Princípios orientadores da formação e profissionalização docente durante a iniciação à docência no estado do Paraná

Palavras-chave: Formação de professores, Pibid, Ensino de Biologia

Resumo

Este artigo objetiva apresentar parte dos resultados obtidos em pesquisa desenvolvida durante o doutorado, em que foram identificadas, dentre outros aspectos, as bases conceituais que estruturaram alguns subprojetos do Pibid (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) no que se refere aos princípios orientadores da formação e profissionalização docente. A pesquisa é de natureza qualitativa e teve como aporte teórico autores como Shulman (1986); Tardif (2002); Gauthier et al. (1998). A coleta de dados ocorreu a partir do recolhimento de documentos relacionados ao Pibid junto aos coordenadores de subprojetos das IES participantes, e o método de análise adotado foi a análise de conteúdo. Os resultados indicaram que o conjunto das categorias propostas para identificar as bases conceituais presentes nos subprojetos acerca dos princípios orientadores da formação e profissionalização docente, foi satisfatório, pois permitiu sistematizar e determinar os principais aspectos que orientam determinado modelo de formação inicial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Frigo Ferraz, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Professora doutora do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, do curso de Licenciatura em C. Biológicas da Unioeste. Possui doutorado em Ensino de Ciências e Tecnologia pela UTFPR e mestrado em Educação pela UFSM. Tem experiência na área de Educação em ciências atuando principalmente nas seguintes linhas de pesquisa: Educação em Ciências, Ensino de Biologia, Formação de Professores. É membro da ABRAPEC (Associação Nacional de Pesquisadores em Educação em Ciências) e membro do GECIBIO (Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências e Biologia) junto ao CNPq.
Rodrigo Ruschel Nunes, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Possui graduação em Quimica Licenciatura Plena pela Universidade Federal de Santa Maria (2004). Especialização em Educação Científica Tecnológica pela UNIOESTE-PR (2006). Atualmente esta Mestre em Ensino de Ciências pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2010). Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química, Educação em Química, atuando principalmente nos seguintes temas: didática, ensino e aprendizagem de química, formação de professores, desenvolvimento de materiais didáticos no ensino de química, analogias no ensino de química, Estágios nas Licenciaturas. Atualmente é servidor público, concursado, na Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR desempenhando as funções de Coordenador de Estágio do curso de Licenciatura em Química bem como de Professor (DE).
Márcia Regina Carletto, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Possui graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura e Bacharelado) pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, mestrado em Tecnologia com ênfase em Educação pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná e doutorado em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora Titular Aposentada da Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Ponta Grossa. Foi professora permanente do Curso de Doutorado e Mestrado Profissional em Ensino de Ciência e Tecnologia (PPGECT) da UTFPR Câmpus Ponta Grossa. É membro do Comitê de Ética em Pesquisa -CEP da Instituição de Ensino Superior Santana. Professora convidada do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde - PPGCS da Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG e Bolsista Sênior junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas - UEPG. Áreas de atuação: Educação em Saúde; Ciência, Tecnologia e Sociedade - CTS; Educação, Gestão e Saúde Ambiental; Formação de Professores; Educação Científica e Tecnológica;.
Antonio Carlos de Francisco, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Mestre em Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (1999) e doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003). Atualmente é Professor Titular do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e professor do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - PPGEP (Mestrado e Doutorado), tendo sido seu coordenador no período de abril de 2015 a março de 2019. É professor do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT (Doutorado) da UTFPR, Campus Ponta Grossa. Editor da Revista Gestão Industrial. Avaliador do INEP. Atua na área de Engenharia de Produção, principalmente nos seguintes temas: sustentabilidade, gestão do conhecimento e da inovação, qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho; na área do Ensino de Ciência e Tecnologia na produção de metodologias e equipamentos para a melhoria da qualidade de ensino e ensino de engenharia.

Referências

AYRES, A.C.B.M. Tensão entre matrizes: um estudo a partir do curso de Ciências Biológicas da Faculdade de Formação de Professores/ UERJ. 2005. 341 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro (Trad.). São Paulo: Edições 70, 2011.

BOGDAN, R.C.; BIKLEN, S.K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994. (Coleção Ciências da Educação).

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 09/2001. Brasília: Ministério da Educação, 2001a.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 28/2001. Brasília: Ministério da Educação, 2001b.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 1/2002. Brasília: Ministério da Educação, 2002a.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 2/2002. Brasília: Ministério da Educação, 2002b.

_____. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada. Brasília: Ministério da Educação, 2015.

______. Ministério da Educação. Edital MEC/CAPES/FNDE. Seleção pública de propostas de projetos de iniciação à docência voltados ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). 12 dez. 2007a.

______. Ministério da Educação. Escassez de professores no ensino médio: propostas estruturais e emergenciais. Relatório produzido pela Comissão Especial instituída para estudar medidas que visem superar o déficit docente no ensino médio (CNE/CEB). Brasília: MEC, 2007b.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB Lei nº 9394/96.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría crítica de la enseñanza. La investigación-acción en la formación del profesorado. Trad. J. A. Bravo. Barcelona: Martínez Roca, 1988.

DOURADO, L. F. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. In: Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 131, p. 299-324, 2015.

DUTRA, E. F. Possibilidades para a articulação entre teoria e prática em Cursos de Licenciatura. 2010. 354 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

DUTRA, E. F.; TERRAZZAN, E. A. Reflexos das normativas legais sobre formação de professores da educação básica em configurações curriculares de cursos de licenciatura em Química e formação da identidade profissional docente. In: Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 169-180, 2012.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Trad. Joice Elias Costa. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Educação e mudança. 4.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. (Coleção Educação e mudança, v. 1).

____. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. (O mundo, hoje, v. 21).

GAUTHIER, C.; MARTINEAU, S.; DESBIENS, J.F.; MALO, A.; SIMARD, D. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Tradução de Francisco Pereira. Ijuí: Ed. Unijuí, 1998.

LIMA, J. O. G. de; LEITE, L. R. Historicidade dos cursos de licenciatura no Brasil e sua repercussão na formação do professor de química. In: Revista de Ensino de Ciências e Matemática. v.9, n. 3, p. 143-162, 2018.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Coord.) Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote,1992.

PEDROSO, C. V.; SELLES, S. L. E. A trajetória histórica e curricular dos cursos de Ciências Biológicas no Brasil (1931-1942). In: Revista da SBEnBio, v. 9, n.9, p. 6901-6911, 2016. Disponível em: <http://www.sbenbio.org.br/wordpress/wp-content/uploads/renbio-9/pdfs/2600.pdf> Acesso em: 12 de jun. 2017.

PIMENTA, S. G. A didática como mediação na construção da identidade do professor, uma experiência de ensino e pesquisa na licenciatura. In: ANDRÉ, M. E. D.; OLIVEIRA, A. M. R. N. S. (Orgs.). Alternativas do ensino de didática. Campinas. São Paulo: Papirus, 1997.

_____. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs). Professor Reflexivo no Brasil – Gênese e Crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

QUADROS, V. C. de; KOCHHANN, M. E. R. Contribuições do estágio curricular supervisionado da licenciatura em matemática no processo de construção dos saberes docentes dos estagiários. In: Revista de Ensino de Ciências e Matemática. v.9, n. 3, p. 106-122, 2018.

RAMALHO, B. L.; NUÑEZ, I. B.; GAUTHIER, C. Formar o professor, profissionalizar o ensino: perspectivas e desafios. 2.ed. Porto Alegre: Sulinas, 2004.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. In: Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

WORTMANN, M. L. C. Programações curriculares em cursos de Ciências Biológicas: um estudo sobre as tendências epistemológicas dominantes. 1994. 361 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1994.

ZEICHNER, K. Novos caminhos para o practicum: uma perspectiva para os anos 90. In: NÓVOA, A. (Coord.) Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

Publicado
2020-11-20
Como Citar
FERRAZ, D.; NUNES, R.; CARLETTO, M.; FRANCISCO, A. Princípios orientadores da formação e profissionalização docente durante a iniciação à docência no estado do Paraná. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 7, p. 298-318, 20 nov. 2020.