Teias interdisciplinares: a infindável construção dos fios da interdisciplinaridade na formação inicial de professores de Ciências da Natureza e Matemática

Palavras-chave: Ciências da Natureza e Matemática, Formação de professores, Interdisciplinaridade, Teias interdisciplinares

Resumo

A interdisciplinaridade tem sido incentivada nos diferentes níveis de ensino, para atingir uma visão ampla dos conhecimentos provenientes da integração dos diferentes saberes. Este trabalho apresenta o Projeto Interlicenciaturas, o qual foi desenvolvido na perspectiva interdisciplinar, com futuros professores da área das Ciências da Natureza e Matemática (CNM), de uma Universidade Federal, do estado do Rio Grande do Sul. O foco deste estudo é apresentar a atividade didática de Teias interdisciplinares[1] elaborada pelos licenciandos participantes do projeto, e discutir as relações interdisciplinares traçadas nessa atividade inicial de sensibilização. A metodologia utilizada foi de Pesquisa de Design Educacional, a qual identifica problemas reais e busca solucioná-los, sendo o problema identificado a carência de vivências interdisciplinares nos cursos de licenciaturas da área das CNM. As Teias Interdisciplinares elaboradas foram analisadas e categorizadas pela técnica de análise de conteúdo (BARDIN, 1977). As categorias que emergiram quanto às relações interdisciplinares traçadas foram: Sem Relação e Relação Parcial. Dos nove grupos de participantes, apenas quatro construíram teias com relações parciais, com indícios de interdisciplinaridade, apontando o quão desafiador é realizar abordagens nesta perspectiva. Esta investigação aponta a necessidade de investir desde a formação inicial em práticas e saberes docentes, fundada na perspectiva da interdisciplinaridade.   [1] O termo Teias Interdisciplinares foi cunhado pela autora, a definição deste termo refere-se à atividade didática desenvolvida que consiste na elaboração de um cartaz, com a escolha de um tema central e partir deste sejam traçados termos e conceitos dos diferentes componentes curriculares da área do conhecimento, traçando uma rede de conexões, semelhantes aos fios de uma teia de aranha. A analogia da construção interdisciplinar com as teias das aranhas, é devido os diferentes tipos de construções e dos processos de tessituras. Representa uma rede de conhecimento com construção constante, conectável em diversas extremidades e cada novo “fio” que for tecido possa fazer novas integrações possibilitando suas múltiplas ligações interdisciplinares. Assim como uma teia de aranha, os fios são tecidos e conectados permitindo sustentação, o processo é infindável. A teia está em constante produção nunca pronta ou totalmente finalizada, sendo possível sempre adicionar novos fios refazendo sua arquitetura. Os fios não são tecidos de forma linear e sim em forma de rede, que se cruzam em diversos pontos permitindo assim o entrelaçado dos conhecimentos de uma teia interdisciplinar

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Keiciane Canabarro Drehmer Marques, Universidade Federal de Santa Maria
Licenciada em ciências biológicas, mestra em educação em ciências e doutoranda em educação em ciências.
Isadora da Silva Espíndola, Universidade Federal de Santa Maria
Licencianda em física da Universidade Federal de Santa Maria.
Inés Prieto Schmidt Sauerwein, Universidade Federal de Santa Maria
Possui graduação em Licenciatura Plena Em Física pela Universidade de São Paulo (1989), mestrado em Ensino de Ciências (Modalidade Física e Química) pela Universidade de São Paulo (1996) e doutorado em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). Professora adjunta da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

ARAÚJO, R. R.; ALVES, C. C. Na busca da interdisciplinaridade: Percepções sobre a formação inicial de professores de Ciências da Natureza. Ciência e Natura, v. 36, n. 3, p. 349 – 357, 2014.

AUGUSTO, T. G. S.; CALDEIRA, A. M. A. Dificuldades para implantação de práticas interdisciplinares em escolas estaduais, apontadas por professores da área de ciências da natureza. Investigações em Ensino de Ciências, v.12, n.1, p. 139-154, 2007.

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1977.

BISPO, M. L. P.; MATHIAS, G. N.; AMARAL, C. L. C. Desenvolvimento de projetos de trabalho com enfoque CTS entre alunos de licenciatura em Biologia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v.3, n.3, p. 457-466, 2012.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Parte I, II, III e IV. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. Resolução MEC/CNE nº 2, de 1° de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015.

COSTA, D. K.; CURY, H. N. Mapeamento de pesquisas interdisciplinares no Rio do Sul: contribuição ao diálogo entre disciplinas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 7, n. 1, p. 59-73, 2016.

FEISTEL, R. A. B; MAESTRELLI, S. R. P. Interdisciplinaridade na formação de professores de Ciências Naturais e Matemática: algumas reflexões. Em: VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, 2009. Anais... Florianópolis, p. 1- 11, 2009.

FEISTEL, R. A. B.; MAESTRELLI, S. R. P. Interdisciplinaridade na Formação Inicial de Professores: um olhar sobre as pesquisas em Educação em Ciências. ALEXANDRIA Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 5, n. 1, p. 155-176, mai, 2012.

FIDELIS, A. K.; GEGLIO, P. C. Interdisciplinaridade e Contextualização: desafios de professores de Ciências Naturais em preparar os alunos para o ENEM. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 6, p. 215-234, 2019.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago,1976.

JAPIASSU, H. O espírito interdisciplinar. Cadernos EBAPE.BR. Vol. IV, n.3, p. 1-9, 2006.

LEITE, V. C.; MESQUITA, N. A. S.; ALVARENGA, K. B.; BARBOSA, C. J. V.; FERREIRA, A. M. A Prática da Interdisciplinaridade na Formação Inicial de Professores de Ciências e Matemática: do Discurso à Prática. Revista Anhanguera, v. 11, p. 35-62, 2010.

MARQUES, M.; ROSA, F. N. A interdisciplinaridade como crítica à fragmentação do saber. Em: XIII Congresso Nacional de Educação, 2017, Curitiba. Anais... Curitiba- PR, p. 11903-11915, 2017.

PANIZZI, C. A. F. L. Brainstorming. In: ALCANTARA, E. F. S. (org). Inovação e renovação acadêmica: guia prático de utilização de metodologias e técnicas ativas. Volta Redonda, RJ: FERP, 2020, p. 91-93.

PIERSON, A. H. C.; NEVES, M. R. Interdisciplinaridade na formação de professores de ciências: conhecendo obstáculos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 1, n. 2, p. 120-131, 2001.

PIERSON, A. H. C.; FREITAS, D.; VILLANI, A.; FRANZONI, M. Uma experiência interdisciplinar na formação inicial de professores. Revista Interacções, Braga, Portugal, v. 4, n. 9, p. 113-28, 2008.

PLOMP, T.; NIEVEEN, N.; NONATO, E.; MATTA, A. Pesquisa - aplicação em educação: uma introdução. São Paulo, SP: Artesanato Educacional, 2018.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre, RS: Artmed, 1998.

SHAW, G. S. L.; FOLMER, V.; ROCHA, J. B. T. Uma revisão sobre a interdisciplinaridade no ensino e a formação de professores. Revista Ciências & Idéias, v. 8, n.1, p. 202-230, 2017.

SILVA, E. L. C.; PICANÇO, J. B.; LISE, A. A. Guia ilustrado aranhas do Rio Grande do Sul: Brasil. Porto Alegre: Redes Editora, USEB, 2014.

Publicado
2020-11-20
Como Citar
DREHMER MARQUES, K.; ESPÍNDOLA, I.; SAUERWEIN, I. Teias interdisciplinares: a infindável construção dos fios da interdisciplinaridade na formação inicial de professores de Ciências da Natureza e Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 7, p. 379-398, 20 nov. 2020.