“O caminho das ervilhas”: recurso didático no ensino da genética mendeliana

Palavras-chave: Ensino de Biologia, Jogos didáticos, Metodologias alternativas

Resumo

A Genética tornou-se uma área de grande visibilidade no contexto científico e social. Entretanto, é reportado na literatura a complexidade dos conteúdos e processos, atrelados a carência de metodologias de ensino. Por isso, este estudo teve como objetivo verificar o desempenho dos alunos do Ensino Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí após a aplicação de um material didático, “O caminho das ervilhas”, para a construção da aprendizagem. Utilizamos a pesquisa de campo, com abordagem qualitativa, onde participaram 15 alunos do curso de Ciências Biológicas do Instituto Federal do Piauí. Como atividade de intervenção pedagógica, foi desenvolvido um jogo didático-digital para trabalhar conceitos e processos genéticos. Evidenciou-se que os alunos apresentavam dificuldades em aplicar os conhecimentos matemáticos na resolução de problemas genéticos, além de demonstrarem insegurança no momento da interpretação desses dados. Por meio da atividade de intervenção, percebeu-se que a metodologia de ensino contribuiu na aprendizagem dos alunos. Portanto, o uso de metodologias alternativas no ensino de Genética indica a possibilidade de correlacionar teoria e prática de forma lúdica e interativa, além de desenvolver conteúdos vistos como teóricos no ensino de Genética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício dos Santos Araújo, Universidade Federal de Viçosa - UFV
Doutorando em Genética e Melhoramento de Plantas - UFV. Mestre em Genética e Melhoramento - UFPI. Graduado em Ciências Biológicas - IFPI. Tem experiencia em Mutagênese, Genética Quantitativa, Melhoramento de Plantas e Biofortificação. 
Aracelli de Sousa Leite, IFPI/Floriano
Doutora em Biotecnologia RENORBIO. Mestra em Genética Toxicológica Aplicada - ULBRA.

Referências

ARAÚJO, M. S.; SOUSA, S. C.; LEITE, A. S. Metodologias ativas para a inclusão de alunos com deficiência auditiva: novas possibilidades no processo de ensino-aprendizagem em biologia. In: CARLONI, P. R. (org.). Inclusão, educação e sociedade. Goiânia: Mundial Gráfica, 2017, p. 6-234.

ARAÚJO, M. S. et al. A Genética no contexto de sala de aula: dificuldades e desafios em uma escola pública de Floriano-PI. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 9, n. 1, p. 19-30, 2018.

BAIOTTO, C. R.; SEPEL, L. M. N.; LORETO, E. L. S. Para ensinar genética mendeliana: ervilhas ou lóbulos de orelha?. Revista Genética na Escola, v. 11, n. 2, p. 286-293, 2016.

BARBOSA, A. R. et al. Abordagem etnoherpetológica de São José da Mata – Paraíba – Brasil. Revista de Biologia e Ciências, v. 7, n. 2, p. 117-123, 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARNI, G. S. A importância e o sentido de estudar Genética para estudantes do terceiro ano do ensino médio em uma escola da rede estadual de ensino em Gaspar (SC). 184f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ciências Naturais e Matemática) – FURB, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2010.

BELMIRO, M. S.; BARROS, M. D. M. Ensino de genética no ensino médio: uma análise estatística das concepções prévias de estudantes pré-universitários. Revista Práxis, v. 9 n. 17, p. 95-102, 2017.

BERTOCCHI, N. A. et al. “Jogo da Velha Mendeliano”: uma atividade lúdica para o ensino de Genética. Revista Brasileira Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 9, n. 3, p. 1-15, 2016.

BRÃO, A. F. S.; PEREIRA, A. T. B. Biotecnétika: Possibilidades do jogo no ensino de genética. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 14, n. 1, p. 55-76, 2015.

CID, M.; CRUZ NETO, A. J. Dificuldades de aprendizagem e conhecimento pedagógico do conteúdo: O caso da genética. Revista Enseñanza de las ciências, v. 1, n. (extra), p. 1-5, 2005.

FERNANDES, A. M. et al. Metodologia de pesquisa de dissertações sobre inovação: análise bibliométrica. Desafio Online, v. 6, n. 1, p. 141-159, 2018.

FERREIRA, A. F.; DARIO, S. C. Os jogos eletrônicos no cotidiano dos alunos do 9º ano do ensino fundamental. Revista Educação Temática Digital, v. 15, n. 3, p. 595-611, 2013.

FERRO, J. L. S. Análise de conteúdo dos enunciados sobre a primeira lei de Mendel em livros didáticos de biologia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 7, n. 3, p. 18-31, 2016.

FREITAS, W. L. S. et al. Intervenção educativa sobre febre amarela com alunos de uma escola pública federal em Floriano, Piauí, Brasil. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 11, n.1, p. 154-168, 2020.

GEWEHR, D. et al. Metodologias ativas de ensino e de aprendizagem: uma abordagem de iniciação à pesquisa. Revista Ensino & Pesquisa, v. 14, n. 1, p. 225-246, 2016.

GÓES, A. C. S.; OLIVEIRA, B. V. X. Projeto Genoma Humano: um retrato da construção do conhecimento científico sob a ótica da revista Ciência Hoje. Revista Ciência & Educação, v. 20, n. 3, p. 561-577, 2014.

GRIFFITHS, A. J. F. et al. Introdução à Genética. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

JANN, P. N.; LEITE, M. F. Jogo do DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de ciências e biologia. Ciência & Cognição, v. 15, n. 1, p. 282-293, 2010.

JESUS, J.; NERES, J. N. N.; DIAS, V. B. Jogo didático: uma proposta lúdica para o ensino de botânica no ensino médio. Revista da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio), v. 11, n. 7, p. 4106- 4116, 2014.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2016.

MOREIRA, M. A., MASINI, E. A. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

PIERCE, B. A. et al. Genética: um enfoque conceitual. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

PELIZZARI, A. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista Psicologia Educação e Cultura, v. 2, n. 1, p. 37-42, 2002. 38p.

RIBEIRO, V. M. B.; RIBEIRO, A. M. B. A aula e a sala de aula: um espaço-tempo de produção de conhecimento. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 38, n. 1, p. 71-76, 2011.

ROCHA, S. J. M.; SILVA, E. P. Material didático para o ensino inclusivo de herança genética. Revista Genética na Escola, v. 12, n. 1, p. 88-101, 2017.

SANTOS, F. S. et al. Sequência didática fundamentada na neurociência para o ensino de genética. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 19, n. 2, p. 359-383, 2020.

SILVA, C. C.; CABRAL, H. M. M.; CASTRO, P. M. Investigando os obstáculos da aprendizagem de genética básica em alunos do ensino médio. Educação Temática Digital, v. 21, n. 3, p. 718-737, 2019.

SILVA, C. C.; KALHIL, J. B. A aprendizagem de genética à luz da Teoria Fundamentada: um ensaio preliminar. Revista Ciência & Educação, v. 23, n. 1, p. 125-140, 2017.

SODRÉ-NETO, L.; COSTA, M. V. M. Genética microbiana na percepção de estudantes do Ensino Médio. Revista Acta Scientiae, v. 18, n. 2, p. 470-480, 2016.

SOUSA, E. S. et al. A genética em sala de aula: uma análise das percepções e metodologias empregadas por professores das escolas públicas estaduais de Jaguaribe Ceará. Revista Conexão Ciência e Tecnologia, v. 10, n. 4, p. 16-24, 2016.

SOUZA, G. S. et al. Embaralhando Mendel e suas leis. Revista Genética na escola, v. 11, n. 2, p. 344-365, 2016.

SOUZA, G, P.; TEIXEIRA, P. M. M. Educação CTS e Genética. Elementos para a sala de aula: potencialidades e desafios. Revista Experiências em Ensino de Ciências, v. 9, n. 2, p. 83-103, 2014.

SOUZA, R. W. L. Modalidades e recursos didáticos para o ensino de biologia. Revista Eletrônica de Biologia, v. 7, n. 2, p. 124-142, 2014.

VESTENA, R. F.; SEPEL, L. M. N.; LORETO, É. L. S. Construção do heredograma da própria família: Uma proposta interdisciplinar e contextualizada para o ensino médio. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 14, n. 1, p. 1-16, 2015.

VIEIRA, V. Construindo saberes: aulas que associam conteúdos de genética à estratégias de ensino-aprendizagem. Revista Práxis, v. 3, n. 3, p. 59-63, 2010.

ZATZ, M. Genética: escolhas que nossas avós não faziam. São Paulo: Globo, 2011.

Publicado
2020-10-18
Como Citar
ARAÚJO, M.; LEITE, A. “O caminho das ervilhas”: recurso didático no ensino da genética mendeliana. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 514-529, 18 out. 2020.
Seção
Artigos Gerais