ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE APRENDIZAGEM: A ELABORAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA COMO FERRAMENTA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

  • Gabriela Wiechert Schrader UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL - UNICSUL
  • Rita de Cássia Frenedozo UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL - UNICSUL

Resumo

Esse trabalho tem como objetivos apresentar a elaboração de uma trilha interpretativa no Parque da Cidade Roberto Burle Marx, município de São José dos Campos (SP), como ferramenta pedagógica para a Educação Ambiental e uma sugestão de roteiro de observação ambiental para demonstrar o potencial dos pontos interpretativos que contempla conteúdos do currículo de Ciências Naturais para estudantes do Ensino Fundamental II. A análise do plano de manejo e ocupação do parque, a revisão teórica da elaboração de outras trilhas interpretativas e a pesquisa de campo foram os procedimentos metodológicos. Com a análise do plano de manejo, constatou-se que a trilha poderia ser elaborada somente no quadrante oeste do parque. Com a pesquisa de campo foi realizada a seleção de temas que levaram ao tema central “meio ambiente tudo se relaciona” e dos pontos potenciais, os quais foram avaliados de acordo com o método IAPI (Indicadores de Atratividade dos Pontos Interpretativos), pois muitos pontos se apresentavam semelhantes dentre os temas Epífitas, Palmeira Imperial, Mata Fechada, Lagoa, Residência de Olivo Gomes, Plantas aquáticas, Árvore Angiosperma, Tigre d’água, Bambu, Araucárias e Musgos. A partir desta avaliação obteve-se o ponto interpretativo com maior atratividade para cada um dos temas. No final, foi obtida uma trilha de fácil execução, com aspecto circular, extensão aproximada de 2,5 km e elaborada para ser realizada com a presença de um guia que interpreta o ambiente.
Publicado
2015-05-20