O o papel do tradutor/intérprete de língua de sinais como mediador em aulas de física no ensino médio

Palavras-chave: Ensino de Física, Intérprete de Libras

Resumo

As instituições de ensino vêm promovendo debates e reflexões sobre a educação inclusiva, cuja legislação nacional é recente e provoca mudanças no sistema educacional quanto às atitudes sociais estabelecidas ao longo dos anos. Dentre essas mudanças estão as vinculadas às práticas pedagógicas, que demandam metodologias específicas e pertinentes a essa realidade. Além disso, torna-se necessário promover espaços para divulgação dessas metodologias junto aos professores, tanto em cursos de formação inicial como continuada. A situação apresentada circunscreve a investigação descrita neste artigo, cujo objetivo consiste em analisar aspectos do discurso do intérprete de Libras em aulas de Física, o que, muitas vezes, tem se tornado um desafio, considerando as especificidades e a complexidade da área. Para tanto, analisam-se as transcrições de áudio da fala de uma professora de Física em confronto com o discurso elaborado na língua de sinais pela intérprete. Tal análise permite identificar a pertinência na tradução dos exemplos utilizados pela professora de Física, entretanto, revela problemas em termos da discussão dos conceitos físicos envolvidos. Como resultado, o estudo aponta que o profissional em Libras que atua nessa mediação necessita estabelecer melhores aproximações com os professores das disciplinas específicas e que o estudo prévio possibilita alternativas de uma atuação mais eficaz.

Biografia do Autor

Luiz Marcelo Darroz, Universidade de Passo Fundo
.

Referências

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BOTAN, E.; CARDOSO, F. C. A Física, a Língua Brasileira de Sinais e a divulgação científica: a imobilidade cinemática no ensino de Física. In: Seminário de Educação, 16, 2008, Cuiabá. Anais... Cuiabá: UFMT, 2008.

BRANDÃO, F. Dicionário ilustrado de Libras. São Paulo: Global, 2011.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.436/2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, 25 abr. 2012.

Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília: MEC; SEESP, 2004. (Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos).

BRITO, L. F. et al. Língua Brasileira de Sinais: Vol. 3, n. 4. Brasília: SEESP, 1997.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D.; MAURICIO, A. C. Novo Deit-Libras: dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua brasileira de sinais (Libras), baseado em linguística e neurociências cognitivas - volume 1. São Paulo: EDUSP, 2009.

FELIPE, T. Por uma tipologia dos verbos na LSCB. In: Encontro Nacional da ANPOLL, 7, 1993, Goiânia, Anais... Goiânia: ANPOLL, 1993. p. 726-743.

FERES, G. G. A pós-graduação em Ensino de Ciências no Brasil: uma leitura a partir da teoria de Bourdieu. 2010. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista, Educação para a Ciência, Bauru, 2010.

FERREIRA-BRITO, L. Por uma gramática das línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, UFRJ, 1995.

GASPARIN, C.; OLIVEIRA, J. S. Considerações sobre o Ensino de Física para Alunos Surdos. Revista Uniasselvi-PÓS: Metodologias de Ensino, Indaial, v. 1, n. 1, p. 35-43, jun. 2017.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresa, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Mecânica - volume1. 10. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

HEWITT, P. G. Física conceitual. 12. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015. KARNOPP, L. B. A aquisição do parâmetro configuração de mão dos sinais da LIBRAS: estudo sobre quatro crianças surdas filhas de pais surdos. 1994. Dissertação de Mestrado - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Instituto de Letras e Artes, Porto Alegre, 1994.

LEBEDEFF, T. B. Aluno surdo: desvelando mitos e revelando desafios. In: DANYLUK, O. S.; QUEVEDO, H. F.; MATTOS, M. B. P. (Org.). Conhecimento sem fronteira - Volume 2. Passo Fundo: UPF, 2005. p. 56-61. (Série Publicações da Graduação).

LIPPE, E. M. O.; CAMARGO, E. P. O ensino de Ciências e seus desafios para a inclusão: o papel do professor especialista. In: NARDI, R. (Org.). Ensino de ciências e matemática I: temas sobre a formação de professores. São Paulo: Unesp, 2009. p. 133- 143.

LOPES, N. C.; CARVALHO, W. L. P. A constituição de associações livres para o trabalho com as questões sociocientíficas na formação de professores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 3, p. 01-20, 2018.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? 2. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

MARCON, A. M.; SOARES, A. M. B.; LUNA, C. F. P.; REVEILLEAU, M. G.; SOUZA, T.Estudos da Língua Brasileira de Sinais. Passo Fundo: Editora UPF, 2011.

MEDEIROS, C. F.; MEDEIROS, A.; BEZERRA FILHO, S. Problemas de linguagem na conceituação da palavra massa. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 10, 2001, Atibaia. Anais... Atibaia: ABRAPEC, 2001.

NARDI, R. Memórias da Educação em Ciências no Brasil: a pesquisa em ensino de Física. Investigações em ensino de Ciências, v. 10, n. 1, p. 63-101, 2005.

OLIVEIRA, V. R. PIRES, E. A. C.; ENISWELER, K. C.; MALACARNE, V. Educação dos Surdos: Escola Inclusiva versus Escola Bilíngue. Revista de Educação, Cascavel, v. 10, n. 20, p. 887-896, jul./dez. 2015.

OLIVEIRA, W. D.; BENITE, A. M. C. Aulas de ciências para surdos: estudos sobre a produção do discurso de intérpretes de LIBRAS e professores de ciências. Ciência & Educação, v. 21, n. 2, p. 457-472, jun. 2015.

PAGNEZ, K. S.; SOFIATO, C. G. O estado da arte de pesquisas sobre a educação de surdos no Brasil de 2007 a 2011. Educar em Revista, v. 30, n. 52, p. 229-256, 2014.

QUADROS, R. M. As categorias vazias pronominais: uma análise alternativa com base na Libras e reflexos no processo de aquisição. 1995. Dissertação de Mestrado - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Instituto de Linguística e Letras, Porto Alegre, 1995.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

QUADROS, R. M. Phrase Structure of Brazilian Sign Language. 1999. Tese de Doutorado - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ArtMed, 2004.

SPENASSATO, D.; GIARETA, M. K. Inclusão de alunos surdos no ensino regular: Investigação das propostas didático-metodológicas desenvolvidas por professores de matemática no ensino médio da EENAV. In: Encontro Gaúcho de Educação Matemática, 10, 2009, Ijuí. Anais... Ijuí: Unijuí, 2009.

VIEIRA, L. B. G.; FERNANDES, G. W. R.; MALDANER, O. A.; MASSENA, E. P. Situação

de estudo: o que vem sendo publicado em eventos e periódicos da área de ensino de Ciências? Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 20, e2914, abr. 2018.

XAVIER, B. R.; VOELZKE, M. R.; FERREIRA, O. R. Vozes que saem das mãos: o Ensino de Astronomia para surdos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 3, p. 257-276, 2019.

Publicado
2020-08-08
Como Citar
DARROZ, L. M.; TYBURSKI, L. P.; ROSA, A. B. DA. O o papel do tradutor/intérprete de língua de sinais como mediador em aulas de física no ensino médio. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 5, p. 204-222, 8 ago. 2020.