A AUTENTICIDADE DA PALAVRA DA CRIANÇA COMO INDÍCIO DE INSUBORDINAÇÃO CRIATIVA

Solange Aparecida Corrêa

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar situações escolares do cotidiano atribuindo relevância sobre o  trabalho em grupo e a mediação do professor a partir de narrativas das crianças. São atividades que estão relacionadas com a matemática e ilustração de texto. A faixa etária das crianças é de 7/8anos e as aulas analisadas aconteceram numa classe de 30 alunos do 2°ano do Ensino Fundamental em uma escola privada da cidade de Campinas. A importância das interações sociais no grupo pode suscitar indícios de insubordinação criativa quando alguns alunos se posicionam a favor de seus interesses e do grupo. Essas interações tem sentido quando o professor legitima o que a criança fala sobre si, sobre o outro, sobre a escola apoiando-a a realizar uma leitura de mundo construída coletivamente. Nessa perspectiva se caracteriza a pesquisa (auto)biográfica com crianças. A postura do professor quando coloca o aluno no centro do processo educacional, desafiando-o a resolver problemas e a criar propostas para a solução, também evidencia indicativos de insubordinação criativa do professor. Para a análise desses argumentos, consideram-se como inferências teóricas que o ser humano transforma o meio para atender as suas necessidades básicas e transforma-se a si mesmo. As conclusões evidenciam que existem ações factíveis de insubordinação criativa.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26843/rencima.v8i4.1511

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2179-426X

Principais Indexadores e Banco de Dados 

   4fscprrsdbplgx1korycxmt8hz22jwbgfztn2wy3tm8yqmxkqtam7cpmcsaml9ttq_400      base_sumarios-org_696      logo-oei_400      latindex_376 diadorimq_600

 

Licença Creative Commons
A REnCiMa está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional