Contextualização, experimentação e aprendizagem significativa na melhoria do ensino de Cinética Química

  • Jhonnata de Souza Batista Secretaria da Educação do Estado do Ceará
  • Maria Graças Gomes Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: contextualização, experimentação, Aprendizagem significativa, ensino de Química, Cinética

Resumo

O uso da contextualização e da experimentação oportuniza a participação do aluno como construtor do seu próprio conhecimento, saindo da condição de espectador, tornando sua aprendizagem significativa. Este trabalho tem como objetivo geral analisar o ensino e a aprendizagem, através de uma abordagem contextualizada experimental aplicada ao ensino de cinética química no 2°ano do ensino médio, através de sessões didáticas e experimentação relacionada ao cotidiano regional dos alunos. Os dados foram coletados através de questionários, testes e portfólio individual. A avaliação da aprendizagem foi observada em relação às notas, a postura dos alunos em relação ao conhecimento, pela participação e pela formação cidadã. Os resultados mostraram que a metodologia mostrou-se eficiente no processo de ensino e aprendizagem e na contribuição de forma significativa para a abordagem do conteúdo cinética química, oportunizando a autonomia e o protagonismo em sala de aula; promovendo, ainda, o debate de temas de questões ambientais e o estabelecimento de relações de grupo ao propiciar o desenvolvimento de competências como liderança, responsabilidade e cooperação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, V. V.; et al. Catalisando a hidrólise da ureia em urina. Química nova na escola. n.28.p.42-45. Maio de 2008.

BROWM, T. L.; LEMAY JUNIOR, E. H.; BURSTEN, B. E. Química ciência central, 9 ed., Rio de Janeiro: LTC, 2005.

CAMPOS, D. B.; et al. Aprendizagem Significativa com apelo ao Lúdico no Ensino de Química Orgânica: Estudo de caso. InterSciencePlace, v. 1, n. 31, artigo n° 10, out/dez 2014.

GADELHA, M. Dicionário de Cearês – termos e expressões populares do Ceará. Clio Editora (7ª. Edição), 2010.

GOULART. A. Revista Veja. Publicações. 2012.

LIKERT, R. Archives of Psychology.140: p. 1-55.1932

LOPES, J.B.; et al. Investigação sobre a Mediação de professores de Ciências Físicas em sala de aula. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro-UTAD. 2010.

MERÇON, F.; et al. Estratégias didáticas no ensino de química. e-Mosaicos – Revista Multidisciplinar de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, v. 1, n. 1, p. 79-93, 2012.

MIRANDA, C. L.; et al. Modelos Didáticos e Cinética Química: Considerações sobre o que se Observou nos Livros Didáticos de Química Indicados pelo PNLEM. Química Nova na Escola, vol.37. n.3, p. 197-203. Agosto de 2015.

MOREIRA, M.A. Organizadores Prévios e Aprendizagem Significativa. Revista Chilena de Educación Científica, Vol. 7, n. 2 , pp. 23-30, 2008. Revisado em 2012.

NOVAES, F. J. M.; et al. Atividades Experimentais Simples para o Entendimento de Conceitos de Cinética Enzimática: Solanum tuberosum – Uma Alternativa Versátil. Química Nova na Escola, n.1, p. 27-33. Fevereiro de 2013.

NOVAK, J. D., et al. "Teoria da Aprendizagem Significativa." Contributos do III Encontro Internacional sobre Aprendizagem Significativa. Peniche (2000).

PEREIRA, B.B. Experimentação no ensino de ciências e o papel do professor na construção do conhecimento. Cadernos da FUCAMP, Minas Gerais, v.9, n.11. 2010.

PINTO, F. S. M; et al. Atividades Experimentais no Ensino de Química: Contribuições para Construção de Conceitos Químico. XVI ENEQ/X EDUQUI-ISSN: 2179-5355, 2013.

SANTOS, A.M.; et al. "O Ensino da Engenharia Por Meio da Metodologia da Problematização." VII CONNEPI-Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação. 2012.

SILVA, R. T; et al. Contextualização e Experimentação: uma análise dos artigos publicados na seção “experimentação no ensino de química” da revista Química Nova na Escola 2000-2008. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 11, n. 2, p. 245-261, Dezembro de 2009.

SILVA, A. M. Proposta para Tornar o Ensino de Química mais Atraente. RQI. Trimestre 2, 2011.

TAVARES, R. Aprendizagem significativa, codificação dual e objetos de aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 18, n. 2, p. 4-16, 2010.

VALADARES, J. A Teoria da aprendizagem significativa como teoria Construtivista. Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review – V1(1), p. 36-57, 2011.

VENQUIARUTO, L.D.; et al. Saberes populares fazendo-se saberes escolares: um estudo envolvendo a produção artesanal do pão. Química Nova na Escola, v. 33, n. 3, p. 135-141, Agosto de 2011.

WARTHA, E.J e FALJONI-ALÁRIO, A. A contextualização no ensino de Química através do livro didático. Química Nova na Escola, n. 22, p. 42-47, Novembro de 2005.

WARTHA, E. J; et al. Cotidiano e Contextualização no Ensino de Química. Química Nova na Escola, v. 35, n. 02, p. 84-91, Maio de 2013.

Publicado
2020-07-22
Como Citar
BATISTA, J. DE S.; GOMES, M. G. Contextualização, experimentação e aprendizagem significativa na melhoria do ensino de Cinética Química. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 4, p. 79-94, 22 jul. 2020.
Seção
Artigos Gerais