O livro didático de Física e suas tendências: uma análise necessária da influência behaviorista no ensino de Ciências

Palavras-chave: Livro didático, Behaviorismo, Ensino de Física

Resumo

O trabalho, ora apresentado, tem o objetivo de fazer uma análise de um livro de Física comumente utilizado por professores na rede básica. O livro em questão é o Tópicos de Física 3. Na ocasião, procura-se destacar aspectos behavioristas que aparecem como elementos basilares no conteúdo presente no livro. Assim, buscou-se, no livro didático, encontrar excertos que pudessem se articular a conceitos importantes do Behaviorismo, desde Pavlov e Watson até Skinner. Foi possível observar um grande número de aspectos behavioristas presentes como reforço positivo e reforço negativo, contingência de reforço, entre outros. Diante disso, é possível dizer que o livro Tópicos de Física 3 apresenta uma forte influência behaviorista e que isso pode ser um interessante parâmetro para se levar em consideração no momento de adoção do mesmo pelos professores no ensino de Física.

Referências

ANDRADE, C. S.; MARTINS, A. F. P. História e Filosofia da Ciência: contribuições aos professores das séries iniciais do ensino fundamental. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, VII, 2009, Florianópolis.Atas... ABRAPEC, p. 1-12.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70. São Paulo: 2004.

BISCUOLA, G. J.; BÔAS, N. V.; DOCA, R. H. Tópicos de Física 3. 17 ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais + (PCN+) - Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Básica (SEB), Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Orientações Curriculares do Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB, 2006.

CASTRO, R. S. de. Uma e outras histórias. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org). Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa e a Prática. São Paulo: Cengage Learning, 2009. cap. 6, p. 101-118.

DA SILVA, E.F.; GARCIA, T.M.F.B.; GARCIA, N.M.D. O livro didático de Física está na escola. O que pensam os alunos do Ensino Médio? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, VIII, 2011, Campinas. Atas.ABRAPEC, p. 582-91.

GARCIA, N. M. D. Livro didático de Física e de Ciências: contribuições das pesquisas para a transformação do ensino. Educar em Revista, Curitiba, v. ?, n. 44, p. 145-163, abr./jun. 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. GREF. Física 3: Eletromagnetismo. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2012.

HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física, Volume 4: óptica e física moderna. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

JUNIOR, W. E. F.; JÚNIOR, O. G. Leitura em sala de aula: um caso envolvendo o funcionamento da ciência. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 191- 199, ago. 2010. Disponível em: <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc32_3/09-PE- 8809_novo.pdf>. Acesso em: 11/02/2019.

KNIGHT, R. Física 2: uma abordagem estratégica. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

LAKOMY, A. M. Teorias Cognitivas de Aprendizagem. 2. ed. Curitiba: Ibpex, 2008.

LEFRANCOIS, G. R. Teorias da Aprendizagem: o que a velha senhora disse. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

MÁXIMO, A.; ALVARENGA, B. Curso de física. São Paulo: Scipione, 2000. MOREIRA, M. A. Teorias de Aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

NETO, J. M.; PACHECO, D. Pesquisa sobre o ensino e Física no nível médio no Brasil: concepção e tratamento de problemas em teses e dissertações. In: NARDI,

R. (Org). Pesquisas no Ensino de Física. 2. ed. São Paulo: Escrituras Editora. 2001. cap. ?, p. 5-30.

NEVES, M. C. D. A História da Ciência no Ensino de Física. Ciência & Educação, Bauru, v. 5, n. 1, p. 73-81, dez. 1988. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v5n1/a07v5n1.pdf>. Acesso em: 11/02/2019.

NEVES, M. C. D.; SAVI, A. A. A sobrevivência do Alternativo: uma pequena digressão sobre mudanças conceituais que não ocorrem no ensino de Física. Ciência & Educação, Bauru, v. 6, n. 1, p. 11-20, dez. 2000. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v6n1/02.pdf>. Acesso em: 11/02/2019.

PIETROCOLA, M. Curiosidade e Imaginação – os Caminhos do Conhecimento nas Ciências, nas Artes e no Ensino. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org). Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa e a Prática. São Paulo: Cengage Learning, 2009. Cap. 7, p. 119-134.

PIETROCOLA, M. A Matemática como linguagem estruturante do pensamento físico. In: CARVALHO, A. M. P. de. et al. Ensino de Física. São Paulo: Cengage Learning, 2010. cap. 4, p. 79-106.

RICARDO, E. C. Problematização e contextualização no ensino de Física. In: CARVALHO, A. M. P. de. et al. Ensino de Física. São Paulo: Cengage Learning, 2010. cap. 2, p. 29-51.

ROCHA, J. N.; COSTA, T. M. L.; ALMEIDA, R. A. F. A percepção da ciência dos professores da educação básica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 3, n. 3, p. 139-151, 2012. Disponível em:

<http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/358/301>. Acesso em: 11/02/2019.

SOBRINHO, M. F.; CARNEIRO, M. H. da S. Newton e a decomposição da luz solar em um prisma: o que trazem os livros de ensino médio? Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 5, n. 2, p. 35-55, 2014. Disponível em:

. Acesso em: 11/02/2019.

Publicado
2020-08-08
Como Citar
MELO, M. G. DE A.; NEVES, M. C. D.; SILVA, S. DE C. R. DA; PINHEIRO, N. A. M.; MIQUELIN, A. F. O livro didático de Física e suas tendências: uma análise necessária da influência behaviorista no ensino de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 5, p. 185-203, 8 ago. 2020.