mec.gov.br/#!/marco-legal. Acesso em: 09 set. 2018

BRASIL. Resolução n. 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 824, 14 jul. 2010. Seção 1.

BRASIL. Resolução n. 2, de 30 de janeiro de 2012a. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 20, 31 jan. 2012. Seção 1.

BRASIL. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa. Documento orientador das ações de formação em 2014. Brasília: Ministério da Educação, 2014. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Formacao/documento_orientador_2014_versao_site..pdf. Acesso: em 17 mar. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Relatório do 1º ciclo de monitoramento das metas do PNE: biênio 2014- 2016. Brasília, DF: Inep, 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Microdados: Saeb (Aneb/Provabrasil) 2015. Brasília: Inep, 2015.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). IDEB: resultados e metas. Brasília: Inep, 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 2º Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação – 2018. – Brasília, DF: Inep, 2018. 460 p.

CAED, Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação, CAEd. SAEGO - 2017 /GOIÁS, Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte. v. 3 (jan./dez. 2017), Juiz de Fora, 2017 - Anual. Conteúdo: Revista do Sistema - Rede estadual.

CAED, Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação, CAEd. SAEGO - 2018 /GOIÁS, Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte. v. 2 (jan./dez. 2018), Juiz de Fora, 2018 - Anual. Conteúdo: Revista do Sistema - Rede estadual.

CONSED, Comunicação Setorial da Seduce (2018). Disponível em: http://www.consed.org.br/central-de-conteudos/seduce-goias-entrega-material-pedagogico -e-plano-tecnologico-para-a-rede. Acessado em: 26 Set. 2019

FREITAS, L. C. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis: Vozes, 2009

GATTI, B. A. Avaliação de sistemas educacionais no Brasil. Sísifo, n. 9, p. 7-18/EN 7-18, 2016.

INEP. Sistema de Avaliação da Educação Básica – SAEB, 2017. Projeto Básico V. 6. Brasília: INEP/Ministério da Educação.

INEP. Microdados da Aneb e da Anresc 2017. Brasília: Inep, 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/basica-levantamentos-acessar. Acesso em: 31 Mai. 2019.

INEP. Press Kit, SAEB 2019. Brasília: Inep, 2019. Disponível em :http://download.inep.gov.br/educacao_basica/saeb/2019/presskit/PressKit_Saeb_2019.pdf. Acessado em: 12 Set. 2019.

INEP. Pisa 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/ B4AQV9zFYBv/contente/pisa-2018-revela-baixo-desempenho-escolar-em-leituramatemati ca-e-ciencias-nobrasil/21206. Acesso em: 04 Dez. 2019

LUCKESI, C. C. Capítulo II: Avaliação Educacional Escolar: para além do autoritarismo. In: Avaliação da aprendizagem escolar. 7ed. São Paulo: Cortez, 1998 [1994]. p.27-47.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de janeiro: DP&A, 2006.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Brasil no PISA 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros. São Paulo: Fundação Santillana, 2016.

ORTIGÃO, M. I. R., DE OLIVEIRA, R. L. (2017). Diferença e Insubordinação Criativa: Negociando Sentidos com a avaliação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 4, p. 91-105, 2017.

PARANÁ. Governo do Estado. Avaliação Externa e Interna: relações e articulações possíveis. Paraná: Secretaria de Educação, 2016. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/formacao_acao/1semestre2016/deb_av aliacao_fa_roteiro.pdf. Acessado em: 31 Mai. 2019.

SASSAKI, A. H. et al. Por que o Brasil vai mal no PISA? Uma análise dos determinantes do desempenho no exame. Centro de Políticas Públicas do Insper e USP. PolicyPaper, v. 31, 27p. 2018.

SILVA, T. C.; AMARAL, C. L. C. Jogos e avaliação no processo ensino-aprendizagem: uma relação possível. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 2, n. 1, p. 1-8, 2011.

SOARES, F. J.; XAVIER, F. P. Pressupostos Educacionais e Estatísticos do IDEB. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, p. 903-923, 2013.

VIANNA, H. M. Avaliações Nacionais em Larga Escala: análises e propostas. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n.27, p.41-76, jan./jun/2003. ______. Fundamentos de um programa de avaliação educacional. Brasília: Liber Livro, 2005.

Publicado
2020-10-18
Como Citar
SILVA, R.; SANTOS, S. Matemática: um desafio para a Educação Básica conforme demonstrado nos resultados das avaliações externas no Brasil e no estado de Goiás. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 481-496, 18 out. 2020.
Seção
Artigos Gerais