Mapeamento de objetos de aprendizagem para o ensino de números complexos na engenharia elétrica

Palavras-chave: Números complexos, mapeamento, Engenharia Elétrica, objeto de aprendizagem

Resumo

Este artigo apresenta um mapeamento teórico de pesquisas brasileiras sobre objetos de aprendizagem para o ensino de Números Complexos no Ensino Superior, buscando estudos aplicados na área da Engenharia Elétrica. O objetivo é identificar o estado do conhecimento de pesquisas sobre objetos de aprendizagem para o ensino de Números Complexos no Ensino Superior, conhecendo os recursos disponíveis, verificando as diferentes concepções, teorias educacionais e metodologias de pesquisa. A partir de consultas ao Banco de Teses disponibilizado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior foi realizado o mapeamento, encontrando-se 185 dissertações/teses sobre números complexos. Em virtude da quantidade de dissertações/teses, delimitou-se a busca para as que envolviam Tecnologias ou Engenharia ou Ensino Superior, tendo uma pré-seleção de 24 pesquisas. Em continuidade, foram selecionadas treze pesquisas, a partir da leitura dos resumos, em especial as que abordaram o ensino e/ou a aplicação dos números complexos, por meio de recursos digitais, na área da Elétrica. Na análise constatou-se a existência de poucos objetos de aprendizagem para o ensino de Números Complexos, sendo que a maioria é destinado ao Ensino Médio, mas que apresentam indicativos que qualificam o processo de aprendizagem. Além disso, as teorias de aprendizagem têm sido pouco utilizadas como fundamentação nas pesquisas. Portanto, conclui-se que o processo de ensino de Números Complexos não está sendo investigado no Ensino Superior e da inexistência de um objeto de aprendizagem que propicie a compreensão dos conceitos e operações com números complexos para os acadêmicos de Engenharia Elétrica pode ser considerada inédita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimento: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Paralelo, 2003.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Ed. rev. e ampl. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARIN, C. S.; BASTOS, G. D.; MARSHALL, D. A elaboração de material didático em ambientes virtuais de ensino-aprendizagem: o desafio da transposição didática. Renote, Porto Alegre, v. 11, n. 1, 2013.

BIEMBENGUT, M. S. Mapeamento na Pesquisa Educacional. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008.

BONWELL, C. C.; EISON, J. A. Active learning: Creating excitament in the classroom. Washington, D.C: The George Washington University, School of Education and Human Development. 1991.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Educação é base.

BÚRIGO, E. Z. et al. A matemática na escola: novos conteúdos, novas abordagens. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2012.

FERLIN, E. P.; TOZZI, M. Integração Universidade – Ensino Médio. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 35., 2007, Curitiba. Anais... Curitiba, 2007.

LIMA, J. V. de et al (Org.). Objetos de aprendizagem multimodais: projetos e aplicações. Barcelona: Editorial UOC, 2014.

MASSETO, M. T. Mediação Pedagógica e Tecnologias de Informação e Comunicação. In: MORAN, J. M.; MASSETO, M. T.; BEHRENS, M. A. (Org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21º Campinas: Papirus, 2013.

MIRAS, M. Um ponto de partida para a aprendizagem de novos conteúdos: os conhecimentos prévios. In: COLL, C. et al. O construtivismo na sala de aula. 6. ed. São Paulo: Ática, 1999.

MORALES, A.; PUHL, C. S.; LIMA, I. G. de. Números complexos e corrente alternada: um contexto interdisciplinar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 41., 2013, Gramado. Anais... Gramado: UFRGS, 2013.

MOREIRA, M. A. O que é afinal aprendizagem significativa. In: MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria de Física, 2011.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. A. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2006.

MORENO, A. C. Brasil cai em ranking mundial de educação em ciências, leitura e matemática. G1. Dez. 2016.

PUHL, C. S.; LIMA, I. G. de. From Vectores to the Complex Numbers. In: Active Learning in Engineering Education Workshop, 12., 2014, Caxias do Sul. Attracting young people to engineering. Brasília: ABENGE, 2014.

TAROUCO, L. M. R. et al. Multimídia Interativa: Princípios e Ferramentas. Renote, Porto Alegre, v. 7, n. 1, 2009.

RODRIGUES, L. A.; NEVES, R. S. P. O Cálculo Diferencial e Integral na Universidade de Brasília: estratégia metodológica em estudo. REnCiMa, v. 10, n. 2, 2019.

SALDANÃ, P. Desempenho do ensino médio em matemática é o pior desde 2005. Folha de São Paulo. Set. 2016.

SOARES, E. M. S.; LIMA, I. G.; SAUER, L. Z. Melhoria das condições de aprendizagem matemática: integração universidade/ensino médio. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 35., 2007, Curitiba. Anais... Curitiba, 2007.

VELOSO, T. C. M. A.; ALMEIDA, E. P. de. Evasão nos cursos de graduação da Universidade Federal de Mato Grosso, campus universitário de Cuiabá – um processo de exclusão. Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, nov. 2013.

WEINBERG, M.; BORSATO, C. A chave para a faculdade: O novo Enem, exame que vai substituir o velho vestibular, exige mais raciocínio do que memória. Revista Veja. Editora Abril: São Paulo, 23 set. 2009.

WILEY, D. The instructional use of learning objects. 2000.

Publicado
2020-07-22
Como Citar
PUHL, C. S.; MÜLLER, T. J.; LARA, I. C. M. DE. Mapeamento de objetos de aprendizagem para o ensino de números complexos na engenharia elétrica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 4, p. 191-211, 22 jul. 2020.
Seção
Artigos Gerais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##