Atividades Experimentais e teóricas: um caminho trilhado por estudantes do quinto ano no estudo dos quadriláteros

Experimental and Theoretical activities: a path taken students of the fifth year in quadrilateral studies

Palavras-chave: Geometria, Quadrilátero, Conceito

Resumo

Geralmente, nos anos iniciais do Ensino Fundamental, privilegiam-se atividades de percepção das formas geométricas e nos anos finais, o ensino de Geometria tende a ser mais teórico. No entanto, é importante que as atividades experimentais e a conceituação estejam presentes em qualquer nível de ensino. Assim, neste artigo apresenta-se e discute-se uma sequência de atividades relativa ao estudo dos quadriláteros que foi realizada por estudantes do quinto ano do Ensino Fundamental. Eles obtiveram as figuras que representavam cada tipo de quadrilátero por meio de dobraduras e recortes, fizeram trabalhos artísticos com essas figuras, exploraram suas propriedades a partir da obtenção dos eixos de simetria, socializaram suas descobertas, depois construíram quadriláteros no geoplano e representaram as construções realizadas no papel pontilhado. A pesquisa evidenciou que é possível e necessário que, desde os anos iniciais, a manipulação, a construção e os desenhos sejam trabalhados de forma articulada com o conhecimento teórico da geometria. Constatou-se, ainda, que as interações e negociações de significados têm papel fundamental no processo de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roselene Alves Amâncio, UFMG
Professora de Matemática do Centro Pedagógico da UFMG
Eliane Sheid Gazire, PUC Minas
Professora e coordenadora do mestrado em ensino de ciências e matemática da PUC Minas.

Referências

ABRANTES, P. Investigações em Geometria na Sala de Aula. In: VELOSO, E.; FONSECA, H.; PONTE, J. P.; ABRANTES, P. (Org.). Ensino da Geometria no Virar do Milénio. Lisboa: DEFCUL, 1999. Disponível em: http://www.prof2000.pt/users/j.pinto/textos/texto1.pdf. Acesso em: 5 abr. 2016.

ABRANTES, P.; SERRAZINA, L.; OLIVEIRA, I. A Matemática na educação básica. Lisboa: Editora Colibri. 1999.

FISCHBEIN, E. The Theory of Figural Concepts. In: Educational Studies in Mathematics. v.24, n.2, p.139-162. Dordretch: Publishedby: Springer, 1993.

MACHADO, N. J. Matemática e Língua Materna: Análise de uma impregnação mútua. São Paulo: Cortez Editora, 6ª ed., 2011.

PAIS, L C. Intuição, Experiência e Teoria Geométrica. Revista Zetetiké. v. 4, n. 6, p. 65-74, jul./dez. 1996.

PAIS, L. C. Uma análise do significado da utilização de recursos didáticos no ensino da Geometria. Reunião da ANPED, 23. Anais… Rio de Janeiro: UFRRJ, 2000. Disponível em: http://www.ufrrj.br/emanped/paginas/conteudo_producoes/docs_23/analise_significado.pdf Acesso em: 4 ago. 2015.

RANCAN, G; GIRAFFA, L. M. M. Utilizando manipulação, visualização e tecnologia como suporte ao ensino de geometria. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 3, n. 1, p. 15-27, jan/jul 2012.

VAN DE WALLE, J. A. O pensamento e os conceitos geométricos. In: VAN DE WALLE, J A. Matemática no Ensino Fundamental: formação de professores e aplicação em sala de aula. São Paulo: Papirus, 2009. p. 438-484.

Publicado
2020-10-18
Como Citar
AMÂNCIO, R.; GAZIRE, E. Atividades Experimentais e teóricas: um caminho trilhado por estudantes do quinto ano no estudo dos quadriláteros. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 171-191, 18 out. 2020.
Seção
Relatos de Pesquisa