Ensino de Química e a deficiência visual: análise dos inventários descritivos sobre materiais didáticos

Palavras-chave: Ensino de Química, Inclusão escolar, Deficiência visual, Materiais didáticos

Resumo

O Ensino de Química para as pessoas com deficiência visual implica na utilização de materiais didático-pedagógicos e tecnológicos adaptados e/ou especializados e métodos específicos de ensino para eliminar barreiras pedagógicas impostas pela diminuição da acuidade visual a que estão expostos. Neste artigo, apresentamos uma análise panorâmica dos inventários descritivos relativa à construção e utilização de materiais didáticos para o ensino de química a alunos com deficiência visual entre o interstício de 2009 a 2018. Para isso, foram utilizadas as seguintes combinações de palavras descritoras: ensino de química, inclusão escolar, deficiência visual e materiais didáticos. Foram também realizadas consultas em teses, dissertações, periódicos científicos e atas dos anais do Encontro Nacional de Ensino de Química, Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciência e Congresso Brasileiro de Química. Os resultados apontaram para o predomínio de uma visão instrumentalista do uso dos materiais como adequados, úteis e que favorecem a aprendizagem sensorialmente tátil. Ressaltamos a necessidade de reflexões mais apuradas para que a funcionalidade desses materiais não se reduza a mero instrumentalismo. Destacamos uma tendência em algumas produções sobre as investigações na construção das imagens mentais, trazendo importantes contribuições para o entendimento da elaboração conceitual a partir da percepção tátil dos materiais utilizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Silva Nascimento, Universidade Federal de Sergipe
Mestranda em Ensino de Ciências e Matemática pela UFS, Pós-Graduação em Ensino de Qupimica e Biologia pela UNIVASF e Licenciatura Plena em Química pela Faculdade Pio Décimo. Professora da rede Estadual no Sergipe e Bahia.
Samísia Maria Fernandes Machado, Universidade Federal de Sergipe
Doutora em Ciências pela Universidade Estadual de Campinas, mestre em Química Orgânica, bacharel e licenciada em Química pela Universidade Federal do Ceará, professora Associada IV da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, SE – BR.
Edvaldo da Silva Costa, Universidade Federal de Sergipe
Doutor em Educação, mestre em Ensino de Ciências e Matemática e graduado em Química Licenciatura pela UFS, especialista em Libras e AEE pela FSLF e professor adjunto do Departamento de Letras Libras da UFS. São Cristóvão, SE – BR.

Referências

AMAZONAS, J. T. Química através dos sentidos: texturização de fórmulas para alunos com deficiência visual. 2014. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências na Educação Básica) - Universidade do Grande Rio Professor “José de Souza Herdy”, Duque de Caxias, 2014.

ALVES, F. I. M. Ensino de Química para alunos com deficiência visual: subsídios teóricos e práticos. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação para Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá - PR, 2018.

ARAGÃO, A. S. Ensino de química para alunos cegos: desafios no ensino médio. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos – SP, 2012.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1ª edição, 3ª reimpressão, 2016.

BARROS, A. P. M. Recursos Didáticos para o ensino de geometria molecular a alunos cegos em classes inclusivas. 2018. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB, 2018.

BENITE, C. R. M.; BENITE, A. M. C.; MORAIS, W. C. S e YOSHENO, F. H. Estudo sobre o uso de tecnologia assistiva no ensino de química. Em foco: a experimentação. Revista Eletrônica da Pós-graduação em Educação, v. 12, n. 1, p. 1-12, 2016.

BENITE. C. R. M; BENITE, A. M. C.; BONOMO, F. A. F.; VARGAS, G. N.; ARAÚJO, R. J. S. e ALVES, D. R. A experimentação no ensino de química para deficiente visual com uso de tecnologia assistiva: o termômetro vocalizado. Química Nova na Escola, v. 39, n. 3, p. 245-249, ago de 2017.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR)/ Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa dom Deficiência (SNPD). Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

BRASIL. Decreto n.º 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, 2009.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência), 2015. Disponível em: http://maragabrilli.com.br/wp-content/uploads/2016/03/Guia-sobre-a-LBI-digital.pdf. Acesso em: 08 mai. de 2019.

BERTALLI, J. G. Ensino de Geometria Molecular para Alunos Com e Sem Deficiência Visual, por Meio de Modelo Atômico Alternativo. 2010.Dissertação de Mestrado (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS), Campo Grande, 2010.

CEDRAN, D. P.; KIOURANIS, N. M. M e CEDRAN, J. C. A importância da simbologia no ensino de química e suas correlações com os aspectos macroscópicos e moleculares. Revista de Ensino de Ciências e Matemáticas, v.9, n. 4, p. 38-57, 2018.

COSTA, E. L. A formação de conceitos científicos para sujeitos com deficiência visual: sequência Fedathi como aporte metodológico no ensino de química. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza, 2016.

COSTA, F. R; PAULA, T. E.; CAMARGO, S. Análise das publicações dos Encontros Nacional de Ensino de Química a cerca da elaboração de materiais didáticos para alunos com deficiência visual. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia, SP, 2015.

COSTA FILHO, H. A. C. Histórico da atenção à pessoa com deficiência visual. Baixa Visão e cegueira: os caminhos para a reabilitação, a educação e a inclusão. In: Marcos Wilson Sampaio... [et al.]. Rio de Janeiro: Cultura Médica: Guanabara Koogan, 2010.

CREPPE, C. H. Ensino de Química Orgânica para Deficientes Visuais empregando Modelo Molecular. 2009. Dissertação (Mestrado em Ensino das Ciências na Educação Básica) - Universidade do Grande Rio “Prof. José de Souza Herdy”, Duque de Caxias, 2009.

DANTAS NETO, J. D. A experimentação para alunos com deficiência visual: proposta de adaptação de experimentos de um livro didático. 2012. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

DRESCHER, C. F.; OLIVEIRA, J. S. e FERNANDES, L. S. Bingo químico em Braille. In: Encontro Nacional de Ensino de Química. Salvador, BA, 2012.

FERES, G. G. Da organização ao compartilhamento do conhecimento científico gerado na área de educação em ciências no Brasil:uma contribuição à criação de facilidades de acesso e uso da informação. 2001. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2001.

FERNANDES, C. T.; HUSSEIN, F. R. G. S. e DOMINGUES, R. C. P. R. Ensino de química para deficientes visuais: a importância da experimentação num enfoque multissensorial. Química Nova na Escola, v. 39, n. 2, p. 195-203, maio de 2017.

FERNANDES, J. M.; PATROCÍNIO, S. F.; ZAMBELLI, M. H. e REIS, I. F. A elaboração de materiais para o ensino de modelos atômicos e distribuição eletrônica para discentes cegos: produtos de um projeto Probic-Jr. Experiências em Ensino de Ciências, v. 12, n. 6, p. 95-108, 2017.

FERNANDES, J. M.; PATROCÍNIO, S. F. e REIS, I. F. Possibilidades para o fazer docente junto ao aprendiz cego em aulas de química: uma interface com a história da Tabela Periódica. História da Ciência e Ensino: Construindo Interfaces, v. 18, p. 181-199, 2018.

FERNANDES, T. C. Ensino de química para deficientes visuais: a importância da experimentação e dos programas computacionais para um ensino mais inclusivo. 2014. Dissertação (Mestrado em Formação Científica, Educacional e Tecnológica) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

FIELD’S, K. A. P.; CAVALCANTI, K. L.; MORAIS, W. C. S.; BENITE, C. R. M. e BENITE, A. M. C. Ensino de química para deficientes visuais: sobre uma intervenção pedagógica em instituição de apoio. In: XVI Encontro Nacional de Ensino de Química. Salvador, BA, 2012.

FRANÇA, F. A. A formação docente em química para a inclusão escolar: a experimentação com alunos com deficiência visual. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás – Goiânia, 2018.

FUNDAÇÃO DORINA E LEGO. Famosos em todo o mundo, bloquinhos de montar ganham versão em Braille para ajudar na alfabetização de crianças com deficiência visual. Disponível em: https://www.fundacaodorina.org.br/blog/fundacao-dorina-e-lego-lancam-braille-bricks/ Acesso em: 11 de jun. de 2019.

GUIJARRO, R. B. Inclusão: um desafio para os sistemas educacionais. Org. SORRI-BRASIL. Ensaios pedagógicos - construindo escolas inclusivas. 1ª ed. Brasília: MEC, SEESP, 2005.

JANUZZI, G. M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. 2ª ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

JESUS, S. R. L. e KALHIL, J. B. O ensino de modelos atômicos a estudantes com deficiência visual da Educação de Jovens e Adultos (EJA) de uma escola pública de Manaus através da utilização de maquetes didáticas. Latin American Journalof Science Education, 1, 12057, 2015.

LARAMARA – Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual. Nossa História. Disponível em: http://www.laramara.org.br/. Acesso em: 07 julho de 2019.

LAVORATO, S. U.; MARTINEZ, I. G. e MÓL, G. S. Áudio-descrição como estratégia pedagógica de inclusão no ensino de química. In: XVII Encontro Nacional de Ensino de Química. Florianópolis, SC, 2016.

LIMA, B. T. S. Proposta de ensino de química orgânica para alunos com deficiência visual:desenhando prática pedagógica inclusiva. 2017. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) - Universidade Federal da Paraíba, Campina Grande, 2017.

LOUIS, C. C.; XAVIER, C. R.; BIANCHI, J. C.; GONÇALVES, F. R. H. S. e PELISSARI, R. C. D. Reflexões e experiências no Ensino de química inclusivo com alunos com deficiência visual. Revista Tecné, Episteme y Didaxis:TED, n. extraordinário, p. 1635-1640, 2016.

MACIEL, A. P.; FILHO, A. B. e PRAZERES, G. M. P. Equipamentos alternativos para o ensino de química para alunos com deficiência visual. Revista Docência em Ensino Superior, v. 6, n. e, p. 153-176, out. 2016.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão Escolar O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Editora Moderna, 2006.

MARCHI, M. I. e SILVA, I. N. C. A. A formação continuada de professores: buscando melhorar e facilitar o ensino para deficientes visuais por meio de tecnologia assistiva. Revista Educação Especial, v. 29, n. 55, p. 457-470, mai/ago 2016.

MARQUES, N. P. A deficiência visual e a aprendizagem química: reflexões durante o planejamento e a elaboração de materiais didáticos táteis. 2018. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2018.

MARTINS, J. M. O Código Braille no Ensino/Aprendizagem da Química: o caso de uma aluna cega. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras: Linguagem e Identidade) – Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2013.

MASSON, R.; CHIARI, P. H.; CARDOSO, T. P. e MASCARENHAS, Y. P. Tabela Periódica inclusiva. Journal of Research in Special Education Needs, v. 16, n. 1, p. 999-1003, 2016.

MAZOTTA, M. J. S. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. 5ª ed. – São Paulo: Cortez, 2005.

MELO, E. S. Ensino de química para deficientes visuais: a importância da experimentação e dos programas computacionais para um ensino mais inclusivo. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) - Universidade Federal de são Carlos, São Carlos, 2013.

MOREIRA, M. A. Modelos mentais. Investigações em Ensino de Ciências. Porto Alegre, v. 1, n. 3, p. 193-232, 1996.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H. e ROMANELLI. L. I. A proposta curricular de química do estado de minas gerais: fundamentos e pressupostos. Química Nova na Escola, n. 23(3), p. 273-283, 2000.

NUNES, B. C.; DUARTE, C. B.; PADIM, D. F.; MELO, I. C.; ALMEIDA, J. L. e TEIXEIRA Jr, J. G. Proposta de atividades experimental elaborados por futures professores de química para alunos com deficiência visual. In: XV EncontroNacional de Ensino de Química. Brasília, DF, 2010.

OMS. Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionado à Saúde. São Paulo – 10ª Revisão. São Paulo: Edusp, 1993.

ORMELEZI, E. M. Os caminhos da aquisição do conhecimento e a cegueira: do universo do corpo ao universo simbólico. 2000. Dissertação (Mestrado em Psicologia e Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

PAULO, P. R. N. F. Produção de videoaulas como materiais didáticos inclusivos para professores de química do ensino médio. 2017. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências da Natureza) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017.

PAULO, P. R. N. F.; BORGES, M. N. e DELOU, C. M. C. Produção de materiais didáticos acessíveis para o ensino de química orgânica inclusivo. Areté/Manaus, v. 11, n. 23, p.1-10, jan/jun 2018.

PIRES, R. F. M. Proposta de Guia para Apoiar a Prática Pedagógica de Professores de Química em Sala de Aula Inclusiva com Alunos que apresentam Deficiência Visual. 2010. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências) - Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

PIRES, R. F. M,; RAPOSO, P. N. e MÓL, G. S. Adaptação de um livro didático de química para alunos com deficiência visual, 2007. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/CR2/p657.pdf. Acessado em: 28 maio de 2019.

RAPOSO, P. N. e MÓL, G. S. A diversidade para aprender conceitos científicos: a ressignificação do ensino de Ciência a partir do trabalho pedagógico com alunos cegos. In: SANTOS, W. L. P.; MALDANER, O. A. (Org.). Ensino de Química em Foco. 1 ed. Ijuí: Unijuí, p. 123-134, 2010.

RAZUCK, R. C. e GUIMARÃES, L. B. O desafio de ensinar modelos atômicos a alunos cegos e o processo de formação de professores. Revista Educação Especial, v. 28, n. 52, p. 473-486, mai/ago de 2014.

RAZUCK, R. C. e OLIVEIRA NETO, W. O. A química orgânica acessibilizada por meio de kits de modelos moleculares adaptados. Revista Educação Especial, v. 27, n. 28, p. 141-154, jan/fev de 2015.

RESENDE FILHO, J. B. M. R.; ANDRADE, L. R.; SOUZA, K. V.; LIMEIRA, K. A. C e BATISTA, P. K. Elaboração de Tabelas Periódicas para facilitação da aprendizagem de química de alunos portadores de deficiência visual. Experiências em Ensino de Ciências, v. 4(3), p. 79-89, 2009.

SANTOS, G. A. Página WEB com conteúdo de química acessível a estudantes com deficiência visual.2012. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências) – Universidade de Brasília, Brasília – DF, 2012.

SANTOS, W. L. P. A pesquisa em ensino de química como área estratégica para o desenvolvimento da química. Química Nova, vol.36, nº 10, p.1570-1576, 2013.

SASSAKI, R. K. Terminologia sobre a deficiência na era da inclusão, 2005. Disponível em:https://acessibilidade.ufg.br/up/211/o/TERMINOLOGIA_SOBRE_DEFICIENCIA_NA_ERA_DA.pdf?1473203540. Acesso em: 08 de jul. de 2019.

SALCO, K.; PINHEIRO, B. S. PIETRO, G. M. e KIILL, K. B. O modelo molecular adaptado e o desenvolvimento da noção da tridimensionalidade. In: XVI Encontro Nacional de Ensino de Química. Salvado, BA, 2012.

SCHWAHN, M. C. A. Aprendizado de geometria molecular e representação atomística com uso de modelos moleculares: análise das imagens mentais de estudantes com cegueira congênita. 2015. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Lutera do Brasil, Canoas, 2015.

SCHWAHN, M. C. A. e NETO, A. S. A. Ensinando química para alunos com deficiência visual: uma revisão de literatura. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Campinas, SP, 2009.

SILVA, L. O. Proposta de um jogo didático para ensino de estequiometria que favorece a inclusão de alunos com deficiência visual. 2014.Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências) - Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

VOOS, I. C. e GONÇALVES, F. P. Tecnologia assistiva e ensino de química: reflexões sobre o processo educativo de cegos e a formação docente. Química Nova na Escola, v. 38, n. 4, p. 297-305, nov. 2016.

XAVIER, B. R.; VOELZKE, M. R. e FERREIRA, O. R. Vozes que saem das mãos: o ensino de astronomia para surdos. Revista de Ensino de Ciências, v. 10, n. 3, p. 257-274, 2019.

Publicado
2020-10-18
Como Citar
NASCIMENTO, T.; MACHADO, S. M.; COSTA, E. Ensino de Química e a deficiência visual: análise dos inventários descritivos sobre materiais didáticos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 350-371, 18 out. 2020.
Seção
Artigos Gerais