Sequências de ensino investigativas: um desafio na formação inicial de professores de Ciências

Palavras-chave: Formação Docente, Sequências Didáticas, Ensino por Investigação

Resumo

As Sequências de Ensino Investigativas (SEIs) são um conjunto de atividades-chave que compreendem um determinado item do cronograma escolar e tem por objetivo contribuir para a formação científica de estudantes. Na aplicação de um minicurso que discorria sobre esse tema, foi requerido dos participantes (licenciandos em Ciências da Natureza) que elaborassem SEIs de acordo com os aspectos apresentados. Desta forma, esta pesquisa teve como objetivo auxiliar futuros docentes na elaboração de aulas nos moldes do Ensino por Investigação, além de contribuir para reflexão sobre suas respectivas práticas pedagógicas. As SEIs formuladas pelos participantes foram analisadas com base no referencial teórico adotado. Observou-se que os participantes do minicurso (total de 24) demonstraram certa dificuldade para elaborar uma sequência didática condizente com a SEI, principalmente no que diz respeito à adoção das características e etapas contidas no problema (primeira atividade-chave). Portanto, considera-se que a ação foi válida para iniciar uma discussão acerca das características e peculiaridades do ensino investigativo que o diferenciam do modelo tradicional, apresentando a SEI como metodologia de ensino. No entanto, a capacitação para utilização da SEI, nas futuras aulas dos licenciandos, demandaria maior período, com discussões e reelaboração das etapas nas quais encontrou-se equívocos ou inadequação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lília do Espírito Santo Azevedo, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF
Possui graduação em Abi - Ciências da Natureza com ênfase em Licenciatura em Química (2018) e curso técnico em Química (2016), ambos pelo Instituto Federal Fluminense campus Campos Centro. Atualmente é mestranda em Ciências Naturais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense com linha de pesquisa em Ensino de Ciências. 
Valeria de Souza Marcelino, Instituto Federal Fluminense campus Campos Centro
Possui doutorado em Ciências Naturais com ênfase em Ensino de Ciências (2012) e mestrado em Cognição e Linguagem (2006) pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Graduação em Farmácia e especialização em Indústria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1989/1991). Atualmente é professora titular do Mestrado Profissional em Ensino e suas Tecnologias (MPET). Atuou como professora na Licenciatura em Química e no curso Técnico em Química do IFF. Atuou como Coordenadora de Metodologias de Ensino do Centro de Referência em Tecnologia, Informação e Comunicação na Educação do Instituto Federal Fluminense (IFF). Pesquisadora dos grupos de pesquisa Núcleo de Estudos Avançados em Educação (NESAE) do IFF e Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) no Ensino de Física do IFRJ, atuando principalmente nas áreas de formação de professores e metodologias de ensino.

Referências

ALMEIDA, A. G. F. As ideias balizadoras necessárias para o professor planejar e avaliar a aplicação de uma sequência de ensino investigativa. 2014. Dissertação (Mestrado) –Faculdade de Educação, Instituto de Biociências, USP, São Paulo, 2014.

CACHAPUZ, A.; GIL-PEREZ, D.; CARVALHO, A. M. P.; PRAIA, J.; VILCHES, A. A necessária renovação do Ensino das Ciências. São Paulo: Cortez Editora, 2005.

CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Cortez, 2007.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GUIMARÃES, G. M. A.; Echeverría, A. R. e Moraes I. J. Modelos didáticos no discurso de professores de ciências. Investigações em Ensino de Ciências, v. 11, n. 3, p. 303-322, 2006.

HYGINO, C. B., MARCELINO, V. S., LINHARES, M. P. Formação inicial de professores de Física: planejamento de aulas inovadoras. Revista de Ensino de Ciências e Matemática. , v. 6, n. 2, p. 1-19, 2015. Disponível em: < http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/911/736>. Acesso em: 18 jun. 2019, 15h40min.

IMBERNÓN, F. Qualidade do ensino e formação do professorado: uma mudança necessária. São Paulo: Cortez, 2016.

INEP. O que é o PISA, 2007. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/o-que-e-o-pisa/21206>. Acesso em: 18 jun. 2019, 16h10 min.

INEP. Pisa no Brasil, 2015. Disponível em: <http://inep.gov.br/pisa-no-brasil>. Acesso em: 05 jul. 2019, 21h15min.

LEMKE, J.L. Investigar para el Futuro de la Educación Científica: Nuevas Formas de Aprender, Nuevas Formas de Vivir. Enseñanza de las Ciencias, v.24, n.1, 5-12, 2006.

NASCIMENTO, R. P., SANTIAGO, R. A. Produção do conhecimento científico e formação de professores: uma análise do processo e suas perspectivas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática. v. 3, n.3, p. 369-376, 2012. Disponível em: < http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/414/347>. Acesso em: 18 jun. 2019, 15h45min.

RAMÍREZ, E. S; PORLÁN, R; RIVERO, A. Las concepciones de los profesores de ciencias de secundaria en formación inicialsobre metodología de enseñanza. Revista Española de Pedagogía, n. 253, p. 495-514, 2012.

SANTANA, R. S., FRANZOLIN, F. O Ensino de Ciências por Investigação e os desafios da implementação na práxis dos professores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática. v. 9, n.3, p. 218-237, 2018. Disponível em: <http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1427/1010>. Acesso em: 18 jun. 2019, 15h30min.

SASSERON, L. H., CARVALHO, A. M. P. Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências (UFRGS). v.13, p.333 - 352, 2008.

SASSERON, L. H.; MACHADO V. F. Alfabetização Científica na prática: Inovando a forma de ensinar Física. São Paulo: Livraria de Física, 2017.

SILVA, A. M. Proposta para tornar o Ensino de Química mais atraente. 2011. Disponível em: <http://www.abq.org.br/rqi/2011/731/RQI-731-pagina7- Proposta-para-tornar-o-Ensino-de-Química-mais-Atraente.pdf>. Acesso em 27 jun. 2017.

SILVA, T. P., JÚNIOR, C. N. S. As Unidades de Ensino Potencialmente Significativas e o seu papel na formação inicial de Professores de Química. Atas do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindóia, SP, 2015. Disponível em: <http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R0394-1.PDF>. Acesso em 19 fev. 2018, 17h02min.

WAISELFISZ, J. J. O Ensino das Ciências no Brasil e o PISA. São Paulo: Sangari do Brasil, 2009.

Publicado
2020-11-20
Como Citar
AZEVEDO, L.; MARCELINO, V.; MACHADO, C. Sequências de ensino investigativas: um desafio na formação inicial de professores de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 7, p. 360-378, 20 nov. 2020.