Perfis biológico, sociobiológico e cultural nas concepções de estudantes do ensino médio sobre animais

Palavras-chave: zoologia, ensino, concepções, animal

Resumo

O ensino sobre animais como o concebemos hoje na Educação Básica iniciou-se na Grécia Antiga, a partir do pensamento de Aristóteles, no qual todos os organismos eram agrupados em um sistema de classificação sem abordar o parentesco evolutivo. Pesquisas recentes sugerem a inserção da sistemática filogenética no ensino de Zoologia, a fim de facilitar a compreensão deste conteúdo por parte dos estudantes. Neste sentido, buscamos conhecer em quais perfis epistemológicos o conhecimento sobre animais se ancora, em relação a quarenta estudantes de ensino médio que dissertaram sobre o que é um animal. Suas respectivas respostas foram interpretadas à luz da análise do conteúdo. Observamos que grande parte do conhecimento se ancora em um perfil biológico, que considera a diversidade de hábitats e modos de vida, e ainda a diversidade anatômica e fisiológica. Entretanto, muitas concepções ancoradas em uma visão utilitarista de animal, demonstram um pensamento que não enxerga o homem como pertencente ao mesmo reino, principalmente pelo uso do critério de racionalidade, presente em muitas respostas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES. G.; CAMPOS, L. L. “A borboleta é bonita e colorida”: o que os alunos de séries iniciais do Ensino Fundamental conhecem sobre insetos. Em: V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2005, Atas... Bauru/SP: Universidade Estadual Paulista,2005.

AMORIM, D. S; MONTAGNINI, D. L.; CORREA, R. J. Diversidade biológica e evolução: uma nova concepção para o ensino de Zoologia e Botânica no 2º grau. In: BARBIERI, M.R. et al. (Orgs.). A construção do conhecimento do professor: uma experiência de parceria entre professores do ensino fundamental e médio da Rede Pública e a universidade. Ribeirão Preto: Holos Editora/FAPESP, 2001, p 41-49.

AMORIM, D. S. Paradigmas pré-evolucionistas, espécies ancestrais e o ensino de zoologia e botânica. Ciência & Ambiente, v.1, n.36, p.125-150, 2008.

ANDERSSON, B. The experimental gestalt of causation: a common core to pupils preconceptions in science. European Journal of Science Education, v. 8, p.155-171, 1986.

ARAÚJO, L. O.; et al. Uma abordagem diferenciada da aprendizagem de sistemática filogenética e taxonomia zoológica no ensino médio. In: X Congresso Nacional de Educação – EDUCURE, Curitiba, p. 12720 – 12726, 2011.

AUSUBEL, D. P; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Educational psychology: a cognitive view. Nova York: Holt, Rinehardt & Winston, 1978.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa : Edições 70, 1988.

BARROW, L. H. What do elementary students know about insects? Journal of Elementary Science Education, v. 14, n. 2, p. 51 -56, 2002.

BISCONTI, M. Filosofie e strumenti per una didattica della Zoologia nell’esperienza del Museo di StoriaNaturale del Mediterraneo di Livorno. Quad. Mus. St. Nat. Livorno, n. 22,p. 57 - 77, 2009.BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Ensino Fundamental.

Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 1998.

BRAUND, M. Trends in children’s concepts of vertebrate and invertebrate. Journal of Biological Education, v. 32, n. 2, p. 112 – 118, 1998.

CARDAK, O. Science student’s misconceptions about birds. Scientific Research and Essays, v, 4, n. 12, p. 1518 – 1522, 2009.

CHEN, S-H.; KU, C-H. Aboriginal children’s alternative conceptions of animals and animal classification. Proc. Natl. Sci. Counc., v. 8, n. 2, p. 55 – 7, 1998.

COSTA NETO, E. M.; RESENDE, J. The perception of animals as “insects” and their use as medicinal resources in the city of Feira de Santana, Bahia, Brazil. Acta Scientiarum, v. 26, p. 143-149, 2004.

DRIVER, R. Psicologia cognoscitiva y esquemas conceptuales de los alunos. Enseñanza de las ciências, v. 4, n. 1, p. 3 – 15, 1986.

FERREIRA, F. S.; et al. A zoologia e a botânica do ensino médio sob uma perspectiva evolutiva: uma alternativa de ensino para o estudo da biodiversidade. Cad. Cult. Ciênc. v.2 n. 1, p.58-66, 2008.

FISCHER, M. L.; TAMIOSO, P. R. Bioética ambiental: concepção de estudantes universitários sobre o uso de animais para consumo, trabalho, entretenimento e companhia. Ciência & Educação, v. 22, n. 1, p. 163 – 182, 2016.

FRANCO, M. L. P. B. O que é análise do conteúdo. São Paulo: PUC, 1986.

GALEAZZI, C. A história do desenvolvimento do conceito x concepções dos estudantes: afinal, como se pode definir “vermes”. In: V Salão de Iniciação Científica, 1993, Resumos...Porto Alegre: UFRGS, 1993.

GIL PÉREZ, D. La metodología cientifica y la enseñanza de de las ciencias. Unas relaciones controvertidas. Enseñanza de las Ciencias, v.4, p.111-121, 1986.

GUIMARÃES, M. A. Uma proposta de ensino de zoologia baseada na sistemática filogenética. São Paulo: UNESP, 2008.

Publicado
2020-07-22
Como Citar
MOUL, R. A. T. DE M.; MOURA, M. I. B. DE; ARAÚJO, M. L. F. Perfis biológico, sociobiológico e cultural nas concepções de estudantes do ensino médio sobre animais. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 4, p. 293-310, 22 jul. 2020.
Seção
Artigos Gerais