A congruência semântica na definição de limites: uma análise dos critérios conservados por alunos no Ensino Superior

Palavras-chave: Educação Matemática, Congruência Semântica, Limites

Resumo

O trabalho objetiva analisar quais critérios de congruência são conservados no estudo de limites e tecer reflexões sobre a influência dos critérios conservados nos recortes de produções realizadas por alunos que cursam o Ensino Superior da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. A metodologia utilizada é a análise bibliográfica dos livros utilizados por esses alunos e algumas de suas produções documentais com problemas que envolvem limites. Para isso, são utilizados os pressupostos teóricos dos registros de representação de Duval, em específico a congruência semântica, para a análise do conceito de limite. São consideradas as transformações das diferentes representações, por tratamento e conversão, das regras utilizadas no cálculo de limites, representação gráfica, aproximação numérica e representação algébrica.  Os resultados apresentados foram que, apesar dos critérios conservados nos cálculos algébricos por substituição sejam matematicamente comprováveis, nos casos em que se aplica, eles são semanticamente não congruentes, ou seja, não há univocidade semântica entre as unidades significantes respectivas dos registros numérico e gráfico. Portanto, outras metodologias são necessárias para se interpretar o conceito limites de uma função, por meio de diferentes representações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, E.B, FIGUEIREDO, E. B., PALHARES, P. M. B. Análise da variação de funções ensinada através da resolução de problemas, REnCiMa, v. 10, n.5, p. 32-52, 2019.

CARGNIN, C. Ensino e aprendizagem da integral de Riemann de funções de uma variável real: possibilidades de articulação da utilização de mapas conceituais com a teoria dos registros de representações semióticas. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

DENARDI, V. B., BISOGNIN, E. Representações semióticas: contribuições para o estudo do conceito de função, REnCiMa, v. 10, n.2, p. 142-159, 2019.

DUVAL, R. Semiósis e pensamento humano: registro semiótico e aprendizagens intelectuais (Sémiosis et Pensée Humaine: Registres Sémiotiques et apprentissages Intellectuels). Tradução: Lênio Fernandes Levy e Marisa Rosâni Abreu da Silveira – São Paulo: Editora Livraria da Física, 2009.

DUVAL, R. Ver e ensinar a Matemática de outra forma: entrar no modo matemático de pensar os registros de representações semióticas - São Paulo: PROEM, 2011.

DUVAL, R. Abordagem cognitiva de problemas de geometria em termos de congruência. Revista Eletrônica de Educação Matemática (Revemat). Florianópolis, v.7, n.1, p.118-138, 2012a.

DUVAL, R. Diferenças semânticas e coerência matemática: introdução aos problemas de congruência. Revista Eletrônica de Educação Matemática (Revemat). Florianópolis, v.7, n.1, p.97-117, 2012b.

FERNÁNDEZ-PLAZA, J.A.; SIMPSON, A. Three concepts or one? Students’ understanding of basic limit concepts. Educ Stud Math, 93, pp.315-332, 2016

SALAZAR, J.V.F.; ALMOULOUD, S.A. Registro figural no ambiente de geometria dinâmica Educação Matemática Pesquisa, v.17, n.5, p. 919-941, 2015.

FRIZZARINI, S.T. Estudo dos Registros de representação semiótica: Implicações no ensino e aprendizagem da álgebra para alunos surdos fluentes em língua de sinais. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014.

GUIDORIZZI, H.L. Um curso de Cálculo. v.1, 5a. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

HENRIQUES, A.; ALMOULOUD, S. A. Teoria dos Registros de Representação Semiótica em pesquisas na Educação matemática no Ensino Superior: uma análise de superfícies e funções de duas variáveis com intervenção do software Maple. Ciência & Educação (Bauru), v.22, n.2, pp.465-487, 01 Jun. 2016.

LARSON, R.; HOSTETLER, R.P.; EDWARDS, B.H. Cálculo. v.1. São Paulo: MAcGraw-Hill, 2006.

REZENDE, W. M. O ensino de Cálculo: dificuldades de natureza epistemológica, In: MACHADO, N. ; CUNHA, M. (org). Linguagem, Conhecimento, Ação – ensaios epistemologia e didática. Escrituras: São Paulo, 2003.

STEWART, J. Cálculo. v.1. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

TALL, D.O. Building and testing a cognitive approach to the calculus using interactive computer graphics. Tese de doutorado. Inglaterra : University of Warwick, 1986.

Publicado
2020-10-18
Como Citar
FRIZZARINI, S. T.; CARGNIN, C.; WAIDEMAN, A.; GUEDES, L. A congruência semântica na definição de limites: uma análise dos critérios conservados por alunos no Ensino Superior. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 18-33, 18 out. 2020.
Seção
Artigos Gerais