Vozes que saem das mãos: o ensino de Astronomia para surdos

  • Bruno Rocha Xavier Universidade Cruzeiro do Sul
  • Marcos Rincon Voelzke Universidade Cruzeiro do Sul
  • Orlando Rodrigues Ferreira Universidade Cruzeiro do Sul
Palavras-chave: Astronomia, Libras, Surdo, Aprendizado, Educação

Resumo

O aprendizado de Astronomia entre deficientes auditivos atualmente é uma possibilidade remota no Brasil, algo que praticamente não ocorre ou, quando acontece, em geral é muito limitado. Para que o Ensino de Astronomia seja melhor estruturado entre as crianças e os jovens surdos em idade escolar, se torna necessário antes ampliar os recursos da Língua Brasileira de Sinais (Libras), fortalecer a preparação de professores, desenvolver recursos didáticos mais alinhados com a experiência sensorial dos surdos e até repensar aspectos de organização nos ambientes de aula. A Astronomia é muito importante para a formação educacional dos surdos e tem um significativo papel na sua introdução aos fundamentos da Ciência e motivação para o conhecimento científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACESSIBILIDADE BRASIL. Dicionário da Língua Brasileira de Sinais. V. 3, 2011.

ALVES, F. S. Ensino de Física para surdos: processo educacional do surdo no ambiente escolar. Universidade Estadual Paulista – UNESP (Mestrado em Educação para a Ciência; orientador: Prof. Dr. Eder Pires de Camargo). Bauru: Unesp, 2012.

ALVES, F. S.; PEIXOTO, D. E.; LIPPE, E. M. O. Releitura de conceitos relacionados à Astronomia presentes nos dicionários de libras: implicações para interpretação/tradução. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 19, n. 4, out/dez 2013, p. 531- 544.

BISCH, S. M. Astronomia no Ensino Fundamental: Natureza e conteúdo do conhecimento de estudantes e professores. Universidade de São Paulo - USP, (Doutorado em Educação; orientadora: Profa. Dr. Yassuko Hosoume). São Paulo: USP, 1998.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais — Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Seção 1, 25 de janeiro de 2002, p.23, Brasília/DF.

CANIATO, R. [Re]Descobrindo a Astronomia. Campinas: Átomo, 2010.

CANIATO, R. A Terra em que vivemos. Texto e atividades; Coleção Ciência e Entretenimento. Campinas: Átomo, 2007.

CANIATO, R. O Céu. 3ª. ed.; Projeto Brasileiro para o Ensino de Física. Campinas: Fundação Tropical de Pesquisas e Tecnologia, 1978.

CANIATO, R. O que é Astronomia. 2ª. ed.; Coleção Primeiros Passos, vol. 45. São Paulo: Brasiliense, 1982.

CANIATO, R. Rodolpho Caniato, 2017.

CELESTIA. Celestia, real-time 3D visualization of space: The free space simulation that lets you explore our universe in three dimensions, c. 2019.

COMMINS, N. F.; KAUFMANN III, W. J. Descobrindo o Universo. 8ª ed. São Paulo: Editora Bookman, p. 438 - 439, 2010.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DOS SURDOS. Homepage, 2009. Disponível em: http://www.cbsurdos.org.br Acesso em: 09 nov. 2016.

COSTA, C. Dicionário da Língua de Sinais exigiu 25 anos de pesquisas. Jornal da USP, 17/12/2018 São Paulo: USP, 2018.

COX, B. A night with the stars. BBC News. London: BBC, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 4ª edição, São Paulo: Paz e Terra, 2001.

HISTORY CHANNEL. The Universe. History Channel, 2013.

HORVATH, J. E. O ABCD da Astronomia e Astrofísica. São Paulo. Livraria da Física, 2008.

IFSC/USP. XXII SNEF tem início no campus USP São Carlos. São Carlos: Universidade de São Paulo/Instituto de Física de São Carlos, 26 jan. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Homepage, 2017. Disponível em: http://www.ibge.gov.br Acesso em: 12 nov. 2017.

ISCKTOPHOTO. Homepage, 2017. Disponível em: https://www.istockphoto.com/br Acesso em: 31 jan. 2017.

LACERDA, C. B. F. Tradutores e intérpretes da língua brasileira de sinais: formação e atuação nos espaços educacionais inclusivos. Cadernos de Educação, ano XX, n. 50, maio/agosto 2010, p. 147-148.

LANGHI, R.; NARDI, R. Educação em Astronomia: repensando a formação de professores. Educação para a Ciência, vol. 11. São Paulo: Escrituras, 2012.

LIBRAS. Dicionário da Língua Brasileira de Sinais. V. 3, 2011.

MORGAN, E. Next time you see the Moon. NSTA Kids. Printing and Production Catherine by Lorrain; Art and Design by Will Thomas Jr. Arlington: National Science Teachers Association, 2014.

MORGUEFILE. Homepage, 2019. Disponível em: http:// morguefile.com/photos/morgurfil/17/dices/pop Acesso em: 5 jun. 2019.

NASA. Solar Atmosphere Simulation - AGU. 2013. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=1f20LN2mKIA Acesso em: 31 jan. 2017.

OLIVEIRA FILHO, K.S.O.; SARAIVA, M.F.O. Astronomia e Astrofísica. 3ª. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2013.

SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos.1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SOARES, M. Letramento: Um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SOUZA, R. M. O professor intérprete da língua de sinais em sala de aula: ponto de partida para se repensar a relação ensino, sujeito e educação. V. 8; Temática Digital linguagem. Campinas: ETD, 2007.

STELLARIUM. Stellarium, 0.19.1, c. 2019. Disponível em: https://stellarium.org/pt/ Acesso em: 10 mai. 2019.

WOLF, A. Por que os surdos precisam enxergar a matemática? – Os surdos têm uma maneira única de mergulhar no universo da matemática, por meio do corpo e do olhar. São Paulo: Jornal da USP, 19 out. 2017.

XAVIER, B. Astronomia em Libras. 2017. Facebook. Disponível em:https://www.facebook.com/groups/222858628255607/ Acesso em: 11 dez. 2017.

XAVIER, B. Astronomia em Libras. 2017. Youtube.

Publicado
2019-06-21
Como Citar
XAVIER, B. R.; VOELZKE, M. R.; FERREIRA, O. R. Vozes que saem das mãos: o ensino de Astronomia para surdos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 3, p. 257-276, 21 jun. 2019.
Seção
Artigos Gerais