Combate endemia: um protótipo para o ensino de ciências

Palavras-chave: Jogo Digital Educacional, Aprendizagem, Ciências, Educação

Resumo

Os jogos digitais vêm ganhando cada vez mais espaço no meio educacional. Além da pesquisa e análise desses artefatos da cultura digital, a criação e o designe é um passo adiante para a educação. O objetivo deste artigo é apresentar o desenvolvimento de um protótipo de jogo digital denominado “Combate Endemia” como estratégia de apoio para as aulas de Ciências. Trata-se de um jogo digital educacional que está sendo produzido na Engine Construct 2[1]. Como justificativa, levamos em consideração o histórico, incidência, e a prevalência das principais doenças endêmicas presentes no contexto brasileiro. A escolha das endemias para o jogo foi baseada nos seguintes critérios: doenças endêmicas do estado de Alagoas, que ainda sejam problemas de saúde pública para o estado e que estejam dentro dos conteúdos trabalhados em Ciências no Ensino Fundamental. As endemias selecionadas para integrar o jogo foram: esquistossomose, dengue, zika e chikungunya. O que se espera com a construção do jogo digital, é que possa ser um instrumento para auxiliar a aprendizagem dos estudantes sobre a importância de boas práticas em Educação e Saúde no combate as endemias de forma lúdica e motivadora nos anos iniciais e finais do Ensino Fundamental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADOBE. Adobe Photoshop. Disponível em: https://helpx.adobe.com/br/photoshop/how-to/ps-basics-fundamentals.html. Acesso em: 18 out. 2018.

ALVES, L. Relações entre jogos digitais e aprendizagem: delineando percurso. Educação, Formação & Tecnologias, Lisboa, v.1, n. 2, p. 3-10, 2008.

ALVES, P C.; SOUZA, I. M.; MOURA, M. A.; CUNHA, L. A. A experiência da esquistossomose e os desafios da mobilização comunitária. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 79-90, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: Ministério da Educação – MEC, Secretaria de Educação Fundamental. 1998.

BRASIL. Manual de controle do Tracoma. Brasília: Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. 2017.

BRASIL. Saúde de A a Z: Dengue, Chinkungunya e Zica. Brasília Ministério da Saúde. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z. Acesso em: 28 set. 2018.

CASTELLS, M. A Sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

COSTA, R. C.; MIRANDA, J. C.; GONZAGA, G. R. Avaliação e validação do jogo didático “desafio ciências – sistemas do corpo humano” como ferramenta para o ensino de ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 9, n. 5, p. 56-75, 2018.

FOUREZ, G. Crise no Ensino de Ciências? Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 109-123, 2003.

GABRIEL, A. F.; ABE, K. C.; GUIMARÃES, M. P.; MIRAGLIA, S.G. Avaliação de impacto à saúde da incidência de dengue associada à pluviosidade no município de Ribeirão Preto, São Paulo. Caderno de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 446-452, 2018.

GOMES, A. C.; GALINDO, J. M.; LIMA, N. N.; SILVA, E. V. Prevalência e carga parasitária da esquistossomose mansônica antes e depois do tratamento coletivo em Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 25, n. 2, p. 243-250, 2016.

GROS, B. The impact of digital games in education. First Monday, Chicago, v. 8, n. 7, p. 1-21, 2003.

LÓPEZ, A.; FARIAS, K. A.; MARTINS, E. S. Principais doenças endêmicas de Alagoas. In: Cadernos Temáticos. Conversando sobre Ciências em Alagoas. Disponível em: http://www.usinaciencia.ufal.br/cadernos-tematicos: Acesso em: 22 set. 2018.

MATTAR, J. Games em Educação: como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2010.

PEREIRA, F. B. Clic saúde: prevenção da esquistossomose por meio das tecnologias da informação. Dissertação de Mestrado - Universidade Federal de Minas Gerais – Escola de Enfermagem, Belo Horizonte, 2014.

PIMENTEL, F. S. Aprendizagem das Crianças na Cultura Digital. 2. ed. Maceió: Edufal, 2017.

PIMENTEL, F. S. Letramento digital na cultura digital: o que precisamos compreender? Revista EDaPECI - Educação a Distância e Práticas Educativas Comunicacionais e Interculturais, São Cristóvão, v.18, n. 1, p. 7-16, 2018.

PINTO, A. V. O Conceito de Tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

PRENSKY, M. Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: SENAC, 2012.

REZENDE, J. M. Epidemia, endemia, pandemia. Epidemiologia. Revista de Patologia Tropical, Goiânia, v. 27, n. 1, p. 153-155, 1998.

ROSA, L. Z; ALMEIDA, C. G. M; DEZORDI, F. Z. RPGBIO drogadição: o jogo Role Playing Game (RPG) como prática no processo de ensino e aprendizagem. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 8, n.1, p.166-181, 2017.

SAVI, R.; ULBRICHT, V. R. Jogos Digitais Educacionais: Benefícios e Desafios. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 1-10, 2008.

SCIRRA. Construct 2. Disponível em: https://www.scirra.com/manual/1/construct-2. Acesso em: 29 out. 2018.

SOUSA, M. R. C. Esquistossomose no Brasil: ensinar versus educar. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 33, n.1, p.144-147, 2009.

SOUZA, A. S. Incidência de dengue em uma região de tríplice fronteira internacional: determinantes sociodemográficos. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Centro de Educação, Letras e Saúde, Foz do Iguaçu, 2019.

Publicado
2020-10-18
Como Citar
SILVA, M.; PIMENTEL, F. Combate endemia: um protótipo para o ensino de ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 232-245, 18 out. 2020.
Seção
Artigos Gerais