Percepções de licenciandos em Ciências Biológicas quanto ao ensino de embriologia na Educação Básica: dificuldades e estratégias de transposição didática

Palavras-chave: Ensino, Embriologia, Educação Básica, Transposição didática

Resumo

Esta pesquisa apresenta percepções de licenciandos em Ciências Biológicas sobre as dificuldades e estratégias de transposição didática para ensinar embriologia na Educação Básica. Realizamos entrevistas semiestruturadas com quinze estudantes desse curso em uma universidade estadual do sul da Bahia e os dados foram analisados com base na metodologia de Análise Textual Discursiva (MORAES; GALIAZZI, 2006). Nossa pesquisa mostrou que os licenciandos apontaram em maior frequência a contextualização, os recursos visuais, jogos e modelos didáticos como as estratégias que consideram importantes para o ensino de embriologia. Sobre os obstáculos, assinalaram, sobretudo, a complexidade, a dificuldade de visualização das estruturas e o alto nível de abstração dos conteúdos, além da falta de recursos adequados para as aulas. Observamos que, apesar de os licenciandos compreenderem que a embriologia enfrenta grandes dificuldades para ser trabalhada na escola, eles também apresentam ideias consistentes sobre a transposição dos conhecimentos nessa área. Assim, acreditamos que esses dados são importantes, pois podem contribuir para melhorias no ensino do componente curricular Embriologia nos cursos de graduação, especialmente na licenciatura, visto que poderiam contemplar melhor as necessidades e especificidades dos futuros professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Cardoso Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz
Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2018) com Mestrado em Ciência Animal (2020) pela mesma instituição. Atualmente é aluno de Doutorado acadêmico no Programa de Pós-graduação em Ciência Animal e faz parte do Núcleo de Pesquisas em Reprodução & Endocrinologia (NuRE) da UESC.
Krisnayne Santos Ribeiro, Universidade Estadual de Santa Cruz
Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC (2018) e mestranda em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM) pela mesma universidade. Possui interesse por temáticas associadas à Educação em Ciências, Didática das Ciências, Educação CTS, Sequências Didáticas no ensino de ciências, Formação de Professores e Ensino de Histologia/Embriologia. 
Christiana Andrea Vianna Prudêncio, Universidade Estadual de Santa Cruz
Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos (2000). Graduada em Pedagogia Plena pela Universidade Camilo Castelo Branco de Descalvado (2005). Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos, na área de Metodologia de Ensino, na linha Ensino de Ciências e Matemática (2009). Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Possui experiência na área de Educação atuando principalmente com os seguintes temas: formação de professores, Educação CTS, relações étnico-raciais e ensino de ciências. Atualmente trabalha como professora adjunta da área de ensino do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade de Santa Cruz em Ilhéus/BA.

Referências

ALMEIDA, G. P. Transposição didática: por onde começar? 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALVES, M. S. et al. Cephalochordata do Estuário do Rio Paripe, Itamaracá, Pernambuco. Tropical Oceanography, v. 29, n. 2, p. 129–138, 2001.

ASSUNÇÃO, M. P. B. DE; MIGLINO, M. A. Métodos Alternativos no Processo de Ensino-Aprendizagem em Embriologia Comparativa: Desafios e Perspectivas Alternative Methods in the Teaching-Learning Process in Comparative Embryology: Challenges and Prospects. Revista de Graduação USP, v. 4, n. 1, p. 147–154, jul. 2020.

BERNARDO, J. M. P.; TAVARES, R. DE O. Desenvolvimento de modelos didáticos auxiliares no processo de ensino-aprendizagem em Embriologia Humana. Educação em Debate, v. 39, n. 74, p. 87–105, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio), Brasília, 2000. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf>. Acesso em: 11 nov. 2018.

BRASIL. Resolução CONCEA no 38, de 19 de Abril de 2018. Ministério da Ciência, Tecnologias, Inovações e Comunicações. Disponível em: <https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/legislacao/outros_atos/resolucoes/Resolucao_Normativa_CONCEA_n_38_de_17042018.html>. Acesso em: 11 nov. 2018

CARTONI, D. M. Ciência e conhecimento científico. Anuário da Produção Acadêmica Docente, v. 3, n. 5, p. 9–34, 2009.

CASAS, L. L.; AZEVEDO, R. O. M. Contribuições do Jogo Didático no Ensino de Embriologia. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v. 4, n. 6, p. 80–91, 2011.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005.

COLOGNESE, S. A.; MELO, J. L. B. DE. A técnica da entrevista na pesquisa social. Cadernos de Sociologia, v. 9, p. 143–159, 1998.

COSTA, R. C.; MIRANDA, J. C.; GONZAGA, G. R. Avaliação e validação do jogo didático “Desafio Ciências – Sistemas do Corpo Humano” como ferramenta para o ensino de Ciências. REnCiMa, v. 9, n. 5, p. 56–75, 2018.

DAMASIO, F.; PEDUZZI, L. O. Q. Para que ensinar ciência no século xxi? - reflexões a partir da filosofia de Feyerabend e do ensino subversivo para uma aprendizagem significativa crítica. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), v. 20, n. 0, maio 2018.

DOMINGUINI, L. A Transposição Didática como intermediadora entre o Conhecimento Científico e o Conhecimento Escolar. Revista Eletrônica de Ciências da Educação, v. 7, n. 2, p. 1–16, 2008.

ECO, U. Como se faz uma tese. Tradução de Gilson Cezar Cardoso de Souza. 21. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

FERREIRA, A. S. S. B. S. Elaboração e avaliação de um ambiente virtual para o ensino/ aprendizagem de Embriologia. Tese (Doutorado em Biologia Geral e Aplicada) - Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2011.

FREITAS, L. A. M. DE et al. Construção de modelos embriológicos com material reciclável para uso didático. Biosci. J., v. 24, n. 1, p. 91–97, 2008.

GOMES, D. DE O. et al. Uso de TICs como recursos facilitadores no ensino de Embriologia. In: Simpósio em Ensino tecnológico no Amazonas, 2016. Anais... Manaus: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, p. 12–18, 2017.

HERMEL, E. DO E. S.; MIRANDA, S. N.; RICHTER, E. A Embriologia nos Livros Didáticos de Biologia do Ensino Médio. Revista da SBEnBio, v. 9, p. 2416–2427, 2016.

JOTTA, L. DE A. C. V. Embriologia animal: uma análise dos livros didáticos de Biologia do Ensino Médio. 2005. Dissertação de Mestrado - Universidade de Brasília, 2005.

LOPES, A. R. C. Conhecimento Escolar: Ciência e Cotidiano. Rio de Janeiro: edUERJ, 1999.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MADUREIRA, Â. M. S. Uma proposta de metodologia do ensino de Embriologia Básica. 2012. Dissertação de Mestrado - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

MARTINS, H. H. T. S. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 289-300, 2004.

MEIRA, M. DOS S. et al. Intervenção com modelos didáticos no processo de ensino-aprendizagem do desenvolvimento embrionário humano: uma contribuição para a formação de licenciados em Ciências Biológicas. Ciência e Natura, v. 37, n. 2, p. 301–311, 2015.

MELLO, J. M. DE. Análise das condições Didático Pedagógica do ensino de Embriologia Humana no Ensino fundamental e Médio. Arquivos do MUDI, v. 13, n. 1/2/3, p. 34–45, 2009.

MENEZES, A. P. DE A. B. Contrato didático e transposição didática: inter-relações entre fenômenos didáticos na iniciação à álgebra na 6a série do ensino fundamental. 2006. Tese de Doutorado em Educação - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

MENEZES, L. C. DE. Ensinar ciências no próximo século. In: O Desafio de Ensinar Ciências no Século XXI. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Estação Ciência; Brasília: CNPq, 2000. p. 48–54.

MONTANARI, T. Dispositivos móveis e modelagem no ensino de Embriologia. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 15, n. 2, p. 1–10, 2017.

MOORE, K. L.; PERSAUD, T. V. N. Embriologia Básica. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191–211, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. DO C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117–128, 2006.

OLIVEIRA, A. A. DE. Construção de modelos didáticos para o ensino do desenvolvimento embrionário humano. Arquivos do MUDI, v. 19, n. 1, p. 1–10, 2015.

OLIVEIRA, M. S. DE et al. Uso de Material Didático sobre Embriologia do Sistema Nervoso: Avaliação dos Estudantes Use of Teaching Material About Nervous System Embryology: a Students’ Evaluation. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 36, n. 1, p. 83–92, 2012.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. Como os alunos aprendem ciências. In: A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, p. 14–28, 2009.

RESENDE, M. R. Saber científico – conhecimento específico – saber escolar e a formação de professores. Série-Estudos, v. 24, p. 35–53, 2007.

RIBEIRO, L. C. V. Testando novas metodologias de aprendizagem para o ensino de Embriologia Humana : Relato de experiência e percepção dos discentes. Revista Docência Ensino Superior, v. 8, n. 1, p. 151–165, 2018.

SACHETIM, R. L. M. Embriologia: manual de aulas práticas. Londrina: Eduel, 2006.

SADLER, T. W. L. Embriologia médica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

SANTOS, D. M.; NAGASHIMA, L. A. Saber Popular e o Conhecimento Científico: relato de experiência envolvendo a fabricação de sabão caseiro. REnCiMa, v. 8, n. 2, p. 127–142, 2017.

SANTOS, M. C. F. DOS. Conhecimentos e disciplinas escolares: reflexões sobre a construção social do currículo na educação básica. Dialogia, n. 20, p. 75–84, 2014.

SANTOS, L. C.; DE OLIVEIRA, C. L. C. O jogo digital Quiz dos tecidos, as contribuições da monitoria para o ensino de Histologia e para a formação acadêmica do monitor. Horizontes, v. 38, n. 1, p. 1–18, 30 mar. 2020.

SHULMAN, L. S. Those Who Understand: Knowledge Growth in Teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4–14, 1986.

SILVA, J. I. DA; MOREIRA, E. M. DA S. Saber Cotidiano e Saber Escolar: uma análise epistemológica e didática. Revista de Educação Pública, v. 19, n. 39, p. 13–28, 2010.

SILVA, N. G. DA; OLIVEIRA, A. A. DE; PIROVANI, J. C. M. A perspectiva dos alunos com deficiência visual sobre o ensino de embriologia na Educação Básica. Enciclopédia Biosfera, v. 15, n. 27, p. 530–543, 2018.

SOUZA, P. F. DE; FARIA, J. C. N. DE M. A construção e avaliação de modelos didáticos para o ensino de Ciências morfológicas - uma proposta inclusiva e interativa. Enciclopédia Biosfera, v. 7, n. 13, p. 1550–1561, 2011.

SOUZA, L. DE F. DE O. et al. A importância de ensinar Embriologia Humana no Ensino Médio: uma análise de livros didáticos de Biologia recomendados pelo PNLD 2018. Revista Eletrônica Pesquiseduca, v. 12, n. 26, p. 208–225, 2020.

TOLEDO, M. B.; MELLO, N. N. DE. Jogo didático “O caminho do desenvolvimento”: uma abordagem lúdica para o ensino de Biologia. 2014. Curitiba: Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso de Ciências Biológicas), 2014.

VLNIESKA, V. Aplicando diferentes recursos didáticos: uma avaliação de aprendizagem em embriologia. 2013. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso de Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

Publicado
2020-11-20
Como Citar
SANTOS, L.; RIBEIRO, K.; PRUDÊNCIO, C. A. Percepções de licenciandos em Ciências Biológicas quanto ao ensino de embriologia na Educação Básica: dificuldades e estratégias de transposição didática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 7, p. 276-297, 20 nov. 2020.